Máscaras, ventiladores e gravações do Zoom. Como os museus vão contar a história da pandemia

Cada momento que vivemos fica marcado na História da Humanidade. A pandemia de covid-19 não vai ser diferente – muito pelo contrário. Os museus de todo o mundo já se estão a preparar para contar a história da doença que fechou milhares de milhões de pessoas em casa.

A pandemia de covid-19, que surgiu em dezembro na cidade chinesa de Wuhan e rapidamente se espalhou por todo o mundo, já infetou mais de 2,5 milhões de pessoas e matou mais de 170 mil a nível global.

À medida que o vírus se espalha, muitas instituições culturais fecharam as suas portas para ajudar a travar a propagação do vírus. A maioria dos funcionários trabalha em casa e os visitantes exploram as galerias virtualmente.

Esta situação é, inegavelmente, histórica. E, segundo o Atlas Obscura, isso significa que as instituições culturais estão a tentar recolher artefactos que possam, um dia, contar a história da pandemia de covid-19.

É um momento estranho para fazer coleções. Os funcionários e os doadores potenciais não pensam automaticamente em exibições futuras, enquanto tentam cuidar de familiares doentes, ajudar crianças que estudam à distância e manterem-se saudáveis.

Colecionar durante a pandemia significa que os curadores têm de lidar com desafios práticos e questões morais. Dave Herman, fundador do museu comunitário de Brooklyn City Reliquary, disse ao Atlas Obscura que gostaria de colecionar máscaras faciais, que se tornaram uma visão omnipresente em todo o mundo. Porém, “certamente não queremos tirar máscaras dos rostos das pessoas para garantir vão para um arquivo”.

A busca por artefactos “não é um serviço essencial neste momento”, acrescentou Herman. “Porém, quando olhamos para trás, será essencial ver como isto nos afetou”.

O Museu Nacional de História Americana do Smithsonian, em Washington DC, tem uma moratória para trazer novos objetos, mas os curadores já estão a trabalhar nas suas listas de desejos de artefactos pandémicos.

Uma das prioridades são os objetos efémeros “que as pessoas deitam fora ou não pensam em salvar”, explicou Benjamin Filene, diretor associado de assuntos curatoriais do museu ao Atlas Obscura.

Nos objetos educativos incluem-se gravações de palestras à distância ou trabalhos escolares rabiscados na mesa da cozinha. Já a equipa de ciência e saúde quer colecionar algumas das “curas milagrosas” que estão a ser vendidas.

Ventiladores e kits de teste estão entre os objetos que os curadores perseguirão mais tarde, quando a sua necessidade imediata é muito menos aguda. Atualmente, esses objetos salvam vidas. Mas, eventualmente, ajudarão os visitantes do museu a pensar profundamente sobre a interseção de medos públicos e manobras políticas.

Por enquanto, o City Reliquary está a contentar-se com objetos digitais, como fotografias de letreiros feitos à mão e fachadas de lojas fechadas. Até as gravações da plataforma Zoom, utilizada para videoconferências, poderão ser exibidas no futuro.

Os objetos físicos virão mais tarde. “Quando for seguro remover as máscaras, as pessoas podem pensar: não preciso de pôr isto no lixo. Isto faz parte de um momento histórico”, disse Herman.

Além das histórias de dias solitários em casa, a equipa de Margi Hofer, diretora da Sociedade Histórica de Nova Iorque, está interessada em colecionar histórias e objetos de trabalhadores essenciais, como profissionais de saúde, trabalhadores de transporte público e funcionários de supermercados.

Quando os objetos físicos chegarem aos museus, as equipas terão de descobrir que novas medidas de segurança podem ser necessárias para o seu tratamento, manuseio e armazenamento.

E, como a crise ainda se está a desenrolar – ainda não há um consenso de especialistas sobre quando a pandemia desaparecerá e quando os protocolos de distanciamento social poderão diminuir -, é difícil prever a forma como as pessoas se relacionarão com as máscaras e outros artefactos daqui a alguns anos.

Maria Campos MC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Vacinação no bom caminho com 25% da população da UE vacina

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação …

Libertados nos EUA os primeiros mosquitos geneticamente modificados

Foi a primeira vez que mosquitos geneticamente modificados foram libertados nos Estados Unidos. O objetivo é suprimir populações de mosquitos transmissores de doenças. De acordo com o site Live Science, a empresa de biotecnologia Oxitec lançou …

Descobertos os restos de nove Neandertais numa gruta em Itália

Os restos de nove Neandertais foram descobertos na Gruta de Guattari, em San Felice Circeo, na costa entre Roma e Nápoles, onde já tinham sido encontrados vestígios da presença Neandertal, anunciou este sábado o ministro …

Leis draconianas na Malásia. Fahmi Reza foi detido por insultar a rainha com playlist no Spotify

A sátira desempenha um importante papel na sociedade. Na Malásia, as leis draconianas estão a reacender o debate em torno da liberdade de expressão. Fahmi Reza, um artista gráfico e ativista social malaio, foi detido no …

António Barreto

Portugal vai ter "um problema de cor de pele" (por muitos anos e com conflitos)

O sociólogo António Barreto considera que Portugal vai "ter um problema" de "cor de pele" e "por muitos anos". Uma ideia defendida numa entrevista onde se reporta para "o que se passa em toda a …

Um laboratório vivo. Há residentes "superimunes" à covid-19 numa pequena cidade italiana

A pequena cidade de Vo, no norte de Itália, tornou-se um dos primeiros locais com um surto de covid-19 da Europa em fevereiro de 2020. Agora, os cientistas descobriram que a cidade abriga um número …

Portugal com duas mortes e 406 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje duas mortes atribuídas à covid-19, 406 novos casos de infeção pelo coronavírus e nova descida no número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

Portugal "tem nível de rendimentos baixíssimo". Muitos municípios que perdem população desde o final II Guerra

Portugal tem municípios que perdem população desde o final da II Guerra Mundial e dificilmente fenómenos como o teletrabalho irão alterar esta paisagem, na opinião do geógrafo Álvaro Domingues, da Universidade do Porto. Em entrevista à …

Gestora em teletrabalho esqueceu-se da filha no carro. Bebé encontrada sem vida sete horas depois

Maria Pilar, uma bebé de dois anos, morreu esta sexta-feira, depois de ter ficado esquecida dentro do carro durante cerca de sete horas. A menina de dois anos esteve cerca de sete horas dentro do carro, …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Cimeira Social cheia de boas intenções deixa factura de um milhão de euros (e "erro" na comida da PSP)

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia comprometeram-se, na Cimeira Social do Porto, a "trabalhar em prol de uma Europa social". Mas o evento deixa uma polémica com as refeições distribuídas aos …