Martin Luther King foi assassinado há 50 anos. Mas o “sonho” não morreu

robert_trudeau/ / Flickr

Martin Luther King em 1958

Esta quarta-feira, 4 de abril, completam-se 50 anos do assassinato de Martin Luther King Jr., um dos principais líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA.

“A última campanha de Martin Luther King Jr. foi a ‘Campanha dos Pobres’. É muito importante eliminar a pobreza e isso ainda não foi conseguido”. Quem o diz é Tom Houck, ativista que trabalhou como assistente pessoal de um dos principais líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA e que, há 50 anos, foi assassinado no Tennessee.

Filho e neto de pastores protestantes batistas, Martin Luther King Jr. formou-se em teologia e foi pastor em Montgomery, capital do Alabama. Lá, iniciou a sua luta pela igualdade de direitos para negros e brancos nos Estados Unidos.

Caso disso foi o boicote aos serviços de transportes que liderou, em 1955, quando a costureira negra Rosa Parks se recusou a ceder o seu lugar no autocarro a um branco e foi presa. O boicote durou quase um ano e King também foi preso.

Na década de 60, durante os boicotes aos transportes públicos, Houck, ainda estudante, decidiu seguir o reverendo e, desde então, nunca mais abandonou a sua luta pela igualdade racial.

Houck conta que conheceu o líder norte-americano na entrada da Conferência da Liderança dos Cristãos do Sul (SCLC), a organização presidida por Martin Luther King que mobilizava as igrejas negras para protestos não-violentos. “Era um rapaz branco, de cabelos longos e castanhos, sentado no passeio à espera de boleia. Foi quando o Dr. King me viu e perguntou se eu queria almoçar em casa dele”.

No mesmo dia, Coretta, a esposa do reverendo, tinha comentado sobre a necessidade da família em ter um motorista. Houck aceitou o desafio: nos nove meses seguintes, transportou os seus quatro filhos da casa para a escola e até mesmo o casal.

Nascido em Massachusetts, o ativista recorda as históricas marchas de Selma a Montgomery, em 1965. No dia 7 de março, 600 manifestantes saíram às ruas para exigir o direito ao voto para os negros daquele estado. O dia ficou conhecido como “Domingo Sangrento”, com os manifestantes a serem violentamente reprimidos pela polícia.

A transmissão ao vivo das imagens de violência chamou a atenção do povo norte-americano. Duas semanas depois, King liderou uma nova marcha a partir de Selma. Foram três as manifestações que enfrentaram a resistência branca. Os protestos eram organizados por estudantes negros com apoio do reverendo. Meses depois, o Presidente Lyndon Johnson assinou a lei que permitia o direito de voto para os cidadãos negros.

Houck conta que a participação nas marchas de Selma provocaram a expulsão da escola que frequentava na altura. “Fui considerado um subversivo. Um rapaz branco a marchar em defesa do movimento negro”, diz, lembrando que a segregação racial sempre o tinha incomodado. “Quando tinha seis anos, ia para escola e questionava-me por que motivo as casas-de-banho dos negros e brancos eram separadas”.

Benedict J. Fernandez / Wikimedia

Martin Luther King Jr.

“I have a dream”

Hoje, aos 70 anos de idade, Houck criou um passeio turístico especializado em direitos civis em Atlanta, na Geórgia, cidade em que Martin Luther King nasceu e viveu e onde conta histórias e experiências vividas com o reverendo.

Uma das paragens do passeio, por exemplo, é a casa onde o ativista viveu com a família os seus últimos anos de vida, no sudoeste de Atlanta, um dos bairros mais pobres e violentos da cidade, maioritariamente habitado por negros.

Houck tenta sempre mostrar que Martin Luther King Jr. era uma pessoa real. “Não era perfeito mas tinha o sonho e teve a visão que conhecemos e que seguimos”, afirma.

Outro local é o cemitério para onde o corpo do ativista foi levado inicialmente. Em 1984, o corpo teve de ser transferido para o parque nacional, situado no centro de Atlanta. Segundo Houck, o motivo foram as sucessivas tentativas de saque ao jazigo da família.

Sobre a lição mais importante aprendida com o ícone da luta contra o racismo, Houck afirma que, sem dúvida, foi a resistência, a não-violência e o amor.

A 28 de agosto de 1963, Martin Luther King Jr. fez o seu discurso mais emblemático para mais de 200 mil pessoas que marcharam, em Washington, pelo fim da segregação racial. “Eu tenho um sonho. O sonho de ver os meus filhos julgados pelo caráter e não pela cor da pele”, afirmou.

No ano seguinte, recebeu o Prémio Nobel da Paz e, a 4 abril de 1968, foi baleado e assassinado num hotel na cidade de Memphis. A luta de King levou à implantação da lei dos Direitos Civis e dos Direitos de Voto, em 1964 e 1965, que colocaram um ponto final nas normas estaduais de segregação racial nos EUA.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas identificam a região com o ar mais limpo à face da Terra

Uma equipa de cientistas da Universidade Estadual do Colorado (EUA) identificou a região atmosférica que possui o ar mais limpo à face da Terra. Os especialistas, liderados pela professora Sonia Kreidenweis, descobriram que a camada limite …

Abono extra e complemento de estabilização. Governo cria dois novos apoios cumulativos para quem perdeu rendimentos

O Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) do Governo vai incluir dois novos apoios para trabalhadores e famílias que perderam parte dos seus salários nos últimos três meses devido à pandemia de covid-19. A notícia …

Bolsonaro veta transferência de 1,5 mil milhões de euros para estados e municípios

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, vetou na quarta-feira a transferência de 8,6 mil milhões de reais (1,5 mil milhões de euros) do Fundo de Reservas Monetárias (FRM) para estados e municípios combaterem a covid-19. A decisão …

O núcleo da Terra pode esconder mais de cinco oceanos no seu interior

Um novo estudo sugere que o núcleo da Terra pode abrigar uma grande quantidade de água no seu interior. Segundo os investigadores, a quantidade pode chegar ao equivalente a cinco oceanos. Muitos estudos comprovam que, sob …

Descoberto novo tipo de matéria exótica no "coração" das estrelas de neutrões

Uma investigação levada a cabo por um grupo de cientistas da Finlândia encontrou fortes evidências da existência de matéria exótica de quarks no interior dos núcleos das maiores estrelas de neutrões. Em comunicado, os cientistas …

Os asteróides Ryugu e Bennu podem ser "filhos" de um mesmo pai

Os asteróides Ryugu e Bennu podem ter sido formados a partir de um outro asteróide de grandes dimensões, sugere uma investigação internacional. Simulações numéricas de grandes ruturas de asteróides, como as que ocorrem no cinturão de …

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …