Theresa May apresenta hoje o Plano B para o Brexit (mas há quem o queira sequestrar)

The Prime Minister's Office / Flickr

A primeira-ministra britânica Theresa May

O Parlamento e os britânicos vão conhecer esta segunda-feira os próximos passos que o Governo pretende dar no processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), após vários dias de reuniões entre a primeira-ministra e a oposição.

Theresa May vai esta segunda-feira à Câmara dos Comuns fazer uma declaração pelas 14h30, na qual anunciará o seu Plano B, na sequência da rejeição do acordo na terça-feira, por 432 contra 202 votos.

“Agora que os deputados deixaram claro o que não querem, temos todos de trabalhar juntos construtivamente para definir o que o Parlamento quer”, disse May, na quarta-feira, após sobreviver a uma moção de censura.

Nos últimos dias reuniu-se com o líder dos Liberais Democratas, Vince Cable, e os líderes parlamentares dos partidos nacionalista escocês (SNP), Ian Blackford, e galês (Plaid Cymru), Liz Roberts, todos opositores do Brexit e favoráveis a um segundo referendo.

Na quinta-feira, a única deputada dos Verdes, Caroline Lucas, disse ter repetido “insistentemente uma vez e outra vez para descartar o Brexit ‘sem acordo’” por considerar que isso “distorce completamente as negociações, sabendo que o precipício está lá”.

Mas a recusa de May em fazê-lo, alegando ser uma “condição impossível”, impediu o encontro com o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, o principal partido da oposição.

A primeira-ministra entrará em conversas fingidas para fazer passar o tempo e tentar chantagear os parlamentares para que votem no seu acordo mal-amanhado à segunda tentativa, ameaçando o país com o caos que a ausência de acordo vai trazer”, acusou Corbyn.

Outra das exigências dos partidos da oposição tem sido a extensão do período do artigo 50.º que, ao desencadear a saída do Reino Unido da União Europeia, determinou um prazo de dois anos para as negociações, o qual acaba a 29 de março.

May argumenta que a alternativa para evitar a ausência de acordo está entre “revogar o artigo 50.º e reverter o resultado do referendo” de 2016 que ditou o Brexit, ou aprovar um acordo de saída.

A líder conservadora procurou também apoio no seu próprio partido, do qual 118 deputados votaram contra o acordo, divididos entre eurocéticos e pró-europeus, estes últimos dispostos a ceder em troca de uma saída da UE, mas com permanência numa união aduaneira.

Porém, também este cenário está afastado pela primeira-ministra porque impede a negociação de acordos comerciais com países terceiros.

Na noite de quinta-feira e na manhã de sexta-feira, May falou por telefone com líderes europeus, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, e os líderes da UE Jean-Claude Juncker e Donald Tusk.

A intervenção será acompanhada por uma moção para ser votada na semana seguinte, a 29 de janeiro, a qual os deputados poderão alterar, sugerindo diferentes alternativas para sair do impasse, incluindo um novo referendo.

Segundo a comunicação social britânica, uma proposta do conservador Nick Boles e da trabalhista Yvette Cooper – que forçaria o Governo a adiar o Brexit se não for encontrado um consenso até março, tornando impossível a saída sem um acordo – poderá ter apoio interpartidário.

Governo acusa deputados de “sequestrar o Brexit”

Para esta segunda-feira está marcada a apresentação dos planos do Governo britânico para desbloquear o impasse causado pelo chumbo do acordo de Theresa May para a saída do Reino Unido da União Europeia. No entanto, uma vaga de movimentações para evitar uma saída sem acordo está a enervar o executivo.

A vaga é protagonizada por deputados de diferentes partidos, que estão a ser acusados pelo Governo de quererem “sequestrar” o Brexit.

“Temos uma população que quer a saída da UE e um Parlamento que quer a permanência. O Parlamento não tem o direito de sequestrar o processo do Brexit”, defendeu este domingo o ministro do Comércio Liam Fox, em entrevista à BBC. “Alguns dos que se opuseram totalmente ao resultado do referendo estão agora a tentar sequestrar o Brexit e roubar o resultado das mãos da população.”

A rejeição do tratado jurídico do Brexit – a maior derrota de sempre de um Governo britânico – lançou o processo para um autêntico limbo, escreve o Público.

Theresa May encetou conversas com representantes de todos os partidos, mas não abre mão das suas “linhas vermelhas”. Do outro lado, o líder do Partido Trabalhista Jeremy Corbyn recusou sentar-se com a primeira-ministra enquanto ela não excluísse o cenário de saída sem acordo.

A postura irredutível de ambos os responsáveis políticos abriu caminho a negociações paralelas, envolvendo deputados que não estão dispostos a deixar o país cair para um Brexit desgovernado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …

João Cotrim Figueiredo eleito presidente da Iniciativa Liberal com 96% dos votos

João Cotrim Figueiredo foi eleito, este domingo, presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido. A III Convenção Nacional do partido decorre hoje …

Inteligência artificial decifra manuscrito que pode mudar história da Austrália

A Terra Australis Incognita, hoje conhecida como Austrália, foi descrita por um jesuíta espanhol quase cem anos antes da descoberta em 1770 pelo marinheiro britânico James Cook, segundo um manuscrito decifrado através de inteligência artificial. A …