Médicos denunciam “imoral pressão” para não passar exames

Prefeitura Rio Bonito RJ

-

O presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) denunciou, esta quarta-feira, uma “imoral pressão de índole económica” sobre os médicos de medicina geral e familiar para que estes sejam “restritivos na solicitação dos exames necessários, nomeadamente colonoscopias”.

A propósito do Dia Europeu de Luta Contra o Cancro do Cólon, José Cotter alertou para o facto de estas “restrições” trazerem “consequências graves para os cidadãos, uma vez que não permitem o diagnóstico atempado da doença”.

Estas restrições “também se podem virar contra os próprios profissionais de saúde por razões de responsabilidade médico-legal”, acrescentou.

“A prevenção do cancro do intestino tem uma grande vantagem sobre os demais cancros, que se relaciona com o facto de através de uma colonoscopia ser possível detetar as lesões pré-malignas (pólipos) e removê-las num mesmo tempo, obtendo a cura”, disse.

De acordo com o gastrenterologista, tal “impede o desenvolvimento das lesões até à fase do cancro, com subsequente necessidade de cirurgia e outros tratamentos (quimioterapia e radioterapia, mais frequentemente)”.

Para a efeméride, o presidente da SPG gostaria de passar a mensagem de que “a prevenção do cancro do colon é possível e tremendamente eficaz, desde que o cidadão adira ao que está recomendado”.

O cancro do cólon e do reto é o que mais mortalidade provoca em Portugal. Só em 2014, houve sete mil casos da doença, com a mortalidade a cinco anos a ser de 50%.

Para José Cotter, estes números devem-se “à falta de prática de um quotidiano sadio, com combate à obesidade, ao sedentarismo, ao tabagismo e em contraponto ao estimulo de uma alimentação saudável do tipo da dieta mediterrânica com privilegio das hortaliças, frutas, cereais, azeite, peixe e líquidos em abundancia, associados a exercício físico regular”.

“Existe uma prevenção secundária deficiente com défice de cidadãos rastreados no momento certo”, destacou.

“Torna-se necessário implementar um rastreio organizado, ainda que tenha de ser criada uma linha de financiamento específica, que seria «amortizada» em vidas humanas, diminuição do absentismo, poupança com tratamentos e melhoria da qualidade de vida das populações”, prosseguiu o presidente da SPG.

Segundo José Cotter, “vários exames são possíveis de fazer, mas, com exceção da colonoscopia, todos se revelam muito insuficientes para a deteção das lesões pré-malignas atrás citadas”.

“E esse é o objetivo que deve ser perseguido. Porque detetar um cancro precoce, se bem que sendo melhor do que diagnosticá-lo em fase avançada, já vai implicar cirurgia e tratamentos que condicionam muito a qualidade de vida e apenas permitem que esta doença tenha uma sobrevivência global aos cinco anos de cerca de 50%”, concluiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Penso que infelizmente a classe médica se “esqueceu” que unida consegue tudo em prol dos doentes. O 1º grande problema é que é uma classe muito desunida e o 2º é que muitos médicos se deixaram contaminar pelo vírus do economicismo, quando oo ÚNICO objectivo que deverá nortear a actuação médica é o doente! Eu sei que este discurso pode parecer obsoleto, mas quando calha algum elemento de qualquer Governo ou seu familiar adoecer, o caso muda de figura e o meu discurso volta a fazer sentido!… Aí não se fala em poupanças…
    Eu sei que somos um país pobre. Eu sei que não existem recursos para pagar a inovação. Soluções existem várias mas até hoje ninguém teve coragem política para implementar uma única: Fechem-se hospitais (não podemos ter um hospital a cada esquina – nos paísese civilizados tal não acontece) e redistribuam-se os recursos, resolvendo o problema de falta de profissionais e de equipamentos. Além disso é mais fácil conseguir a excelência quando a concentração de profissionais e de doentes permite tratar melhor; Cortem-se empresas públicas que duplicam, triplicam, quadriplicam o mesmo trabalho; Utilize~-se os recursos da Administração Pública e parem de contratar consultores, firmas de advogados, etc, habitualmente de amigos pessoais, partidários, do avental ou do cilício, que custam fortunas ao Estado e simultâneamente representa passar um atestado de incompetência aos bons profissionais do sector público; Finalmente, já que alegadamente (como agora tem que se dizer) existe muita corrupção, implementem-se mecanismos de controle duríssimos para evitar que se roube tanto!
    Se fizerem isto estou certo que haverá dinheiro para termos a saúde que todos merecemos e para a qual todos contribuímos!

