Médico inglês com covid-19 sai dos cuidados intensivos e morre dias depois devido a AVC

Alejandro Garcia / EPA

O médico inglês Rudresh Pathak, de 65 anos, que contraiu covid-19 e foi um dos pacientes o Reino Unido que mais tempo esteve ligado a um ventilador, morreu de um acidente vascular cerebral (AVC) depois de sair dos cuidados intensivos.

Segundo noticiou o Guardian, citado na terça-feira pelo Expresso, este caso é uma das provas de que ainda se sabe pouco sobre o vírus. O jornal britânico apontou para um estudo da Universidade de Liverpool, publicado em junho na Lancet Psychiatry, que associa o vírus a complicações no cérebro, como AVC e psicoses.

O estudo analisou 125 pacientes – a maioria com mais de 60 anos -, dos quais 77 tiveram um AVC. Em 57 dos casos, esta complicação deveu-se a coágulos sanguíneos, conhecidos como acidentes isquémicos, em nove dos casos a hemorragias cerebrais e, no caso de um paciente, a inflamação dos vasos sanguíneos do cérebro.

“Tem havido cada vez mais relatos de uma associação entre a infeção da covid-19 e possíveis complicações neurológicas e psiquiátricas, mas até agora só a partir de estudos com dez ou menos pacientes. A nossa é a primeira investigação nacional de complicações neurológicas associadas à covid-19, mas é importante assinalar que se centra em casos tão graves que exigiram hospitalização”, afirmou o autor do estudo, Benedict Michael, sublinhando a importância de “mais investigação”.

Concluiu-se ainda que 39 (metade dos quais com menos de 60 anos) manifestaram confusão mental ou mudanças de comportamentos associadas a uma alteração do seu estado mental. Sete sofriam de encefalite e alterações psiquiátricas – psicose, demência, depressão e ansiedade – encontraram-se em 23 dos doentes, sem antecedentes.

David Werring, professor no University College London, explicou ao Guardian que se sabe, desde há muito tempo, que as infeções são um fator de risco para os acidentes vasculares cerebrais, mas que há “evidências de que pessoas infetadas com covid-19 e vítimas de um AVC têm mais probabilidade de ter múltiplos bloqueios nas artérias do cérebro e morrer”.

“Entre 1% a 5% das pessoas com covid-19 pode ter um AVC”, disse o médico, “percentagem que parece ser maior do que a de outros vírus, como o vírus da gripe, em que está abaixo de 1%”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.