/

O primeiro cruzeiro a voltar ao mar nas Caraíbas foi atingido por um surto de covid-19

O cruzeiro SeaDream Yacht Club foi o primeiro a regressar ao mar nas Caraíbas depois de a pandemia de covid-19 ter encerrado as operações em março. Porém, foi rapidamente atingido por um surto de covid-19.

De acordo com a CNN, a viagem do cruzeiro SeaDream Yacht Club – o primeiro a iniciar operações depois de meses parado devido à pandemia -, que saiu de Barbados a 7 de novembro, pretendia demonstrar que protocolos de segurança, incluindo testes regulares a bordo do navio, poderiam permitir que viagens de cruzeiro ocorressem durante a pandemia.

Em vez disso, um passageiro adoeceu na quarta-feira passada, forçando o SeaDream 1 a retornar a Barbados, onde todos os 53 passageiros e 66 tripulantes foram testados.

O SeaDream Yacht Club disse, em comunicado, que “convidados” tinham recebido resultados “supostamente positivos” nos testes preliminares de covid-19, mas não especificou o número de pessoas que o fizeram.

“Estamos a trabalhar em estreita colaboração com as autoridades locais de saúde e governamentais para resolver esta situação da melhor forma possível”, disse Andreas Brynestad, da SeaDream.

Segundo a CNN, que cita o passageiro do cruzeiro Ben Hewitt, um total de 7 passageiros teve teste positivo a bordo do navio de cruzeiro SeaDream 1 atracado em Barbados. Entretanto, 46 passageiros com teste negativo começaram a desembarcar do navio de cruzeiro para voar para casa no sábado. Cinco passageiros com teste positivo também desembarcaram para um voo particular de volta aos Estados Unidos.

“Não é um grande desenvolvimento para a indústria de cruzeiros”, disse Gene Sloan, uma repórter sénior do The Points Guy à CNN. “Acho que a esperança era que os testes rigorosos que a SeaDream estava a fazer mantivessem a covid fora do seu navio.”

Os testes têm sido parte integrante dos esforços da SeaDream para criar uma bolha negativa covid-19 a bordo dos seus navios. Os passageiros foram testados antes de viajar para o navio e antes de embarcar no navio.

“Acho que o que isto mostra é que vai acontecer. E até que haja uma vacina ou imunidade coletiva, quando o cruzeiro começar, veremos coisas como esta a acontecer. A questão é com que frequência e qual o tamanho?”, disse Sloan.

O uso de máscaras na viagem foi muito menos rigoroso. Sloan disse à CNN que inicialmente ninguém usava máscaras – nem a tripulação. Os membros da equipa diziam que não eram necessários, uma vez que o navio era uma “bolha” livre de covid-19.

Depois de alguns dias de navegação, a SeaDream instituiu uma política de máscara, mas não ofereceu uma explicação.

O SeaDream Yacht Club está a cancelar o resto dos seus cruzeiros de 2020 na sequência do surto.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.