Ministério Público investiga “amostras desaparecidas” da poluição no Tejo

Paulo Cunha / Lusa

Um manto de espuma cobre a água do Rio Tejo, junto ao açude de Abrantes.

Inspetores do ambiente tiveram dificuldades em recolher amostras de água junto a tubagem de empresa que é a principal responsável pelas descargas no rio. O Ministério Público já está a investigar.

Análises feitas pela Agência Portuguesa do Ambiente revelaram que as descargas das empresas de pasta de papel a montante do açude de Abrantes, especialmente em Vila Velha de Ródão, tiveram um “impacto negativo e significativo” na qualidade da água do rio, que resultaram num acumular de carga orgânica. Foram detetados níveis de celulose “cinco mil vezes” acima do normal.

Na sexta-feira da semana passada os inspetores da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) foram para o terreno recolher outro tipo de amostras, revela o Público.

Os inspetores saíram com o objetivo de recolher amostras de água junto à saída dos afluentes das ETAR das principais empresas que fazem descargas no Tejo. Uma delas era a Celtejo, responsável por 90% das descargas no rio.

Para a recolha das amostras, foi colocada, no interior do Tejo, a tubagem de um coletor que, a cada hora, durante 24 horas, recolheria automaticamente amostras da água do rio junto à tubagem da Celtejo.

No sábado, no entanto, ao deslocarem-se ao local onde tinha sido colocado o equipamento, os inspetores depararam-se com recipientes praticamente vazios. O coletor tinha recolhido apenas alguma espuma, e não água, que não servia para análise laboratorial.

Numa segunda tentativa, foi a GNR a avançar. Foi colocado no domingo o coletor no mesmo local, durante outras 24 horas. Mas segunda-feira o cenário repetiu-se e os recipientes estavam igualmente vazios.

Nesse dia, os militares do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR recolocaram o equipamento no rio Tejo, mas desta vez ficaram de vigilância. O coletor voltou a fazer das suas e terça-feira os inspetores voltaram a ser surpreendidos com alguns recipientes sem amostras da água.

O problema só foi resolvido quando os inspetores optaram por fazer as recolhas manualmente da amostra de água.

Os estranhos acontecimentos já integram a investigação que o Ministério Público tem em curso desde 27 de Janeiro a empresas de Vila Velha de Ródão, na sequência de uma participação-crime de poluição no rio Tejo apresentada pelo Ministério do Ambiente.

O resultado dessas análises, ou de parte delas, será revelado esta segunda-feira, o mesmo dia em que termina o período de dez dias de redução de 50% de produção da Celtejo, imposto à empresa pelo Ministério do Ambiente. No entanto, como o primeiro-ministro já tinha reforçado, estas restrições poderão ser prolongadas, caso o problema de poluição persista. “É uma medida cautelar que terá continuidade se não se verificar alteração”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …

Governo faz ultimato: empresas têm 30 dias para regularizar fundos europeus parados (ou devolver dinheiro)

O Governo vai dar 30 dias para que as empresas que têm fundos comunitários parados regularizem a situação. Findo esse período, terão de devolver o dinheiro. José Mendes, secretário de Estado do Planeamento, garantiu, em entrevista …