May consegue adiar a sua queda, mas não tira o Brexit da corda bamba

Will Oliver / EPA

Theresa May, primeira-ministra britânica

Mais de treze horas de incerteza em que o coração de Theresa May voltou a bater depressa demais. A primeira-ministra sobreviveu à moção de censura, mas tem pela frente mais um osso duro de roer: o acordo para o Brexit continua por aprovar e o Parlamento britânico promete não facilitar a tarefa.

Foi mais um dia em que a Europa viu o Reino Unido ligado às máquinas. Esta quarta-feira, o país tremeu, mas no final do dia era Theresa May quem respirava de alívio: sobreviver à moção de censura do seu próprio partido fez com que a primeira-ministra britânica conquistasse um salvo-conduto de 12 meses para continuar à frente do Partido Conservador e, consequentemente, do Governo britânico.

A margem foi suficientemente grande, obtendo 200 votos de confiança acima dos 159 necessários para continuar como líder. No entanto, este número dificilmente lhe garante luz verde para fazer aprovar no Parlamento o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia.

O final vitorioso de May nesta quarta-feira não foi extraordinário, mas confirmou os sinais que foram dados ao longo do dia pelas mais de 180 manifestações públicas de apoio protagonizadas por deputados tories.

A primeira-ministra britânica precisava de, pelo menos, 159 votos para evitar uma eventual disputa pela liderança do partido, algo que acabou por não acontecer, dado que conseguiu 200 votos (67%) contra os 117 que a tentaram pôr com um pé de fora. Com os dois pés dentro do partido, May resistiu a mais um abalo em Downing Street.

Poucos depois de conhecidos os resultados, May disse aos jornalistas, citada pelo Público, que “depois desta votação devemos prosseguir com o nosso trabalho para ofereceremos o Brexit aos britânicos e construirmos um futuro melhor para este país”.

Consciente da oposição “considerável” dentro do seu próprio partido, May diz-se “grata pelo apoio”. Ainda antes da votação final que aconteceu no final da tarde desta quarta-feira, acenou aos deputados e prometeu que não irá concorrer às próximas eleições, agendadas para 2022.

Este é o estender da mão de May aos parlamentares conservadores, que ficaram satisfeitos com o gesto apaziguador. Aliás, talvez tenha sido uma garantia decisiva para o resultado da votação, juntamente com a ameaça de se ter de estender a aplicação do artigo 50.º do Tratado da UE e adiar a data de saída (29 de Março do próximo ano).

Sobreviveu, mas ainda não pode respirar de alívio. A qualquer momento Theresa May pode ser surpreendida por uma nova ameaça do partido, servindo de bandeja uma moção de censura ao Governo. Ainda assim, tudo indica que o Partido Trabalhista não o fará antes da votação do acordo do Brexit.

Para Corby, “não muda nada”

O líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, defendeu esta quarta-feira que a vitória da primeira-ministra na moção de censura do Partido Conservador “não muda nada”.

A dirigente dos Tories venceu uma moção de censura interna, convocada por deputados conservadores descontentes com o acordo do Brexit por ela negociado com Bruxelas para a afastar da liderança do partido.

No Twitter, Corbyn escreveu que, “agora, ela terá na mesma de submeter o seu acordo atamancado à aprovação do parlamento na próxima semana”.

“Theresa May perdeu a maioria no parlamento, o seu Governo está um caos e ela não consegue apresentar um acordo de Brexit que funcione para o país e ponha o emprego e a economia em primeiro lugar”, continuou o líder da oposição.

O desafio que May tem agora pela frente passa pela aprovação do documento, cujo voto previsto para terça-feira foi adiado na véspera perante a perspetiva de rejeição e com a promessa de conseguir dos líderes europeus “garantias adicionais” sobre a condição provisória da solução backstop para a fronteira da Irlanda do Norte.

Se o texto for aprovado, segue-se uma saída ordeira da União Europeia. Contudo, se for chumbado, o Governo terá 21 dias para indicar o que pretende fazer e poderá ter de avaliar algumas alternativas, como o modelo da Noruega, que tem acesso ao mercado único sem ser membro da UE – uma solução que poderia ter o apoio da maioria dos deputados.

Não foi desta que se deu a queda de Theresa May. Quanto ao Brexit, mantém-se (novamente) tudo em aberto.

LM, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …