Ministra da Administração Interna admite rever proposta de lei sindical da PSP

Manuel de Almeida / Lusa

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa

A ministra da Administração Interna disse esta quinta-feira, no Parlamento, estar disponível para fazer alterações à proposta de lei sindical da PSP, nomeadamente ao artigo que proíbe os sindicatos de fazerem declarações sobre a hierarquia e o funcionamento da polícia.

“Reconheço que a sua redação (artigo 3) pode ser infeliz e que pode levar a interpretações indesejadas”, admitiu Constança Urbano de Sousa, que está disponível para o discutir e alterar.

Na presença de algumas dezenas de polícias presentes nas galerias da sala do plenário, a ministra começou por referir que a proposta de Lei do Governo para alterar a lei sindical da PSP pretende rever o regime de faltas sindicais, tendo por base o modelo da lei do trabalho da função pública.

A PSP tem, atualmente, 14 sindicatos cujos representantes sindicais têm direito a quatro dias de faltas remuneradas por mês, mais 33 dias de faltas justificadas, o que totaliza 31.153 faltas ao serviço num ano, “sobretudo à segunda-feira, sexta-feira e fins-de-semana”.

A atual situação, acrescentou Constância Urbano de Sousa, provoca “alterações em nove mil escalas por mês”, já que “estão ausentes todos os dias 85 polícias, num total de 600 por semana”.

Depois da intervenção da ministra, foi a vez do deputado do PCP Jorge Machado, que defendeu a alteração dos aspetos mais gravosos do diploma, nomeadamente o artigo 3.º, a chamada “lei da rolha”, e propôs a audição de todas as estruturas sindicais, reiterando que é possível melhorar o diploma.

A estas questões, a ministra disse ter “disponibilidade total” para negociar.

Carlos Peixoto, do PSD, referiu que a proposta do Governo “mostra a fragilidade do Governo” e que “quanto mais tempo passa, mais fica provado que o Governo e o PS não se entendem com a sacrossanta maioria de esquerda estável e sem sobressaltos”.

Quanto à proposta, o deputado disse que o PSD “não passa cheques em branco a ninguém” e criticou a já conhecida “lei da rolha”, que se refere à proibição dos sindicatos de fazerem declarações sobre a hierarquia e o funcionamento da polícia vertida no diploma (artigo 3), considerando que esta impõe “restrições inadmissíveis”.

Sandra Cunha do BE também se mostrou preocupada com a redação do artigo 3 do diploma, reconhecendo a necessidade de a proposta de lei ser revista.

“A redação do artigo 3 limita em muito a atividade sindical: há matérias que têm de ser trabalhadas e revistas”, disse.

Telmo Correia do CDS admitiu que há problemas suscitados pela proliferação de sindicatos, a sua representatividade e a dificuldade de diálogo que isso provoca, mas que não se pode “pegar fogo” a todo o edifício legislativo que está em vigor.

Criticou também o facto de a ministra chegar ao plenário sem, à partida, os apoios dos partidos que sustentam o Governo e também sem ouvir as estruturas sindicais pois está em causa uma matéria de Estado.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …

EUA. Casal vegan vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses

Um casal americano, que segue uma alimentação vegan, vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses, por malnutrição. Ambos vão permanecer detidos até à data do julgamento, em dezembro. Segundo noticiou …

Carrinha com 52 migrantes entra em Ceuta após derrubar barreiras fronteiriças

Uma carrinha com 52 migrantes rompeu, esta madrugada, as barreiras fronteiriças entre Marrocos e Espanha para entrar no enclave espanhol de Ceuta, incidente que a Guarda Civil espanhola já está a investigar. A carrinha lançou-se a toda …

Chef que renunciou à estrela Michelin espera sair do Guia em 2020

O chef Henrique Leis, que em julho renunciou à estrela Michelin que o seu restaurante detinha há 19 anos, afirma que o seu "compromisso com a Michelin acabou" e espera não ver renovada a distinção …

Morreu a fadista Argentina Santos

A fadista portuguesa morreu, esta segunda-feira, aos 95 anos de idade. As exéquias realizam-se, a partir das 17h00, na Basílica da Estrela, em Lisboa. A fadista Argentina Santos, que esta segunda-feira morreu aos 95 anos, despediu-se …

Governo apresenta queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério …

Adeus EDP Universal. Vem aí a SU Eletricidade, mas os preços não mudam

A EDP Serviço Universal vai deixar de existir a partir de 15 de Janeiro de 2020. Em seu lugar vai nascer a SU Eletricidade, a nova marca do universo EDP que vai abranger os clientes …

Mais de 41 mil idosos vivem sozinhos ou isolados em Portugal

A Guarda Nacional Republicana (GNR) sinalizou 41.868 idosos a viverem sozinhos ou isolados em todo o país em outubro no âmbito da operação "Censos Sénior", anunciou esta segunda-feira a guarda. Em comunicado, a GNR adiantou ter …

Vai nascer um Pavilhão de Gelo em Lisboa (com apoio do Governo e de fundos públicos)

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, está certo de que, ainda nesta legislatura, vai nascer um Pavilhão do Gelo para a prática de desportos em Lisboa, com apoio de …

Sudão. Crimes contra a humanidade em ataques que mataram 120 manifestantes

Os ataques que em junho mataram pelo menos 120 manifestantes no Sudão podem configurar crimes contra a humanidade, revelou um relatório divulgado pela organização Human Rights Watch (HRW), que pede justiça para as vítimas e …