    PS – E existe ainda um outro factor grave de desperdício, do qual dou alguns exemplos: o Hospital de Arroios está abandonado há décadas! O terreno vale uma fortuna. O que foi feito até hoje? Que eu saiba NADA! Idem para o Hospital do Desterro. Idem para S. Lázaro, etc. Os Hospitals Civis de Lisboa (S. José, Capuchos), provisórios desde o terramoto de 1755 pela destruição do Hospital de Todos os Santos, continuam a receber investimentos avultados para se manterem de pé e a funcionar. Nunca passaram nem passarão de conventos adaptados. Com o dinheiro que já se lá investiu ao longo não de décadas mas de séculos, juntamente com a venda dos respectivos terrenos, quantos hospitais novos já se tinham construído?

RESPONDER

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou este sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no site da Presidência. A lei, …

Depois de 17 anos no subsolo, biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos

Biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos. O aviso é de um grupo de cientistas que alerta que, dentro de alguns dias ou semanas, as cigarras da Ninhada X vão surgir depois de 17 …

Foguetão chinês regressou à Terra (e a maior parte desintegrou-se)

Um importante segmento do foguetão chinês desintegrou-se este domingo ao reentrar na atmosfera terrestre e caiu no oceano Índico, perto das Maldivas, anunciou a agência espacial da China. "De acordo com o percurso e análise, pelas …

"Se eu encaixar, eu sento-me." Os gatos adoram caixas ilusórias

Qualquer amante de gatos sabe que estes animais têm uma predileção inata por se sentarem em espaços fechados, mesmo que o espaço seja apenas um contorno bidimensional de um quadrado no chão.  Os cientistas analisaram esta …

Jet pack da Marinha britânica. Fuzileiros navais testam macacão Gravity em exercício de embarque

Quem melhor do que as organizações militares para testar e usufruir dos jet packs? A Marinha Real Britânica e os Fuzileiros Navais reais testaram um macacão a jato, desenvolvido pela empresa Gravity Industries. Esta semana, a …

Marés de Júpiter podem ajudar a perceber a história do Sistema Solar

Uma equipa de investigadores detetou uma pequena perturbação gravitacional em Júpiter. A descoberta pode ajudar a investigar o interior do planeta e perceber melhor a história do Sistema Solar. "Se você tentasse mergulhar em Júpiter, nunca …

Em 1925, "O Isolador" prometia bloquear qualquer tipo de distração

Procrastinar foi, é e sempre será um passatempo irresistível. Por isso, nos anos 20, houve quem apresentasse uma solução radical para evitar este problema: "O Isolador". De acordo com o site IFLScience, o chamado "Isolador" foi …

Seca no México revela uma igreja submersa há 40 anos

Uma igreja no estado de Guanajuato, no México, sobrevive entre a água e os peixes, como única testemunha de um povoado inundado por uma barragem há mais de 40 anos. Agora, devido à seca que …

Neymar prolonga contrato com o Paris Saint-Germain até 2025

O avançado internacional brasileiro Neymar renovou contrato com o Paris Saint-Germain até 30 de junho de 2025, informou hoje o tricampeão francês e vice-campeão europeu de futebol. “O Paris Saint-Germain tem o prazer de anunciar que …

Países usaram modelo do queijo suíço para conter a covid-19. Na Índia, alguns "buracos" eram demasiado grandes

A grande maioria dos países adotou a estratégia do queijo suíço para responder à pandemia. Na Índia, os "buracos" eram demasiado grandes em três das camadas mais importantes. Para responder à crise sanitária desencadeada pela covid-19, …