Médico chinês deu o primeiro alerta sobre coronavírus mas foi travado pela polícia. Agora está infetado

3

Wu Hong / EPA

Li Wenliang, um oftalmologista do Hospital Central de Wuhan, soube no sábado que tinha sido contagiado com o coronavírus, que o próprio denunciou quando se apercebeu que sete pessoas estavam internadas e em isolamento no hospital onde trabalhava. Na altura, foi acusado pela polícia de espalhar rumores.

Segundo noticiou o Observador, a 30 de dezembro – um dia antes de ter sido divulgado o primeiro caso de coronavírus -, o oftalmologista de 34 anos enviou uma mensagem para um grupo privado de conversação de colegas médicos, alertando-os para o perigo do vírus e pedindo que usassem equipamentos de segurança para evitarem a infeção.

Na mensagem, explicava que tinham chegado ao hospital sete casos de pessoas (com ligações ao mercado de Huanan, em Wuhan) com sintomas semelhantes à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

Horas depois, as mensagens que enviou tornaram-se virais nas redes sociais. À CNN Li Wenliang contou que percebeu logo que provavelmente acabaria por ser punido. Quatro dias depois, a polícia de Wuhan entregou uma carta na sua casa, obrigando-o a assiná-la.

Através daquele documento, foi acusado de fazer “falsos comentários” que “causaram graves distúrbios à ordem social”. De acordo com a BBC, Li Wenliang foi uma das oito pessoas que a polícia investigou por suspeitas de “espalhar rumores”.

No final de janeiro, quando o coronavírus era já uma emergência internacional e o número de mortos crescia de dia para dia, o oftalmologista publicou uma cópia da carta no site Weibo e explicou o que tinha acontecido. Segundo a BBC, as autoridades já pediram entretanto desculpas.

  ZAP //

3 Comments

    • Essa nunca tinha visto… “Paiz” mas o que é isso?!
      Como é que consegue dar três erros numa palavra de 4 letras?!! Isso deve ser recorde.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.