Ministério Público acusa Lula da Silva de tentar obstruir investigação da Lava Jato

dgcomsoc / Flickr

O ex-presidente do Brasil, Lula da Silva

O ex-presidente do Brasil, Lula da Silva

O Ministério Público Federal (MPF) brasileiro confirmou esta quinta-feira a denúncia contra o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva e outras seis pessoas por tentativa de obstruir a Operação Lava Jato, que investiga um mega-esquema de corrupção.

Para além do ex-chefe de Estado, a denúncia é contra o seu amigo José Carlos Bumlai, o ex-senador Delcídio do Amaral, o banqueiro André Santos Esteves, o ex-assessor de Delcídio, Diogo Ferreira Rodriguez, o advogado Edson Siqueira Ribeiro Filho, e o filho de Bumlai, Maurício Barros Bumlai.

Segundo um comunicado do MTP, todos “são acusados de agirem irregularmente para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato”, que investiga um esquema de corrupção envolvendo dezenas de políticos e várias empresas, entre as quais a petrolífera estatal Petrobras.

Todos os envolvidos são acusados de tentar impedir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de assinar um acordo de delação premiada (prestação de informações em troca de redução de pena) com os investigadores da Lava Jato.

O caso já tinha sido denunciado pelo Procurador-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, em dezembro.

Contudo, como entretanto Delcídio do Amaral deixou de ter foro privilegiado ao perder o cargo de senador, o caso foi enviado do Supremo Tribunal Federal (STF), onde são investigados os políticos com foro privilegiado, para a Justiça Federal do Distrito Federal.

Com a mudança de instância na Justiça para Brasília, também determinada pelo facto de o crime ter ocorrido na capital brasileira, o MPF foi acionado e precisou confirmar a denúncia prévia do PGR.

“Além de confirmar os elementos apresentados, o procurador da República Ivan Cláudio Marx faz acréscimos à peça inicial, com o objetivo de ampliar a descrição dos fatos e as provas que envolvem os acusados”, lê-se num comunicado do MPF, sem adiantar mais dados.

/Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE