/

Já há um medicamento para tratar a covid-19 em casa (e vários países assinaram acordos de compra)

6

Países asiáticos já estão na luta pelo novo comprimido antiviral, cujo uso ainda nem sequer foi autorizado, contra a covid-19.

Países da região asiática estão já a fazer encomendas da mais recente arma contra a covid-19: um comprimido antiviral que ainda nem sequer está autorizado para uso, escreve a CNN.

O Molnupiravir — produzido pela empresa farmacêutica americana Merck — está a ser anunciado como um potencial game changer, especialmente para aqueles que não podem ser vacinados.

A Merck está neste momento à espera da autorização de uso de emergência do regulador norte-americano Food and Drug Administration (FDA) para o medicamento que, se se for aprovado, será o primeiro tratamento oral contra a covid-19.

Na região Ásia-Pacífico, há já pelo menos oito países (incluindo Nova Zelândia, Austrália e Coreia do Sul) que assinaram acordos ou estão em conversações para adquirir o medicamento, segundo a empresa Airfinity.

Especialistas dizem que, embora o medicamento pareça promissor, estão preocupados que algumas pessoas o utilizem como alternativa às vacinas, que continuam a oferecer uma maior proteção contra o SARS-CoV-2.

Além disso, advertem que a corrida da Ásia ao novo tratamento poderá provocar uma repetição do que aconteceu com a distribuição das vacinas, quando os países mais ricos foram acusados de acumular doses, deixando os países de baixos rendimentos com falta destas.

“[Molnupiravir] tem o potencial para mudar um pouco o jogo”, disse Rachel Cohen, diretora executiva da Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas, uma organização sem fins lucrativos.

“Temos de garantir que não repetimos a história — que não caímos nos mesmos padrões ou repetimos os mesmos erros que aconteceram com as vacinas contra a covid”, continuou.

Afinal, o que é o Molnupiravir?

O novo medicamento é visto como um passo na direção certa para controlar a pandemia de covid-19, tendo em conta que pode tratar pacientes infetados com o coronavírus, sem que estes precisem de ser hospitalizados.

Assim que o paciente seja diagnosticado, pode iniciar o tratamento com Molnupiravir, que envolve a toma de quatro cápsulas de 200 miligramas, duas vezes por dia, durante cinco dias — num total de 40 comprimidos.

Ao contrário das vacinas, que provocam uma resposta imunológica para prevenir a infeção, o Molnupiravir prejudica a replicação do vírus, explicou Sanjaya Senanayake, médico de doenças infecciosas e professor associado de medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Nacional Australiana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“De certa forma, faz com que o vírus produza ‘bebés’ que não são saudáveis”, disse.

Os resultados da Fase 3 dos ensaios clínicos, que contaram com a participação de mais de 700 pacientes não vacinados, mostram que o medicamento poderia reduzir o risco de hospitalização ou morte em aproximadamente 50%, em comparação com os pacientes que tomaram um placebo.

Todos os participantes receberam Molnupiravir ou um placebo cinco dias após o início dos sintomas e, no prazo de 29 dias, nenhum dos que tomaram o medicamento morreu, em comparação com oito dos que receberam o placebo.

Os dados finais do ensaio ainda não foram divulgados e ainda não foram revistos por pares. Mas são são encorajadores e o Molnupiravir pode ter um “impacto profundo no controlo da pandemia”, disse, em comunicado, Wendy Holman, diretora executiva da Ridgeback Biotherapeutics.

“Os tratamentos antivirais que podem ser tomados em casa para manter as pessoas infetadas com covid-19 fora do hospital são muito necessários”, continuou.

Especialistas concordam que o fármaco é promissor. Em vez de os pacientes esperarem para perceber se ficam com sintomas graves, o vírus poderia ser tratado logo após o seu diagnóstico, disse Cohen, da Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas.

E, ao contrário de outros tratamentos para a covid-19, o Molnupiravir poderia ser tomado em casa, libertando recursos hospitalares para doentes mais graves.

Assim, “conseguir um comprimido é muito mais simples”, disse Senanayake, considerando o novo medicamento um game changer.

Mas qual é o impacto do Molnupiravir relativamente às vacinas?

Segundo peritos ouvidos pela CNN, as vacinas continuam a ser a melhor proteção, até porque reduzem o risco de uma pessoa ser infetada com covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mas mesmo na região Ásia-Pacífico, onde as taxas de vacinação melhoraram após um início lento, milhões de pessoas continuam a não ser inoculadas porque não se qualificam, ou porque não conseguem aceder às vacinas. Daí a importância do novo medicamento.

“Há muitas pessoas que não podem ser vacinadas”, disse Nial Wheate, professor associado da Escola de Farmácia da Universidade de Sidney.

“Este medicamento será uma solução de primeira linha para aquelas pessoas que acabam por adoecer”, continuou.

No entanto, Wheate e outros especialistas estão preocupados com o facto de o novo tratamento poder dificultar a tarefa de convencer as pessoas a serem vacinadas, agravando a hesitação vacinal verificada em vários países, incluindo a Austrália.

A investigação mostra que as pessoas preferem engolir medicamentos em vez de serem injetados, disse Wheate.

