Martin Luther King foi assassinado há 50 anos. Mas o “sonho” não morreu

robert_trudeau/ / Flickr

Martin Luther King em 1958

Esta quarta-feira, 4 de abril, completam-se 50 anos do assassinato de Martin Luther King Jr., um dos principais líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA.

“A última campanha de Martin Luther King Jr. foi a ‘Campanha dos Pobres’. É muito importante eliminar a pobreza e isso ainda não foi conseguido”. Quem o diz é Tom Houck, ativista que trabalhou como assistente pessoal de um dos principais líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA e que, há 50 anos, foi assassinado no Tennessee.

Filho e neto de pastores protestantes batistas, Martin Luther King Jr. formou-se em teologia e foi pastor em Montgomery, capital do Alabama. Lá, iniciou a sua luta pela igualdade de direitos para negros e brancos nos Estados Unidos.

Caso disso foi o boicote aos serviços de transportes que liderou, em 1955, quando a costureira negra Rosa Parks se recusou a ceder o seu lugar no autocarro a um branco e foi presa. O boicote durou quase um ano e King também foi preso.

Na década de 60, durante os boicotes aos transportes públicos, Houck, ainda estudante, decidiu seguir o reverendo e, desde então, nunca mais abandonou a sua luta pela igualdade racial.

Houck conta que conheceu o líder norte-americano na entrada da Conferência da Liderança dos Cristãos do Sul (SCLC), a organização presidida por Martin Luther King que mobilizava as igrejas negras para protestos não-violentos. “Era um rapaz branco, de cabelos longos e castanhos, sentado no passeio à espera de boleia. Foi quando o Dr. King me viu e perguntou se eu queria almoçar em casa dele”.

No mesmo dia, Coretta, a esposa do reverendo, tinha comentado sobre a necessidade da família em ter um motorista. Houck aceitou o desafio: nos nove meses seguintes, transportou os seus quatro filhos da casa para a escola e até mesmo o casal.

Nascido em Massachusetts, o ativista recorda as históricas marchas de Selma a Montgomery, em 1965. No dia 7 de março, 600 manifestantes saíram às ruas para exigir o direito ao voto para os negros daquele estado. O dia ficou conhecido como “Domingo Sangrento”, com os manifestantes a serem violentamente reprimidos pela polícia.

A transmissão ao vivo das imagens de violência chamou a atenção do povo norte-americano. Duas semanas depois, King liderou uma nova marcha a partir de Selma. Foram três as manifestações que enfrentaram a resistência branca. Os protestos eram organizados por estudantes negros com apoio do reverendo. Meses depois, o Presidente Lyndon Johnson assinou a lei que permitia o direito de voto para os cidadãos negros.

Houck conta que a participação nas marchas de Selma provocaram a expulsão da escola que frequentava na altura. “Fui considerado um subversivo. Um rapaz branco a marchar em defesa do movimento negro”, diz, lembrando que a segregação racial sempre o tinha incomodado. “Quando tinha seis anos, ia para escola e questionava-me por que motivo as casas-de-banho dos negros e brancos eram separadas”.

Benedict J. Fernandez / Wikimedia

Martin Luther King Jr.

“I have a dream”

Hoje, aos 70 anos de idade, Houck criou um passeio turístico especializado em direitos civis em Atlanta, na Geórgia, cidade em que Martin Luther King nasceu e viveu e onde conta histórias e experiências vividas com o reverendo.

Uma das paragens do passeio, por exemplo, é a casa onde o ativista viveu com a família os seus últimos anos de vida, no sudoeste de Atlanta, um dos bairros mais pobres e violentos da cidade, maioritariamente habitado por negros.

Houck tenta sempre mostrar que Martin Luther King Jr. era uma pessoa real. “Não era perfeito mas tinha o sonho e teve a visão que conhecemos e que seguimos”, afirma.

Outro local é o cemitério para onde o corpo do ativista foi levado inicialmente. Em 1984, o corpo teve de ser transferido para o parque nacional, situado no centro de Atlanta. Segundo Houck, o motivo foram as sucessivas tentativas de saque ao jazigo da família.

Sobre a lição mais importante aprendida com o ícone da luta contra o racismo, Houck afirma que, sem dúvida, foi a resistência, a não-violência e o amor.

A 28 de agosto de 1963, Martin Luther King Jr. fez o seu discurso mais emblemático para mais de 200 mil pessoas que marcharam, em Washington, pelo fim da segregação racial. “Eu tenho um sonho. O sonho de ver os meus filhos julgados pelo caráter e não pela cor da pele”, afirmou.

No ano seguinte, recebeu o Prémio Nobel da Paz e, a 4 abril de 1968, foi baleado e assassinado num hotel na cidade de Memphis. A luta de King levou à implantação da lei dos Direitos Civis e dos Direitos de Voto, em 1964 e 1965, que colocaram um ponto final nas normas estaduais de segregação racial nos EUA.

PARTILHAR

RESPONDER

Infetados, mortes e internamentos. Portugal bate recordes diários de covid-19

Portugal bateu o recorde diário de infeções, mortes e internamentos de doentes com covid-19. Registam-se mais 4.656 casos positivos, 40 óbitos e 1.834 pacientes internados. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 4.656 casos positivos e …

CSD tem a "chave" da geringonça açoriana (mas ainda não sabe de que lado vai ficar)

Os Presidentes do PSD e do PS já se reuniram com o líder regional do CDS, Artur Lima. O dilema é entre suportar um executivo PS ou integrar uma coligação à direita. A decisão dos …

Professores "desenrolam" queixas em frente do parlamento (e pedem saída do ministro)

Dirigentes da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) colocaram esta quinta-feira grandes faixas com reivindicações junto da Assembleia da República e criticaram o ministro da Educação, que tem que “ir embora”. “Quem não sabe ter uma atitude …

Iniciativa Liberal quer retirar "carga ideológica" da Constituição

A Iniciativa Liberal vai apresentar um projeto de revisão constitucional com uma primeira parte dedicada a retirar "carga ideológica à Constituição", clarificando, por exemplo, que serviços públicos de saúde e educação podem ser prestados pelo …

Urgência do Hospital Santa Maria está a chegar ao limite

A urgência dedicada aos casos suspeitos de covid-19 do Hospital Santa Maria, em Lisboa, reflete a evolução da pandemia em Portugal com doentes a avolumarem-se à porta para realizar o teste e no interior a …

Novo Banco. BCP garante que não faz "favores a ninguém" ao emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse ontem que o banco não faz "favores a ninguém" ao entrar no empréstimo de 275 milhões de euros da banca ao Fundo de Resolução, que posteriormente financiará …

Máfia italiana "lavou" milhões de euros ganhos com fundos europeus na Madeira

Uma das mais violentas máfias de Itália, a Società Foggiana, utilizou a Madeira para branquear mais de 16 milhões de euros obtidos com um esquema de burla à União Europeia (UE). Em causa estão fundos comunitários …

Ajudas de custo para professores deslocados ficaram na gaveta (e não estão previstas no OE2021)

O Orçamento de Estado para 2020 (OE2020) previa um programa de ajudas de custo para professores deslocados como incentivo à fixação. No entanto, a medida não avançou. O Jornal de Notícias avança esta sexta-feira que a …

Biden ainda à frente, mas nada está perdido para Trump. A luta pelos "swing states" continua

O dia em que os norte-americanos vão saber quem é o próximo presidente dos EUA está muito próximo. Entres sondagens, parece fácil levantar a ponta do véu. No entanto, é importante não esquecer que não …

Nani entre os candidatos a melhor jogador da época na MLS

O internacional português, capitão dos Orlando City, está entre os 46 jogadores nomeados para o prémio de melhor da época na liga norte-americana de futebol (MLS), anunciou, esta quinta-feira, o organismo. A eleição decorre até 9 …