Militares portugueses vão ajudar a combater o Estado Islâmico

O embaixador dos Estados Unidos Brett McGurk, representante adjunto do presidente Barack Obama para coligação internacional, revelou que militares portugueses vão ajudar a combater o Estado Islâmico.

De acordo com o Diário de Notícias, a decisão terá sido tomada em dezembro, mas mantida em segredo até agora.

Numa entrevista dada em Lisboa pelo embaixador Brett McGurk, que a RTP1 divulgou parcialmente na passada quinta-feira, este revelou que “a iniciativa de treino em que Portugal vai participar é muito importante porque as forças de segurança iraquianas entraram em colapso no verão passado”.

No entanto, pouco mais se sabe sobre a participação portuguesa: de acordo com o comunicado da reunião de dezembro passado, o Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) apenas “analisou e deu parecer favorável (…) à possibilidade de participação na coligação multilateral no Iraque, no quadro da formação e treino militar“.

Na reunião seguinte do CSDN, a 12 de março, o organismo comunicou que “deu parecer favorável às seguintes propostas do Governo: participação de oito militares, durante um ano, na operação da UE na República Centro Africana, para apoio às autoridades deste país nos setores da segurança e da gestão das suas forças armadas; participação adicional de um navio Patrulha Oceânico, no âmbito da missão no Golfo da Guiné, aprovada na anterior sessão do Conselho”, cita o DN.

Contudo, apesar de não referidos, haverá já “30 militares do Exército” prontos a ir para o Iraque, durante um período inicial de seis meses, que ficarão na área de Bagdade. A segurança dos militares portugueses e dos outros países está a cargo dos EUA e da Espanha, nações que lideram o grupo onde Portugal se integra.

Neste momento, os militares aguardam apenas as autorizações de sobrevoo dos países em rota, prevendo-se a partida numa aeronave militar C-295 da Força Aérea – o que, refere o DN, significa que as Forças Armadas receberam instruções para avançar do Governo e que este obteve a autorização do CSDN e do Comandante Supremo das Forças Armadas, Cavaco Silva.

Ao Diário de Notícias, o tenente-coronel paraquedista Miguel Machado, autor do site Operacional, especializado em matérias de Defesa, afirmou achar “muito estranho que essa missão não seja divulgada. É inédito, porque o CSDN divulga sempre” o envio das missões militares para o estrangeiro, afirmou.

ZAP

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Escabroso o comportamento dos governantes do meu Paí.
    Tudo é feito em secretismo como se tratasse duma coutada privada.
    Acções terroristas, é o mínimo que se pode dizer desta colaboração do militares
    pagos e mantidos pelo povo,. Povo que entretanto definha na miséria enquanto a tropa vai colaborador em acções terroristas lideradas por países terroristas.

  2. Fale de coisas que sabe… Uma missão com tropas de elite a treinar forças de resistência num País estrangeiro entende que deveria ser titulo de 1º Página?
    Eu só tenho pena que o Mundo Ocidental tenha deixado passar 2 anos sem fazer nada contra a barbárie que se passa. Neste aspecto devemos estar todos de acordo, quando baterem à nossa porta pode ser tarde demais.

  3. Ao contrário do dito pelo Cda Burke o Exército iraquiano não “colapsou”! E, tanto não colapsou que, com “direcção” de Generais do Irão (ou seja Persas) e apoio do Irão, já recuperou Tikrit e está a correr com o tal E.I. da Província de Anbar, para lhes cortar a via de infiltração pela retaguarda, antes de avançar para Norte para correr com eles de Mossul….Esta é que é a realidade…!
    A outra realidade é que o chefe de Mr. Burk, (Barraka Obomba), recusou ao governo do Iraque hélis de ataque e aviões-bombardeiros (?!), que foram prontamente fornecidos pela Fed. da Rússia do Sr. V. Putin !
    Porque seria que recusaram o material de ataque ?
    Em resumo, com um País completamente Falido e a pagar Juros de Sangue aos Bancos do país do Sr. Burke, a tropa de Portugal devia era deixar-se de brincadeiras e Zelar pelo Interesse da Nação Portuguesa e do Povo Português….! O resto é fantochada e subserviência a manobras sujas de potências estrangeiras, que nada têm a ver com o nosso Interesse Nacional Permanente de Sobrevivência Nacional, ponto final parágrafo…….

  4. O meu comentário, como militar e graduado que fui, no tempo das ex. Províncias Ultramarinas, especialista em explosivos, minas e armadilhas, e que dava instrução desta matéria a todos os oficiais que mobilizados passavam pela EPE em Tancos, e tendo corrido elevados riscos no levantamento de várias minas em Nova Coimbra no Distrito do Niassa, e no trajeto Binta/Guidage na Guiné, para onde fui nomeado por escolha, onde levantei também várias minas e até corpos de 3 soldados nossos que ali se encontravam abandonados há mais de 2 meses, mortos numa emboscada, e que guardo ainda hoje como recordação 2 carregadores de G3, juntos aos seus corpos, discordo que as nossas tropas aceitem ordens destes cobardes e vendilhões da Pátria, para irem encher os bolsos à custa dos contribuintes, para países que em nada nos dizem respeito. Não bastou fazer um 25 de Abril cobardemente pelos capitães? É preciso que em nome da democracia que nem em Portugal existe, se continue a enganar e a roubar o povo esbanjando dinheiro que nos faz falta? Tenham o mínimo de vergonha senhores militares, e mandem os falhados defenderem ou protegerem o que talvez a eles pertença.

RESPONDER

Mais mortes e menos nascimentos. Portugal está com o maior saldo natural negativo do século

Como avança o Público esta quarta-feira, há 12 anos consecutivos que há mais mortes do que nascimentos em Portugal, mas este ano o país a bateu o recorde do saldo natural negativo. Desde 2009 que o …

"Não há plano B". Costa deixa avisos e recados a Hungria e Polónia

O primeiro-ministro português, António Costa, alertou, em Bruxelas, que não há um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação criado para responder à pandemia, …

Santos deu "nega" ao Benfica e Lucas Veríssimo ameaçou não jogar

O Conselho Fiscal do Santos "negou" a transferência de Lucas Veríssimo para o SL Benfica. O jogador ameaçou mesmo não entrar em campo contra o LDU Quito, na noite passada. O Conselho Fiscal do Santos emitiu …

Governo britânico substitui confinamento por restrições (com oposição interna no Partido Conservador)

Boris Johnson conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições. Dos votos contra, 56 foram de deputados conservadores e 16 de deputados do Partido Trabalhista. O Governo britânico conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições …

Sporting tem sete jogadores na porta de saída e outro para trazer Matheus Reis

O Sporting CP quer livrar-se de sete jogadores excedentários que estão a treinar com a equipa B. O clube quer também trazer Matheus Reis já neste mercado de inverno. Aproxima-se o mercado de inverno e o …

Sindicato acusa TAP de manipulação e diz que não há "trabalhadores a mais"

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) acusou a TAP de “manipulação, falta de ética e desonestidade” e defendeu que a empresa não tem “trabalhadores a mais” e deve procurar os “sorvedouros de …

Menos de 1% dos infetados estavam registados na app StayAway Covid

Menos de 1% das pessoas infetadas com covid-19 desde a disponibilização da app StayAway Covid notificaram a sua infeção. Já mais de 2,6 milhões de pessoas têm a aplicação. Desde o lançamento da aplicação de rastreio …

Guardiola lança farpas ao FC Porto, mas até isso Marchesín defendeu

Pep Guardiola mostrou-se frustrado com a forma como o FC Porto disputou o jogo. Entre os postes, Marchesín foi defendendo (praticamente) tudo o que havia para defender. O FC Porto está nos oitavos de final da …

Eurodeputado húngaro opositor do casamento gay é apanhado em "orgia" homossexual

József Szájer foi autor da revisão constitucional que proíbe o casamento gay na Hungria. Este domingo, foi apanhado a quebrar o confinamento ao participar numa "orgia" num bar gay. O eurodeputado húngaro József Szájer foi autor …

Englobamento do IRS chumbou, mas Governo não desiste. "É para cumprir"

O englobamento do IRS foi, ao segundo Orçamento da legislatura, deixado novamente de fora. Ainda assim, o Ministério das Finanças garante que a ideia é para avançar até ao fim da legislatura. O englobamento do IRS …