Médicos denunciam “imoral pressão” para não passar exames

Prefeitura Rio Bonito RJ

-

O presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) denunciou, esta quarta-feira, uma “imoral pressão de índole económica” sobre os médicos de medicina geral e familiar para que estes sejam “restritivos na solicitação dos exames necessários, nomeadamente colonoscopias”.

A propósito do Dia Europeu de Luta Contra o Cancro do Cólon, José Cotter alertou para o facto de estas “restrições” trazerem “consequências graves para os cidadãos, uma vez que não permitem o diagnóstico atempado da doença”.

Estas restrições “também se podem virar contra os próprios profissionais de saúde por razões de responsabilidade médico-legal”, acrescentou.

“A prevenção do cancro do intestino tem uma grande vantagem sobre os demais cancros, que se relaciona com o facto de através de uma colonoscopia ser possível detetar as lesões pré-malignas (pólipos) e removê-las num mesmo tempo, obtendo a cura”, disse.

De acordo com o gastrenterologista, tal “impede o desenvolvimento das lesões até à fase do cancro, com subsequente necessidade de cirurgia e outros tratamentos (quimioterapia e radioterapia, mais frequentemente)”.

Para a efeméride, o presidente da SPG gostaria de passar a mensagem de que “a prevenção do cancro do colon é possível e tremendamente eficaz, desde que o cidadão adira ao que está recomendado”.

O cancro do cólon e do reto é o que mais mortalidade provoca em Portugal. Só em 2014, houve sete mil casos da doença, com a mortalidade a cinco anos a ser de 50%.

Para José Cotter, estes números devem-se “à falta de prática de um quotidiano sadio, com combate à obesidade, ao sedentarismo, ao tabagismo e em contraponto ao estimulo de uma alimentação saudável do tipo da dieta mediterrânica com privilegio das hortaliças, frutas, cereais, azeite, peixe e líquidos em abundancia, associados a exercício físico regular”.

“Existe uma prevenção secundária deficiente com défice de cidadãos rastreados no momento certo”, destacou.

“Torna-se necessário implementar um rastreio organizado, ainda que tenha de ser criada uma linha de financiamento específica, que seria «amortizada» em vidas humanas, diminuição do absentismo, poupança com tratamentos e melhoria da qualidade de vida das populações”, prosseguiu o presidente da SPG.

Segundo José Cotter, “vários exames são possíveis de fazer, mas, com exceção da colonoscopia, todos se revelam muito insuficientes para a deteção das lesões pré-malignas atrás citadas”.

“E esse é o objetivo que deve ser perseguido. Porque detetar um cancro precoce, se bem que sendo melhor do que diagnosticá-lo em fase avançada, já vai implicar cirurgia e tratamentos que condicionam muito a qualidade de vida e apenas permitem que esta doença tenha uma sobrevivência global aos cinco anos de cerca de 50%”, concluiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Penso que infelizmente a classe médica se “esqueceu” que unida consegue tudo em prol dos doentes. O 1º grande problema é que é uma classe muito desunida e o 2º é que muitos médicos se deixaram contaminar pelo vírus do economicismo, quando oo ÚNICO objectivo que deverá nortear a actuação médica é o doente! Eu sei que este discurso pode parecer obsoleto, mas quando calha algum elemento de qualquer Governo ou seu familiar adoecer, o caso muda de figura e o meu discurso volta a fazer sentido!… Aí não se fala em poupanças…
    Eu sei que somos um país pobre. Eu sei que não existem recursos para pagar a inovação. Soluções existem várias mas até hoje ninguém teve coragem política para implementar uma única: Fechem-se hospitais (não podemos ter um hospital a cada esquina – nos paísese civilizados tal não acontece) e redistribuam-se os recursos, resolvendo o problema de falta de profissionais e de equipamentos. Além disso é mais fácil conseguir a excelência quando a concentração de profissionais e de doentes permite tratar melhor; Cortem-se empresas públicas que duplicam, triplicam, quadriplicam o mesmo trabalho; Utilize~-se os recursos da Administração Pública e parem de contratar consultores, firmas de advogados, etc, habitualmente de amigos pessoais, partidários, do avental ou do cilício, que custam fortunas ao Estado e simultâneamente representa passar um atestado de incompetência aos bons profissionais do sector público; Finalmente, já que alegadamente (como agora tem que se dizer) existe muita corrupção, implementem-se mecanismos de controle duríssimos para evitar que se roube tanto!
    Se fizerem isto estou certo que haverá dinheiro para termos a saúde que todos merecemos e para a qual todos contribuímos!

