“Mário Centeno é Vítor Gaspar com açúcar”

António Lobo Xavier, advogado e comentador político do programa Quadratura do Círculo – que em breve passará a chamar-se Circulatura do Quadrado e morará na TVI – considerou que Mário Centeno, que lidera a pasta das Finanças, é, na verdade, uma espécie de “Vítor Gaspar com açúcar”.

Em entrevista ao jornal Observador, o advogado e conselheiro de Estado falou sobre a mudança do programa da SIC para a TVI, defendeu o Presidente da República, comparou Mário Centeno ao ministro das Finanças de Pedro Passos Coelho e recordou ainda o “glorioso” PSD do anterior primeiro-ministro.

Foi quando falava do “glorioso” PSD de Passos Coelho que surgiu a comparação entre Centeno e Vítor Gaspar. Para Lobo Xavier, este PSD-troika foi “fundamental para o país” e “muito corajoso”, considerando que só “pessoas com as características – para o bem e para o mal — de Pedro Passos Coelho” é que podiam ter liderado um governo naquela época.

“Voltando atrás, compreende-se que o PSD de Rui Rio quisesse fazer algum corte, mas esse corte não podia significar ‘somos iguais ao PS’. O drama disto tudo é justamente que Mário Centeno é uma espécie de Vítor Gaspar, embora mais disfarçado, mais suave, com a mesma eficácia ou até mais, e por isso é difícil fazer oposição e ser alternativa”.

E sustentou: “Repare: Centeno cobra enormes impostos ou não? Cobra. Tenta equilibrar o Orçamento e consegue? Sim. Cumpre as coisas que Bruxelas quer? Cumpre. Cria austeridade em outros sectores da economia? Cria…”.

Questionado sobre excesso de cativações e as suas consequências diretas nos serviços públicos, o comentador político tomou a título de exemplo o caso da Saúde para dar conta que são os mais desfavorecidos que acabam por ficar mais prejudicados.

“Tenho dito muito isso na Quadratura: são as pessoas sem seguros de saúde, com baixos rendimentos, trabalhadores por conta de outrem, que são afetadas pelos problemas hospitalares. Eu não estava a elogiar Mário Centeno, dizia-lhe apenas que ele é um Vítor Gaspar com açúcar e que isso tem servido para levar as pessoas atrás”, disse.

“[As pessoas] também gostam de um certo rigor orçamental, e Centeno consegue-o subindo os impostos como os outros. E seguindo os ditames de Bruxelas, mesmo que desprotegendo certas áreas de serviço público. Ora, o que é que se contrapõe a esta política, o que é que Passos Coelho podia dizer? Talvez algumas coisas: que há muitos sectores sociais desprotegidos, que os serviços públicos estão abandonados, que quase nada se conseguiu em termos de combate à desigualdade”, defendeu.

Marcelo “é genuíno mas age em torno de valores”

Relativamente ao mandato de Marcelo Rebelo de Sousa na Presidência da República e à atuação do atual primeiro-ministro, Lobo Xavier, de 56, anos, começou por frisar que os “tempos mudaram muito”.

“Em 1994, nada do que nós hoje vemos seria possível! O parlamento era uma coisa diferente, as pessoas eram uma coisa diferente, as relações entre os partidos eram uma coisa diferente, a Presidência da República era uma coisa diferente, escondida, comedida. E mesmo este primeiro-ministro tem características próprias que eu não encontrei quando estava na política ativa”, afirmou.

Instado a concretizar estas grandes mudanças, o conselheiro de Estado realça a genuidade de Marcelo Rebelo de Sousa. “A esta Presidência. Um desempenho que traduz uma opção clara pela genuinidade ou pelo menos é assim que eu a vejo. Como se o Presidente tivesse dito a ele mesmo: ‘Aquilo que eu fui como pessoa toda a vida, é, para o mal e para o bem, como vou ser na Presidência’. O Presidente é genuíno mas age em torno de valores”, disse.

Indagado sobre os valores que têm guiado o chefe de Estado, Lobo Xavier considerou que a genuinidade de Marcelo Rebelo de Sousa “seria perigosa se não estivesse sempre organizada por valores. “Mesmo para mim, que sou relativamente conservador nalgumas coisas — vendo aqui e ali algum excesso – quando olho para o trabalho do Presidente vejo sempre, muito claramente, os seus valores, a começar por exemplo nos valores da preocupação social e da aflição com a pobreza, que estão lá sempre”.

“Mas saiamos desse campo — onde facilmente toda a gente concorda – e sigamos para a primeira metade do mandato do Presidente da República, onde ele tratou de um lugar que estava vazio. À direita do PS estava tudo vazio: os partidos que tinham ficado chocados com a solução governativa, tendo sido corridos após terem ganho as eleições, demoraram muito tempo a encontrar um caminho, estiveram muito tempo obstinados. E o Presidente da República funcionou como tempero de soluções que podiam ter sido muito piores no funcionamento da chamada geringonça”, concluiu.

“Muito do que sou devo-o um bocado à Quadratura”

Lobo Xavier falou ainda do Quadratura do Círculo que em breve passará a ser emitido na TVI, revelando que o termo do programa “foi uma surpresa”, apesar de reconhecer que “todas as coisas acabam”.

“Mas umas acabam de melhores maneiras, outras, de piores. A nossa foi pelo menos inesperada: não nos pareceu natural que, num programa com 15 anos, fosse anunciado aos seus participantes — que não são nenhuns garotos — que dentro de 15 dias já não contavam connosco. Sim, houve um certo desconsolo, houve o nosso brio, mas não guardo rancores”, confessou Lobo Xavier ao Observador.

“Gostei muito deste tempo na SIC, e agora mudámos para outra estação que queria a Quadratura com muita vontade…”, disse, referindo-se à TVI que já adiantou que o programa passará a chamar-se “Circulatura do Quadrado”.

Notando que o “legado sindical” do programa de comentário político é – e sempre foi – Pacheco Pereira, revelou que as decisões sempre foram tomadas por unanimidade  o mesmo aconteceu com a mudança de emissora: “É que não se tratou só de escolher uma estação melhor do que outra, foi imaginar qual o ‘sítio’ onde estivéssemos menos expostos a certas ideias do mundo da política, sobre o que deve ser uma estação pública”.

“A Quadratura assenta na ideia de que não há representação de partidos. Nem o Pacheco Pereira — o que me parece bastante óbvio — é representante do seu partido, nem eu do CDS, nem o Jorge Coelho do PS. Isto é, são estes nomes e não outros. E também há mais partidos no Parlamento, mas não há na Quadratura. Pareceu-nos que esta fórmula, digamos, livre, em que nós somos donos e tratamos da composição do programa por unanimidade, talvez fosse mais fácil…”, sustentou.

Questionado sobre se seria mais difícil “encaixar” o programa numa estação pública, Lobo Xavier disse que as “pessoas da RTP também estariam dispostas a lutar por isso, mas não teriam a vida facilitada do lado de fora… Quisemos evitar alguns desses aspetos – a política é assim”. No fundo, admitiu, as complicações foram cortadas à priori, tentando evitar esses riscos: “E de que gostamos, onde temos liberdade editorial, onde explicámos que só aceitávamos se tivéssemos liberdade, inclusivamente, para criticar a própria orientação editorial da estação, como também sempre fizemos na SIC”, rematou.   

SA, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É a diferença é que, bem ou mal, o Centino lá vai cumprindo os objetivos definidos, enquanto o Gasparzinho nunca cumpriu nenhum e, pelo excelente serviço, ainda foi premiado com um cargo na máfia do FMI.

    • O amigo é mesmo muito limitado. Os outros passaram de mais de 8% de buraco para 3%. E a conjuntura internacional não era a atual. Preço de petróleo, crescimento das economias parceiras,… Tudo era pior. Este palerma que lá está agora, aumenta os impostos; a base de impostos também aumenta (devido ao aumento da atividade económica como resultado da melhoria dos mercados parceiros) e apenas reduzirá de 3% para 0. Quem é que esteve melhor? Bem se vê que economia e finanças o amigo não percebe nada. Fique-se pela bola… e por Deus.

      • Amigo?!
        Deves estar na tasca…
        Então o Gasparzinho não acertou uma e tu ainda perguntas quem esteve melhor?
        Nota-se que, de finanças e de economia, ele percebia pouco!…
        A bola e a igreja costumam combinar bem com os “expert” das tascas…

  2. Gostei do observado Centeno com açúcar = a V Gaspar.
    Mas acho Centeno pior, pois numa altura que devia aliviar os impostos aos cidadãos, não só aumentou como criou mais taxas, que é igual a mais impostos.

  3. Pois, pois. Não se podem comparar os períodos da governação, um entrou a meio do caos e o segundo entrou com a cama feita. O Vitinho aumentava um imposto ou criava uma nova taxa e era logo um alvoroço. O Centinho limpa-nos até ao tutano e anda toda a gente feliz.

RESPONDER

A atmosfera deste exoplaneta "infernal" está cheia de metal

Uma equipa de astrónomos observou um dos exoplanetas mais quentes já encontrados e conseguiu identificar, pelo menos, sete metais a flutuar na sua atmosfera. O WASP-121b, localizado a 850 anos-luz da Terra, orbita a sua estrela …

A supergigante Betelgeuse é mais pequena e está mais perto da Terra do que se pensava

De acordo com um novo estudo feito por uma equipa internacional de investigadores, podem ser necessários mais 100.000 anos até que a estrela gigante vermelha Betelgeuse morra numa explosão de fogo. O estudo, liderado pela Dra. …

Mulheres menos propensas à covid-19 por respeitarem mais o distanciamento social

Uma das razões pelas quais as mulheres podem ser menos vulneráveis ​​a infeção pelo novo coronavírus deve-se ao facto de serem mais propensas a aderir às políticas de distanciamento social, sugeriu uma nova pesquisa. Uma pesquisa …

Braga 3 - 0 AEK | Minhotos de gala conquistam atenienses

O Sporting de Braga iniciou a sua participação no Grupo G da Liga Europa com uma vitória. Na recepção aos gregos do AEK de Atenas, os minhotos mostraram ser muito mais equipa e ganharam por …

Capitalismo vai arruinar o planeta até 2050, alertam cientistas

Um grupo de cientistas alerta que se continuarmos com este capitalismo desenfreado, o nosso planeta vai sofrer consequências a nível climático e ambiental. Até 2050, o planeta Terra pode sofrer seriamente às mãos do capitalismo desenfreado. …

Os novos faróis inteligentes da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro

Os novos faróis LED da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro, já que são capazes de projetar imagens na estrada ou em paredes. A novidade é lançada na nova linha de SUVs elétricos da …

FC Porto foi "histriónico" e não se portou bem, escreve-se em Manchester

Jornal inglês alega que os elementos do FC Porto foram exagerados, turbulentos e não tiveram um comportamento adequado. Não há uma única palavra sobre o árbitro. Na manhã seguinte à derrota (3-1) do FC Porto em …

De passagem secreta a cemitério de carros. Túnel sob Nápoles "esconde" veículos enferrujados da II Guerra

No centro de Nápoles, em Itália, há veículos e motocicletas abandonados e enferrujados dos anos 1940 alinhados num túnel a mais de 30 metros abaixo dos seus pés. A Piazza del Plebiscito foi nomeada após uma …

Primeira ministra islandesa interrompida por um terramoto quando dava uma entrevista em direto

Um terramoto de magnitude 5.6 interrompeu uma entrevista em direto da primeira ministra islandesa ao The Washington Post. Mas Katrin Jakobsdottir reagiu à situação de forma tranquila: "Isto é a Islândia". Katrin Jakobsdottir estava a dar …

O voo mais longo do mundo está de volta (e agora é ainda mais longo)

O voo da Singapore Airlines que partia de Singapura com destino até Nova Iorque, foi uma das vítimas do covid-19 e ficou suspendo a 23 de março. Agora, é possível viajar nesta rota novamente, e …