Merkel volta em força à política doméstica, mas com fim à vista

Michael Kappeler / EPA

A chanceler alemã, Angela Merkel

A popularidade da chanceler alemã e do seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU), têm subido, resultado de como Angela Merkel tem lidado com a pandemia da covid-19, mas não a levará a recandidatar-se em 2021, consideram vários politólogos.

No final de outubro de 2018, depois de resultados desastrosos nas eleições regionais de Hesse, a chanceler alemã, Angela Merkel, no cargo desde 2005, anunciou que não se recandidataria à liderança nem do partido nem do Governo em 2021. Nessa altura, deixou de comentar a política interna, mas a crise provocada pelo novo coronavírus volta a dar destaque à chefe do executivo.

“Foi surpreendente para a maioria dos observadores da vida política alemã a forma como a coligação que governa, preocupada principalmente com conflitos internos desde 2018, reagiu de forma rápida e eficiente a este desafio”, sublinhou em declarações à Lusa o politólogo e sociólogo Oscar Gabriel.

Para o professor emérito da Universidade de Estugarda, Merkel, que tem feito nas ultimas semanas várias comunicações ao país, ora através de mensagens gravadas e emitidas na televisão, ora em podcast, teve “um retorno notável à política desde o início da crise”.

Para este politólogo, a primeira aparição de Merkel na televisão foi mesmo a mais forte desde a crise dos refugiados, em 2015. Ainda assim, antevê que Merkel não deverá voltar atrás com a sua palavra de não se recandidatar.

Não acho que ela concorra novamente à chancelaria em 2021. As suas declarações sobre esse assunto foram absolutamente claras e ela não recua nas suas decisões”, sustentou nas declarações à Lusa.

Também o politólogo Ulrich von Alemann reconhece que Angela Merkel voltou a estar positivamente presente nos assuntos internos e internacionais, mas considera que isso não vai fazer diferença. “Ela é séria, as medidas tomadas pela Alemanha são equilibradas e bem-sucedidas, os alemães sentem-se seguros sob a sua orientação. No entanto, ela tomou a decisão de não se candidatar novamente e vai mantê-la”, afirmou.

De acordo com uma sondagem levada a cabo pela Infratest Dimap para a ARD, há cerca de uma semana, quase três quartos dos alemães aptos a votar (72%) estão satisfeitos com a forma como o Governo alemão tem lidado com a crise, e apenas 30% criticam as medidas de contenção.

E se há um mês, os três partidos que formam a “grande coligação”, CDU, Partido Social Democrata (SPD) e União Social-Cristã (CSU) tinham avaliação negativa, agora o executivo alcançou o maior índice de popularidade desde que este estudo começou a ser feito (em 1997).

Depois de Merkel, é Markus Söder, líder da CSU e do Governo da Baviera, o maior e mais afetado estado federado da Alemanha, quem aparece como político mais popular. “Söder faz um excelente trabalho, pelo menos em relações públicas. Como é líder da CSU não pode concorrer à presidência da CDU. Neste caso, o primeiro-ministro da Renânia do Norte-Vestefália, Armnin Laschet, parece ser o favorito.”

Para Oscar Gabriel ainda é muito difícil avaliar o futuro político do país pós pandemia, mas reconhece que tanto Söder como Jens Spahn, atual ministro da saúde, recolhem um grande apoio. “Söder pertence ao grupo de políticos que estão nesta altura muito presentes no dia-a-dia a gerir a crise. Mas isso também se aplica a Spahn e a Laschet que declararam concorrer em conjunto pela liderança do partido.”

O congresso para escolher um novo líder da CDU, que irá suceder a Annegret Kramp-karrenbauer, estava marcado para o dia 25 de abril, mas foi adiado devido à pandemia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 100 mil. A Alemanha é o quarto país no mundo com mais casos diagnosticados, contabilizando cerca de 120 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

MP analisa donativos de comunidade chinesa às vítimas de Pedrógão

Os donativos de 91 mil euros feitos pela comunidade chinesa em Portugal à Câmara de Pedrógão Grande, visando ajudar as vítimas dos incêndios de 2017, estão a ser analisados e o Ministério Público de Figueiró …

Inflação congela pensões superiores a 658 euros. Só pensões mais baixas vão receber aumento de 10 euros

No próximo ano, as pensões mais baixas deverão receber um aumento extraordinário de 10 euros. As demais pensões ficarão congeladas em 2021. De acordo com o ECO, quando a média do crescimento real do PIB, nos …

Espanha. Governo de Aznar suspeito de adjudicações irregulares de 600 milhões de euros

As autoridades espanholas estão a investigar alegadas irregularidades em 23 adjudicações de obras públicas de cinco ministérios do último mandato de José María Aznar, ex-primeiro-ministro de Espanha, de 600 milhões de euros. Segundo noticiou esta segunda-feira …

Anthony Fauci prevê "explosão" de casos nos EUA após Dia de Ação de Graças

O epidemiologista norte-americano Anthony Fauci alertou este domingo para um forte aumento do número de contaminações por covid-19, após o feriado de Ação de Graças, marcado pelo movimento de milhões de pessoas em todo o …

Irão diz que cientista nuclear foi assassinado remotamente por Israel

O Irão despediu-se hoje, com um funeral digno dos maiores "mártires" do país, do cientista Mohsen Fakhrizadeh, que segundo um responsável iraniano foi assassinado remotamente por Israel com recurso a "aparelhos eletrónicos". Mohsen Fakhrizadeh, que segundo …

Trump insiste em rejeitar vitória de Biden. Bolsonaro diz que tem "informações" sobre "fraude"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse este domingo que não desiste da rejeição da vitória do Presidente eleito Joe Biden, um democrata, insistindo nas acusações de suposta “fraude” eleitoral, apesar de os tribunais terem desvalorizado …

Lei da eutanásia pode ficar pronta em dezembro e seguir para Marcelo antes das presidenciais

A lei da eutanásia deverá estar concluída, na especialidade, em dezembro, podendo ser aprovada este ano e enviada para decisão do Presidente antes das eleições presidenciais de janeiro, disseram à Lusa fontes parlamentares. À Lusa, a …

90% dos docentes têm medo de serem infetados. Diretores das escolas ponderam abandonar o cargo

Nove em cada dez professores estão preocupados ou têm medo de estar nas escolas por considerarem que estão a ser ignoradas regras que garantem higienização e distanciamento correto em tempo de pandemia, revela um inquérito …

Rui Pinto fala em "tortura psicológica na prisão" (e critica António Costa)

O alegado pirata informático Rui Pinto criticou este domingo o primeiro-ministro António Costa no Twitter, acusando-o de desvalorizar “as questões de Estado de direito” . Numa mensagem publicada no Twitter, Rui Pinto acusou António Costa de …

Polónia avisa que mecanismo de condicionalidade pode ser usado contra Portugal

O Governo polaco avisou esta segunda-feira que o mecanismo de condicionalidade do pacote financeiro europeu, que vincula a distribuição de fundos ao Estado de Direito, poderia também ser usado no futuro contra Portugal, Espanha ou …