Merkel critica Twitter por suspender permanentemente a conta de Trump. É “problemático”

Daniel Kopatsch / EPA

A chanceler alemã Angela Merkel

Esta segunda-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, criticou o Twitter por ter banido o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, da plataforma. Para a governante, trata-se de uma violação “problemática” do “direito fundamental à liberdade de expressão”.

Para Angela Merkel, o poder de restringir o discurso das pessoas não deve pertencer ao Twitter, mas sim aos países, que devem definir o que constitui discurso de ódio online.

Segundo o Financial Times, a chanceler alemã criticou, esta segunda-feira, a decisão da rede social banir o ainda Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, através de uma mensagem divulgada pelo porta-voz Steffen Seibert.

“O direito à liberdade de opinião tem uma importância fundamental. Com isso em mente, a chanceler considera que é problemático que a conta do Presidente tenha sido permanentemente suspensa”, justificou Seibert, citada pela Reuters.

Bruno le Maire, ministro francês das Finanças, concorda com a chanceler. “A regulação digital não devia ser feita pela própria oligarquia digital”, explicou o governante em declarações à rádio France Inter, atribuindo a responsabilidade pela regulação da “arena digital” aos governos.

Twitter suspende 70 mil contas pró-Trump

Esta segunda-feira, o Twitter anunciou que suspendeu “de forma permanente” 70 mil contas ligadas ao movimento conspiracionista QAnon, composto por muitos apoiantes do Presidente cessante, para impedir atos violentos, como a invasão do Capitólio.

A rede social iniciou na sexta-feira uma purga de contas consideradas perigosas, com o bloqueio definitivo da conta de Donald Trump, acusado de incitar os seus apoiantes a perturbar uma sessão conjunta do Congresso para certificar a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de 3 de novembro.

Considerado de extrema-direita, o movimento QAnon alimenta um conjunto de teorias da conspiração, incluindo a de que Trump combate secretamente uma seita mundial composta por pedófilos satânicos. “Estas contas partilhavam conteúdos perigosos, associados [ao movimento] QAnon, em grande escala”, sendo “essencialmente consagrados à propagação de teorias da conspiração”, explicou o Twitter em comunicado.

O número de contas é elevado, já que muitos indivíduos tinham várias em seu nome.

A maioria das plataformas e redes sociais adotaram medidas sem precedentes depois de membros de grupos radicais e de extrema-direita terem invadido o edifício do parlamento dos Estados Unidos (Capitólio), na quarta-feira, instigados por Donald Trump.

Além do Twitter, também a plataforma digital Facebook e serviços como o Snapchat ou Twitch suspenderam o perfil do chefe de Estado norte-americano por um período indeterminado, alegando risco de violência durante a cerimónia de tomada de posse de Joe Biden, em 20 de janeiro.

Liliana Malainho Liliana Malainho // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Concordo em absoluto com a chanceler Merkel, não pode existir restriçôes à liberdade de expressão, Trump é tolo e tem atitudes ridículas e desproporcionadas, o seu comportamento errado deve ser repudiado e rejeitado, mas não pode ser impedido de se exprimir isso é anti-democrático. Outros mecanismos institucionais podem e devem funcionar para que políticos como Trump vejam a sua ação condenada, mas censura de expressão e comunicação não é o caminho a meu ver.

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …