May consegue adiar a sua queda, mas não tira o Brexit da corda bamba

Will Oliver / EPA

Theresa May, primeira-ministra britânica

Mais de treze horas de incerteza em que o coração de Theresa May voltou a bater depressa demais. A primeira-ministra sobreviveu à moção de censura, mas tem pela frente mais um osso duro de roer: o acordo para o Brexit continua por aprovar e o Parlamento britânico promete não facilitar a tarefa.

Foi mais um dia em que a Europa viu o Reino Unido ligado às máquinas. Esta quarta-feira, o país tremeu, mas no final do dia era Theresa May quem respirava de alívio: sobreviver à moção de censura do seu próprio partido fez com que a primeira-ministra britânica conquistasse um salvo-conduto de 12 meses para continuar à frente do Partido Conservador e, consequentemente, do Governo britânico.

A margem foi suficientemente grande, obtendo 200 votos de confiança acima dos 159 necessários para continuar como líder. No entanto, este número dificilmente lhe garante luz verde para fazer aprovar no Parlamento o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia.

O final vitorioso de May nesta quarta-feira não foi extraordinário, mas confirmou os sinais que foram dados ao longo do dia pelas mais de 180 manifestações públicas de apoio protagonizadas por deputados tories.

A primeira-ministra britânica precisava de, pelo menos, 159 votos para evitar uma eventual disputa pela liderança do partido, algo que acabou por não acontecer, dado que conseguiu 200 votos (67%) contra os 117 que a tentaram pôr com um pé de fora. Com os dois pés dentro do partido, May resistiu a mais um abalo em Downing Street.

Poucos depois de conhecidos os resultados, May disse aos jornalistas, citada pelo Público, que “depois desta votação devemos prosseguir com o nosso trabalho para ofereceremos o Brexit aos britânicos e construirmos um futuro melhor para este país”.

Consciente da oposição “considerável” dentro do seu próprio partido, May diz-se “grata pelo apoio”. Ainda antes da votação final que aconteceu no final da tarde desta quarta-feira, acenou aos deputados e prometeu que não irá concorrer às próximas eleições, agendadas para 2022.

Este é o estender da mão de May aos parlamentares conservadores, que ficaram satisfeitos com o gesto apaziguador. Aliás, talvez tenha sido uma garantia decisiva para o resultado da votação, juntamente com a ameaça de se ter de estender a aplicação do artigo 50.º do Tratado da UE e adiar a data de saída (29 de Março do próximo ano).

Sobreviveu, mas ainda não pode respirar de alívio. A qualquer momento Theresa May pode ser surpreendida por uma nova ameaça do partido, servindo de bandeja uma moção de censura ao Governo. Ainda assim, tudo indica que o Partido Trabalhista não o fará antes da votação do acordo do Brexit.

Para Corby, “não muda nada”

O líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, defendeu esta quarta-feira que a vitória da primeira-ministra na moção de censura do Partido Conservador “não muda nada”.

A dirigente dos Tories venceu uma moção de censura interna, convocada por deputados conservadores descontentes com o acordo do Brexit por ela negociado com Bruxelas para a afastar da liderança do partido.

No Twitter, Corbyn escreveu que, “agora, ela terá na mesma de submeter o seu acordo atamancado à aprovação do parlamento na próxima semana”.

“Theresa May perdeu a maioria no parlamento, o seu Governo está um caos e ela não consegue apresentar um acordo de Brexit que funcione para o país e ponha o emprego e a economia em primeiro lugar”, continuou o líder da oposição.

O desafio que May tem agora pela frente passa pela aprovação do documento, cujo voto previsto para terça-feira foi adiado na véspera perante a perspetiva de rejeição e com a promessa de conseguir dos líderes europeus “garantias adicionais” sobre a condição provisória da solução backstop para a fronteira da Irlanda do Norte.

Se o texto for aprovado, segue-se uma saída ordeira da União Europeia. Contudo, se for chumbado, o Governo terá 21 dias para indicar o que pretende fazer e poderá ter de avaliar algumas alternativas, como o modelo da Noruega, que tem acesso ao mercado único sem ser membro da UE – uma solução que poderia ter o apoio da maioria dos deputados.

Não foi desta que se deu a queda de Theresa May. Quanto ao Brexit, mantém-se (novamente) tudo em aberto.

LM, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …

Maduro prepara reestruturação do Governo venezuelano

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu aos ministros do seu Governo que ponham os seus cargos à disposição, a fim de impulsionar uma "reestruturação profunda" do Executivo. O anúncio foi feito este domingo através do …