Metade dos portugueses vê a corrupção como principal problema do país

Usien / Wikimedia

-

Mais de 80% dos portugueses consideram que o Estado sofre influências indevidas de pessoas com grande poder económico, revela o Barómetro Global da Corrupção, publicado esta quarta-feira pela Transparency International.

A Transparency International é a rede global de Organizações Não-Governamentais anticorrupção e é representada em Portugal pela Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC).

O inquérito, conduzido pela Transparency International em 42 países da Europa e Ásia Central, revela que o parlamento, as autarquias e o setor empresarial são as áreas que os portugueses consideram estar mais expostas à corrupção.

Um em cada dois portugueses (51%) vê a corrupção como o principal problema a merecer a atenção dos responsáveis políticos, imediatamente abaixo da economia e emprego (apontados como prioritários para 74% dos portugueses) e da saúde (principal preocupação para 71% dos inquiridos).

“Quarenta e oito por cento dos portugueses consideram que a corrupção piorou em Portugal no último ano e 39% não veem melhorias nos níveis de corrupção no nosso país”, acrescenta a TIAC.

Segundo o inquérito, o parlamento é a instituição mais negativamente afetada, com 34% dos portugueses a acreditarem que todos ou a maioria dos deputados estão envolvidos em corrupção.

Já 32% dos portugueses entendem que o setor empresarial está envolvido em corrupção e 31% entendem que situação idêntica envolve os autarcas.

A Presidência da República foi também uma das instituições com piores perceções, com 32% dos portugueses a responderem que a maioria ou totalidade dos membros do gabinete do Presidente estão envolvidos em corrupção.

A recolha de dados para o Barómetro decorreu em paralelo com a campanha eleitoral para a Presidência, em Janeiro de 2016, pelo que as perceções medidas coincidem com o final do mandato de Cavaco Silva.

As elevadas perceções de corrupção em Portugal contrastam com a quase inexistência de situações em que os cidadãos tenham sido pressionados a subornar funcionários públicos.

O estudo revela ainda que apenas 2% dos inquiridos admitiram ter pago um suborno no último ano.

“Os dados do estudo mostram claramente que a corrupção identificada não está ao nível de funcionários e do pagamento de luvas”, explicou o porta-voz do TIAC, João Paulo Batalha.

“É uma corrupção mais grave, sistémica, que tem a ver com a captura das instituições públicas por grupos de interesses organizados, que têm um poder desmesurado para moldar as leis e as decisões à sua conveniência, em detrimento do interesse público“, sublinhou.

Segundo João Paulo Batalha, é precisamente esta corrupção sistémica que mais contribui para degradar a qualidade da democracia e a integridade do Estado.

O inquérito revela ainda que uma das principais causas para a falta de eficácia no combate à corrupção em Portugal é o medo de represálias, com 56% dos portugueses a admitirem tratar-se da principal razão pela qual os cidadãos não denunciam suspeitas de corrupção às autoridades.

A noção de que a corrupção se tornou normal, ou de que as denúncias não têm qualquer consequência, são outras das principais razões para que os cidadãos não reportem os casos de que tenham conhecimento.

“A experiência mostra que as denúncias que surgem de dentro das organizações são as que originam casos mais bem documentados e com maior hipótese de condenações”, referiu o porta-voz do TIAC.

Isso significa, adiantou, que “a proteção dos denunciantes é um elemento crucial do combate à corrupção, mas um elemento que continua a falhar em Portugal. Apesar de se ter legislado um princípio de proteção, esse princípio não tem tradução prática”.

Todavia, 81% dos portugueses concordam que os cidadãos podem fazer a diferença no combate à corrupção, nomeadamente através da denúncia.

“Os portugueses não são indiferentes nem coniventes com a corrupção. Cabe ao Estado garantir-lhes proteção e segurança para que possam dar o alarme e fazer-se ouvir no combate a este fenómeno”, frisou João Paulo Batalha.

A Transparency International entrevistou 1.008 pessoas em Portugal entre 4 e 26 de janeiro deste ano.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …

Costa "chocado" com caso da morte no aeroporto. Enfermeira, médico e polícias também investigados

Além dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que são suspeitos de terem agredido um cidadão ucraniano, que acabou por morrer, também há outros elementos do SEF, um médicos e uma enfermeira, …