    PS – E existe ainda um outro factor grave de desperdício, do qual dou alguns exemplos: o Hospital de Arroios está abandonado há décadas! O terreno vale uma fortuna. O que foi feito até hoje? Que eu saiba NADA! Idem para o Hospital do Desterro. Idem para S. Lázaro, etc. Os Hospitals Civis de Lisboa (S. José, Capuchos), provisórios desde o terramoto de 1755 pela destruição do Hospital de Todos os Santos, continuam a receber investimentos avultados para se manterem de pé e a funcionar. Nunca passaram nem passarão de conventos adaptados. Com o dinheiro que já se lá investiu ao longo não de décadas mas de séculos, juntamente com a venda dos respectivos terrenos, quantos hospitais novos já se tinham construído?

RESPONDER

85% dos medicamentos estão em falta na Venezuela

A Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven) informou hoje que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país. A denúncia surgiu um dia depois de o Governo venezuelano estabelecer preços fixos para 56 medicamentos, durante …

Obrigar as crianças a beijar os avós é mesmo uma "violência"

O professor universitário Daniel Cardoso pôs o país a discutir se é ou não uma violência obrigar as crianças a beijar os avós. Uma posição que é defendida por inúmeros especialistas e que nem sequer …

Cidade da Maia testa passadeira 3D

O município da Maia está a testar a colocação de passadeiras 3D, cujo objetivo é criar uma ilusão de ótica que faz os condutores abrandar quando se aproximam, descreveu hoje a autarquia. Em causa está, de …

Portugal recebe em novembro cerca de 150 refugiados que estão no Egito

Portugal vai receber, em novembro, cerca de 150 refugiados que estão no Egito, primeiro grupo de mais de mil pessoas que vão ser reinstaladas em Portugal até 2019, disse hoje o ministro da Administração Interna. "Vamos …

Crianças até 2 anos são as que mais usam apps

Mais de metade das crianças com menos de 8 anos usa aplicações como entretenimento e as crianças que mais usam os dispositivos eletrónicos têm até 2 anos. Segundo o estudo "Happy Kids: Aplicações Seguras e Benéficas …

Abstenção galopante alastra-se à faixa dos 30-44 anos

A abstenção aumentou de forma galopante em Portugal, dos 8,1% em 1975 para os 44,2% nas legislativas de 2015, e a tendência está a alastrar das gerações mais jovens para a faixa dos 30 aos …

Descida da propina vai retirar bolsas a alunos carenciados. Medida "demagógica e perversa"

A descida do valor máximo da propina poderá significar o fim da bolsa para muitos alunos carenciados, alertou o reitor da Universidade Nova de Lisboa, que considera a medida ''demagógica e perversa''. Segundo a proposta de …

Hugo Abreu caiu da viatura e “não se mexeu mais”. Instrutor dos comandos viu e ignorou

Rodrigo Seco afirmou que, no decurso da Prova Zero, os dois instrutores desvalorizaram os sintomas de mal-estar, sinais de cansaço e ignoraram os vários pedidos dos instruendos para que pudessem beber água. Um dos instruendos do …

Nunes da Fonseca é o novo Chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca é o escolhido para suceder ao general Rovisco Duarte como Chefe do Estado-Maior do Exército. Rovisco Duarte demitiu-se no âmbito do caso do roubo de armas em Tancos. O nome …

Raspadinha rende mais de 100 milhões à Segurança Social

No próximo ano, a Segurança Social vai receber um montante na ordem dos 225 milhões provenientes dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. A Segurança Social irá receber, no próximo ano, cerca de 225 …