“Se me tivesse dito há um ano e meio que as pessoas recusariam uma vacina para uma doença que está a exterminar o planeta, eu teria pensado que é louco”, acrescentou.

“Há sempre espaço para as pessoas pensarem que este medicamento será uma solução muito melhor do que ser vacinado”, concluiu.

Senanayake compara a abordagem à covid-19 com a da gripe sazonal: existe uma vacina contra a gripe, mas também existem medicamentos antivirais para tratar aqueles que ficam doentes.

No entanto, o Molnupiravir não diminui a urgência em aumentar o acesso equitativo às vacinas, alertou Cohen.

“A equidade da vacinação é o maior desafio. Mas nunca se combate uma doença infecciosa com apenas um conjunto de ferramentas. Precisamos do arsenal completo das tecnologias da saúde”, acrescentou.

PUBLICIDADE

De acordo com dados da Airfinity, dez países ou territórios já estão em negociações ou assinaram acordos para a compra do medicamento — e oito deles são da região Ásia-Pacífico.

Segundo a CNN, alguns desses países podem estar a tentar evitar erros do passado, como quando a entrega lenta de encomendas fez com que o lançamento das vacinas se atrasasse.

“Penso que só queremos ter a certeza de que estamos à frente quando se trata destes novos desenvolvimentos”, disse Senanayake.

“Há alguns países de rendimento médio que penso que estão apenas a tentar não cair na mesma armadilha em que foram deixados quando os países de rendimento elevado acumularam todas as vacinas”, acrescentou Cohen.

Ainda não é claro quanto é que cada um destes países pagará pelos comprimidos, mas os Estados Unidos concordaram em pagar 1,2 mil milhões de dólares por 1,7 milhões de lotes, caso o Molnupiravir seja aprovado. Isto significa que o governo pagará cerca de 700 dólares (cerca de 600 euros) por lote, cuja produção custa apenas 18 dólares (cerca de 15,5 euros), segundo uma análise dos investigadores Melissa Barber e Dzintars Gotham baseada num cálculo do custo das matérias-primas.

  ZAP //

6 Comments

  1. Não se sabe ao certo o que este novo medicamento ira trazer! Acima de tudo é um negocio.. e passo a explicar…

    O Molnupiravir usa uma molécula que é catalisada noutra que por sua vez impede a replicação do virus substituindo nos pares de aminoácidos 2 pontes de ligação. Resumindo uma historia longa.. ele vai fazer mutações no virus “esperando” deste modo que o mesmo perca a capacidade de replicação (nota que estamos a usar uma base estatística.. pq na realidade até pode surgir uma mutação pior.. improvável.. mas possível). Em testes clínicos.. funcionou (com algumas ressalvas).. mas .. MASSSS.. e aqui é que vem o grande “MAS”.. não ha estudos a longo prazo.. até porque não se sabe se as células hospedeiras não são afetadas pelo mecanismo de mutação proteica usado contra o mRNA do virus (eles dizem que não -invariavelmente-.. mas em estudos animais sabe-se que isso aconteceu). Dito por outras palavras.. podem surgir problemas (mutações.. boas ou más.. mas geralmente más..) do uso do medicamento e NINGUEM pode dizer o contrario.. basta ler o que foi dado a conhecer sobre o mesmo. É cura? Ajuda neste problema.. (de forma limitada).. mas.. .. e depois?

    • “uma molécula que é catalisada noutra que por sua vez impede a replicação do virus substituindo nos pares de aminoácidos 2 pontes de ligação”.
      Eh pah, que português mais esquisito…
      és um bot ou traduziste à pressa?
      o que é uma molécula catalisada noutra? isto não é português.
      2 pontes de ligação? que raio é isto?

    • De tudo o que disse sobre o medicamento, e com todo o respeito pelos conhecimentos que tenha, que parte não poderia ser aplicada às vacinas?: falta de estudos a longo prazo, problemas e, principalmente a parte do negócio?

      Esclareço que sou vacinado

  2. Eu não sou contra as vacinas.. não me entenda mal. Eu próprio sou vacinado. Mas são coisas diferentes!

    Apenas estou a esclarecer, o que a notícia não indicou… que este medicamente em si tem dados contraditórios na sua aplicação. Ha evidência em estudos animais que indica haver passagem do mecanismo de inibição proteica (que deveria ser aplicável unicamente ao RNA do virus usando essa molécula) ao funcionamento interno da célula hospedeira. Acho que ninguém quer tomar um medicamento que reduz uns 50% em incidência covid mas que depois acaba com uma “potencial” mutação celular (cancro, por assim dizer). Simplesmente, neste momento, não sabemos… porque ainda não houve estudos a longo prazo! Será que o risco compensa? (E aqui o risco é diferente do das vacinas.. sublinhe-se)

    Não sei se me é permitido, mas fica aqui uma boa referencia (científica) sobre este medicamento : aI0xGfITaas (id do youtube)

    Isto não são teorias da conspiração.. é a realidade. Dizer que o molnupiravir é milagroso.. e que será a cura (parcial) é no mínimo prematuro!!

    Vejam o video acima.. é feito por profissionais de saúde e que dão formação médica.

    • Tanto “filme” sobre um suposto medicamento e ainda não há qualquer previsão (ou sequer autorização) para a sua comercialização!…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE