Metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona mantê-lo

A pandemia veio mudar a forma como trabalhamos. Quase metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona manter a atividade, ou parte dela, em regime de trabalho remoto. 

De acordo com um inquérito da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, divulgado esta segunda-feira, quase metade das empresas portuguesas pretende manter a sua atividade, ou parte dela, em regime de teletrabalho.

Dados do estudo Sinais Vitais, realizado em parceria com o Future CastLab do ISCTE, revelam que, das 63% de empresas que podiam adotar o teletrabalho, 92% fizeram-no, e 48% tenciona manter o teletrabalho na sua empresa de uma forma permanente, mesmo após a pandemia.

No entanto, adianta o Público, a maioria (74%) aplicou o teletrabalho parcial e não a todos os trabalhadores. Mesmo assim, 26% estiveram a trabalhar totalmente em teletrabalho.

“As empresas aderiram muito rapidamente a esta forma de trabalho. Mais de 90% das empresas que o podiam fazer, fizeram-no. Havia alguma inexperiência inicialmente, mas os resultados mostram que foram bem-sucedidas. 10% das empresas respondeu que aumentou a produtividade”, explicou Rafael Campos Pereira, vice-presidente da CIP.

Embora 10% das empresas diga que a produtividade melhorou, 43% não registou qualquer ganhou ou perda de produtividade em teletrabalho e e 31% considera que é cedo para avaliar. Os restantes 16% acham que a produtividade piorou.

Apesar disso, quase nove em cada dez empresas que recorreu a esta modelo de trabalho considera que os processos internos (de gestão, administrativos, de suporte informático) foram facilmente executados.

O inquérito da CIP revela ainda que, na situação de ter trabalhadores em teletrabalho, mais de duas em dez empresas responderam que a solução preferível seria “manter o teletrabalho todos os dias da semana, com idas pontuais às empresas”, enquanto 50% das empresas considera preferível ter situações de teletrabalho dois ou três dias da semana.

Do lado dos trabalhadores a resposta também foi favorável, com 57% das empresas a considerar que o teletrabalho teve aceitação elevada ou muito elevada por parte dos seus funcionários.

Para os gestores, a principal desvantagem do regime é a dispersão dos trabalhadores com assuntos domésticos e familiares (43%). A falta de comunicação entre equipas (30%) e a falta de controlo (15%) foram os outros fatores negativos mais referidos.

Entre as vantagens estão a redução de custos de funcionamento e com instalações (apontada por 27%), a motivação dos trabalhadores (26%) e um aumento de produtividade (15%).

O diário aponta ainda que 18% referiram outra questão relevante: a capacidade de poder contar com trabalhadores mais qualificados e que não estariam disponíveis num regime presencial, por razões geográficas ou familiares.

Em relação ao Código de Trabalho, o dirigente referiu que, para já, não há necessidade de o rever. “Por enquanto, não há necessidade de se rever o Código de Trabalho, o qual prevê um acordo entre as partes. É cedo para tirar conclusões, mas queremos fazer uma reflexão mais aprofundada.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Lamborghini mais potente acelera dentro de água. É um iate com 4.000 cavalos

O resultado da primeira colaboração entre a a Lamborghini e os especialistas da Tecnomar é um iate de luxo, com 4.000 cavalos que recria a sensação de condução de um superdesportivo dentro de água. O mais …

Aproxima-se o lançamento do rover Perseverance

O rover Perseverance da NASA está a menos de um mês da data de lançamento prevista para 20 de julho. A missão de astrobiologia do veículo vai procurar sinais de vida microscópica passada em Marte, explorar …

Benfica 3-1 Boavista | Águias põem fim a quarentena caseira

O Benfica venceu na noite deste sábado o Boavista, naquele que foi o primeiro triunfo caseiro após a retoma da Liga. Poderá ter sido a redenção das águias? Após ter somado apenas dois triunfos, quatro desaires …

Cortina do abraço permite às famílias reencontrar os familiares num lar de São Paulo

Abraçar, tocar e até dançar. Uma cortina do abraço permite que filhos visitem seus pais residentes numa casa de repouso em São Paulo. O empresário Bruno Zani, autor da criação, pretende agora colocar a cortina …

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas com os amigos

Os golfinhos aprendem a utilizar ferramentas não só com as suas progenitoras mas também com os seus pares, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido. De acordo …

Entre uma "história de recusas" e uma “opção clara” pelos interesses do grande capital

A líder do BE disse hoje que a legislatura do Partido Socialista tem sido a “história das recusas” tanto sobre um acordo no final das eleições 2019, seja na recusa dum Orçamento Suplementar para lá …

Homem morre nos Estados Unidos depois de receber mais de 50 choques taser na sua detenção

Dos agentes da polícia da cidade de Wilson, no estado norte-americano do Oklahoma, foram nesta quarta-feira acusados de homicídio em segundo grau pela morte de um homem durante a sua detenção. De acordo com o …

TESS fornece novas ideias sobre um mundo ultra-quente

Medições do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite) da NASA permitiram aos astrónomos melhorar bastante a sua compreensão do ambiente bizarro de KELT-9b, um dos planetas mais quentes conhecidos. "O factor de estranheza de KELT-9b é alto," …

Bill Gates elenca quatro pilares-chave para combater a pandemia

O co-fundador da Microsoft, Bill Gates, elencou quatro pilares que a sua fundação considera essenciais para combater a pandemia de covid-19, que já matou mais de 520 mil pessoas em todo o mundo. Segundo o norte-americano, …

Tesla já vale mais do que a Toyota, Disney e Coca-Cola

As ações da Tesla chegaram esta quarta-feira a um preço recorde de 1.120 dólares por ação, levando a empresa de Elon Musk a superar a cotação de mercado de grandes empresas como a Coca-Cola ou …