/

Merkel critica governo português por abrir portas a britânicos (e usa Portugal como exemplo da descoordenação na UE)

23

Filip Singer / EPA POOL

A chanceler alemã Angela Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, criticou esta terça-feira a falta de regras comuns na União Europeia (UE) relativamente às viagens, dando como exemplo a situação de aumento dos contágios em Portugal, que a seu ver “poderia ter sido evitada”.

Angela Merkel criticou duramente Portugal, esta terça-feira, por ter deixado entrar turistas britânicos no país, sabendo do elevado número de casos de infeção da variante Delta no Reino Unido, escreve o Observador.

“O que lamento é que ainda não tenhamos sido capazes de alcançar um comportamento uniforme entre os Estados-membros em termos de restrições de viagem, isto é um retrocesso”, declarou a responsável, falando em conferência de imprensa em Berlim.

Nestas declarações à imprensa, feitas em conjunto com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a propósito da aprovação do Plano de Recuperação e Resiliência da Alemanha, a chanceler alemã exemplificou: “Temos agora uma situação em Portugal, que talvez pudesse ter sido evitada”.

“E é por isso que temos de trabalhar ainda mais” na área da coordenação, vincou Angela Merkel, aludindo nomeadamente à permissão dada por Portugal, que preside atualmente ao Conselho da UE, da entrada de turistas – como os britânicos, para a final da Liga dos Campeões, no Estádio do Dragão, entre o Chelsea e o Manchester City, no final de maio.

Por seu lado, outros países como Alemanha e França impuseram restrições às viagens do Reino Unido devido à rápida propagação da variante Delta (detetada na Índia) do SARS-CoV-2.

“Fizemos progressos bastante bons nos últimos meses [no que toca à pandemia], mas ainda não estamos onde eu gostaria que a UE estivesse”, adiantou Angela Merkel.

Estas declarações foram feitas dias antes de os líderes europeus se reunirem numa cimeira europeia em Bruxelas e numa altura em que Portugal regista números diários de infeções que apenas comparam com os níveis de fevereiro.

Para tentar inverter a situação, que afeta principalmente a região de Lisboa, o Governo decretou medidas como a proibição de circulação de e para essa área metropolitana.

Também presente na conferência de imprensa, Ursula von der Leyen admitiu ser “apenas uma questão de tempo” até a variante Delta se tornar a variante dominante no espaço comunitário.

E defendeu ser “importante continuar a vacinar o mais rapidamente possível”, dado esta ser uma mutação do vírus mais contagiosa.

Para 1 de julho próximo está prevista a entrada oficial em vigor do certificado digital covid da UE, comprovativo da testagem (negativa), recuperação ou vacinação contra a doença, que visa uma retoma da livre circulação durante o verão, mas prevendo a reintrodução de restrições caso a situação epidemiológica o justifique.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A gestão das medidas sanitárias aplicadas às viagens é feita por cada país, pelo que, mesmo com o certificado, os países podem solicitar mais testes ou impor quarentenas aos viajantes.

  ZAP // Lusa

23 Comments

  1. Como não lhe dar razão por citar Portugal com esta má decisão ?????……. Até parece que o Turismo em Portugal só sobrevive graças aos Ingleses !.Quanto a “descoordenação a nível Europeu é mais que evidente !..o lucro fala mais alto que a Saúde de todos !

    • É fácil não lhe dar razão, basta dizer que o jogo foi no Porto e os turistas ingleses vem na maioria para o Algarve, por isso easyJet abriu uma base em Faro, eles nem passam por Lisboa. Mas é Lisboa que tem 70% dos casos.
      Talvez o problema seja a matemática, se o existe mais gente a circular em Lisboa do que no resto do pais, então faz sentido que a taxa de infecção seja superior, mais infectados significa maior transmissibilidade e logo … novamente … mais infectados … e é uma bola de neve que cresce mais rápido.

      Se ela se preocupasse com os jogos com publico na Alemanha em vez de Portugal ou perdesse tempo a estudar geografia para perceber que Lisboa e vale do Tejo não está no Porto nem no Algarve, fazia melhor figura.

      Não querendo defender a incompetência do nosso governo, mas a Alemanha não está melhor, e ainda assim eles recebem maior % de vacinas por habitantes do que nós.

      • Tem a sua razão, que respeito. Mas o triste resultado está cada vez mais evidente. E não é porque na Alemanha cometem os mesmos erros que devemos continuar a permitir tais eventos e concentrações Festivas neste momento !…. Bem haja !

  2. A Merkel não tem razão!!
    Não sei se ela sabe, mas os ingleses que vieram/vem a Portugal tem teste negativo e/ou vacina, portanto, a não ser que queriam fechar tudo até ao dia de “São Nunca”, havendo controlo e critérios objetivos, tem que se começar por algum lado!…
    Além disso, actualmente a zona mais preocupante é Lisboa e Vale do Tejo e, os ingleses, além da bola no Porto, foram/vão maioritariamente para o Algarve.

    • A Merkel não sabe e, o Rui Rio, não quer saber, que o Estádio do Dragão fica no Porto.
      Os 12 mil Ingleses que vieram ver o jogo só entraram com teste negativo e a maioria estavam vacinados.
      Ás 23 horas desse dia estavam todos a regressar nos 70 aviões que os trouxeram !!

      No Porto e arredores a situação pandémica está controlada e a abrandar.
      O.Hospital São João e Santo António estão sem pressão nenhuma…

      O problema grave em Portugal é em Lisboa e Vale do Tejo onde não houve jogo nenhum..
      .
      E porquê ? Por causa da invasão de turistas ingleses que vieram em massa aproveitando a Lista Verde atribuída por Inglaterra a Portugal e Islândia 3 semanas antes do jogo.
      A Alemanha, Espanha e a grande maioria da Europa ficaram fora dessa lista …

      Portanto não foi o jogo no Dragão.
      Foi a “Lista Verde acumulada á noitada do Sporting e a indisciplina habitual da juventude marialva e alfacinha.

      • Não me parece que a “Lista Verde” tenha tido assim tanta relevância no aumento do numero de infetados em Lisboa e Vale do Tejo.

    • Andas sempre distraído… É a tua cruz…
      A lista verde foi determinante para o que está a ocorrer em Lisboa. Basta ver a entrada de cidadãos do Reino Unido nesse período em Lisboa. O mesmo aconteceu no Algarve, que aparentemente não sabes, é a segunda região do país com mais casos por 100 mil habitantes da variante delta.
      Tinhas ficado melhor calado.

      • Sim, iluminado… foram os ingleses, foram…
        Os ingleses que entraram no Algarve são tipo 10x mais do que os que foram a Lisboa (além de ficarem mais tempo) e mesmo assim o Algarve é a 2ª região do país com mais novas infecções – e não a 1ª!
        Devem ser ingleses menos contagiosos…
        Tu nunca fiques calado porque os teus cometários servem para avaliar em que ponto está a manada…

        • É sempre bom saber que os iletrados como tu já têm acesso à internet e até já conseguem tentar partilhar em espaço público, embora com manifestas dificuldades de raciocínio e de interpretação do meio que os rodeia, o que lhe vai na alma. O país avançou de facto muito desde o 25 de abril.

  3. A Merkel tem meia razão, são factos mutuamente aleatórios!
    1- O governo do Costa é incompetente. É matéria de facto de forma reiterada e recorrente.
    2-O aumento do número de casos está relacionado com a vinda dos turistas ingleses. É uma afirmação que carece de comprovação.

  4. Manuel Monteiro tem toda a razão. O aumento de contaminados e a dispersão da infeção ocorreu na zona de Lisboa. Os adeptos ingleses da final da Champions, 2/3 dos quais nem dormiram em Portugal, quando muito foram infetar as suas famílias e amigos em Inglaterra. Talvez nem isso, porque a taxa de vacinados na Inglaterra era já a mais alta da Europa nessa altura. O que nós podíamos era evitar infetarmos as ideias de todos com informações falsas. Angela Merkel foi mal informada. Ou não tempo para pensar antes de falar.

    • Mais um distraído. Veja o número de cidadãos que entraram provenientes do Reino Unido em Lisboa e Algarve durante a lista verde e depois volte cá para comentar. É precisamente em Lisboa e Algarve que a variante delta tem mais peso.
      Quanto à final da Liga dos Campeões o impacto foi muito reduzido porque os adeptos apenas conviveram entre eles.

  5. Tem razão sim senhora. E os tugas ficam muito ofendidos porque depois entram na lista negra de países para viajar. A incompetência dá nisto, querem preservar votos agradando ao povinho, o resultado está à vista. Confinar? Nem pensar! até parece um slogan. Mas borgas ao molho, sem qualquer responsabilidade cívica pelos “jovens”, isso pode ser.

  6. O problema é sempre o mesmo, há seculos que assim é: a supremacia de Inglaterra e a subserviência de Portugal face aos britânicos, pois a aliança secular só funciona para os interesses de um dos lados…

  7. Se os ingleses estão assim tão bem vacinadas com altas percentagens de vacinação, então expliquem lá porque razão aquilo por lá está a ficar um descalabro total? E porque razão temos em Portugal 6 novos surtos em lares onde todos os idosos já se encontravam há meses vacinados, incluindo um que morreu de convite com a vacinação já completa…creio que a explicação é óbvia, mas vou deixar aqui que algum iluminado dissertar sobre o assunto.

  8. Só quero saber daquilo que dizem os médicos e os especialistas, e eles dizem, que as vacinas só servem para a imunização, que segundo eles não evita de sermos novamente infetados e contrairmos a doença, e transmiti-la por isso devemos continuar a ter todos os cuidados, mas será que os Portugueses não entendem um vocabulário tão básico, pois eu compreendo, vamos na direção errada, e alguém gosta de nós assim, fumar do mesmo cigarro, beber do mesmo copo, tudo ao molho e fé em Deus, quanto mais molho melhor, senão vejam as atitudes de alguns iluminados.

  9. TODA ESTA PANDEMIA PODERIA TER SIDO EVITADA! Pelo menos á escala que teve! Se todos os governos pensassem mais na saúde de todos e não tanto no dinheirinho, isto não estaria como está. Muito menos gente teria morrido e haveria muito menos infetados! A Merkl é uma hipócrita! Não é que ela não tenha razão, porque tem, mas a verdadeira razão da critica não reside na saúde. Reside nas receitas que uns paises estão a fazer com a livre circulação de turistas, algo que não acontece com países com (alguma) contenção, como a Alemanha. Infelizmente, não é “Que ninguém infete mais!”, mas sim “Eu também quero infetar… fazer dinheiro!”

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE