“Mário Centeno é Vítor Gaspar com açúcar”

António Lobo Xavier, advogado e comentador político do programa Quadratura do Círculo – que em breve passará a chamar-se Circulatura do Quadrado e morará na TVI – considerou que Mário Centeno, que lidera a pasta das Finanças, é, na verdade, uma espécie de “Vítor Gaspar com açúcar”.

Em entrevista ao jornal Observador, o advogado e conselheiro de Estado falou sobre a mudança do programa da SIC para a TVI, defendeu o Presidente da República, comparou Mário Centeno ao ministro das Finanças de Pedro Passos Coelho e recordou ainda o “glorioso” PSD do anterior primeiro-ministro.

Foi quando falava do “glorioso” PSD de Passos Coelho que surgiu a comparação entre Centeno e Vítor Gaspar. Para Lobo Xavier, este PSD-troika foi “fundamental para o país” e “muito corajoso”, considerando que só “pessoas com as características – para o bem e para o mal — de Pedro Passos Coelho” é que podiam ter liderado um governo naquela época.

“Voltando atrás, compreende-se que o PSD de Rui Rio quisesse fazer algum corte, mas esse corte não podia significar ‘somos iguais ao PS’. O drama disto tudo é justamente que Mário Centeno é uma espécie de Vítor Gaspar, embora mais disfarçado, mais suave, com a mesma eficácia ou até mais, e por isso é difícil fazer oposição e ser alternativa”.

E sustentou: “Repare: Centeno cobra enormes impostos ou não? Cobra. Tenta equilibrar o Orçamento e consegue? Sim. Cumpre as coisas que Bruxelas quer? Cumpre. Cria austeridade em outros sectores da economia? Cria…”.

Questionado sobre excesso de cativações e as suas consequências diretas nos serviços públicos, o comentador político tomou a título de exemplo o caso da Saúde para dar conta que são os mais desfavorecidos que acabam por ficar mais prejudicados.

“Tenho dito muito isso na Quadratura: são as pessoas sem seguros de saúde, com baixos rendimentos, trabalhadores por conta de outrem, que são afetadas pelos problemas hospitalares. Eu não estava a elogiar Mário Centeno, dizia-lhe apenas que ele é um Vítor Gaspar com açúcar e que isso tem servido para levar as pessoas atrás”, disse.

“[As pessoas] também gostam de um certo rigor orçamental, e Centeno consegue-o subindo os impostos como os outros. E seguindo os ditames de Bruxelas, mesmo que desprotegendo certas áreas de serviço público. Ora, o que é que se contrapõe a esta política, o que é que Passos Coelho podia dizer? Talvez algumas coisas: que há muitos sectores sociais desprotegidos, que os serviços públicos estão abandonados, que quase nada se conseguiu em termos de combate à desigualdade”, defendeu.

Marcelo “é genuíno mas age em torno de valores”

Relativamente ao mandato de Marcelo Rebelo de Sousa na Presidência da República e à atuação do atual primeiro-ministro, Lobo Xavier, de 56, anos, começou por frisar que os “tempos mudaram muito”.

“Em 1994, nada do que nós hoje vemos seria possível! O parlamento era uma coisa diferente, as pessoas eram uma coisa diferente, as relações entre os partidos eram uma coisa diferente, a Presidência da República era uma coisa diferente, escondida, comedida. E mesmo este primeiro-ministro tem características próprias que eu não encontrei quando estava na política ativa”, afirmou.

Instado a concretizar estas grandes mudanças, o conselheiro de Estado realça a genuidade de Marcelo Rebelo de Sousa. “A esta Presidência. Um desempenho que traduz uma opção clara pela genuinidade ou pelo menos é assim que eu a vejo. Como se o Presidente tivesse dito a ele mesmo: ‘Aquilo que eu fui como pessoa toda a vida, é, para o mal e para o bem, como vou ser na Presidência’. O Presidente é genuíno mas age em torno de valores”, disse.

Indagado sobre os valores que têm guiado o chefe de Estado, Lobo Xavier considerou que a genuinidade de Marcelo Rebelo de Sousa “seria perigosa se não estivesse sempre organizada por valores. “Mesmo para mim, que sou relativamente conservador nalgumas coisas — vendo aqui e ali algum excesso – quando olho para o trabalho do Presidente vejo sempre, muito claramente, os seus valores, a começar por exemplo nos valores da preocupação social e da aflição com a pobreza, que estão lá sempre”.

“Mas saiamos desse campo — onde facilmente toda a gente concorda – e sigamos para a primeira metade do mandato do Presidente da República, onde ele tratou de um lugar que estava vazio. À direita do PS estava tudo vazio: os partidos que tinham ficado chocados com a solução governativa, tendo sido corridos após terem ganho as eleições, demoraram muito tempo a encontrar um caminho, estiveram muito tempo obstinados. E o Presidente da República funcionou como tempero de soluções que podiam ter sido muito piores no funcionamento da chamada geringonça”, concluiu.

“Muito do que sou devo-o um bocado à Quadratura”

Lobo Xavier falou ainda do Quadratura do Círculo que em breve passará a ser emitido na TVI, revelando que o termo do programa “foi uma surpresa”, apesar de reconhecer que “todas as coisas acabam”.

“Mas umas acabam de melhores maneiras, outras, de piores. A nossa foi pelo menos inesperada: não nos pareceu natural que, num programa com 15 anos, fosse anunciado aos seus participantes — que não são nenhuns garotos — que dentro de 15 dias já não contavam connosco. Sim, houve um certo desconsolo, houve o nosso brio, mas não guardo rancores”, confessou Lobo Xavier ao Observador.

“Gostei muito deste tempo na SIC, e agora mudámos para outra estação que queria a Quadratura com muita vontade…”, disse, referindo-se à TVI que já adiantou que o programa passará a chamar-se “Circulatura do Quadrado”.

Notando que o “legado sindical” do programa de comentário político é – e sempre foi – Pacheco Pereira, revelou que as decisões sempre foram tomadas por unanimidade  o mesmo aconteceu com a mudança de emissora: “É que não se tratou só de escolher uma estação melhor do que outra, foi imaginar qual o ‘sítio’ onde estivéssemos menos expostos a certas ideias do mundo da política, sobre o que deve ser uma estação pública”.

“A Quadratura assenta na ideia de que não há representação de partidos. Nem o Pacheco Pereira — o que me parece bastante óbvio — é representante do seu partido, nem eu do CDS, nem o Jorge Coelho do PS. Isto é, são estes nomes e não outros. E também há mais partidos no Parlamento, mas não há na Quadratura. Pareceu-nos que esta fórmula, digamos, livre, em que nós somos donos e tratamos da composição do programa por unanimidade, talvez fosse mais fácil…”, sustentou.

Questionado sobre se seria mais difícil “encaixar” o programa numa estação pública, Lobo Xavier disse que as “pessoas da RTP também estariam dispostas a lutar por isso, mas não teriam a vida facilitada do lado de fora… Quisemos evitar alguns desses aspetos – a política é assim”. No fundo, admitiu, as complicações foram cortadas à priori, tentando evitar esses riscos: “E de que gostamos, onde temos liberdade editorial, onde explicámos que só aceitávamos se tivéssemos liberdade, inclusivamente, para criticar a própria orientação editorial da estação, como também sempre fizemos na SIC”, rematou.   

SA, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É a diferença é que, bem ou mal, o Centino lá vai cumprindo os objetivos definidos, enquanto o Gasparzinho nunca cumpriu nenhum e, pelo excelente serviço, ainda foi premiado com um cargo na máfia do FMI.

    • O amigo é mesmo muito limitado. Os outros passaram de mais de 8% de buraco para 3%. E a conjuntura internacional não era a atual. Preço de petróleo, crescimento das economias parceiras,… Tudo era pior. Este palerma que lá está agora, aumenta os impostos; a base de impostos também aumenta (devido ao aumento da atividade económica como resultado da melhoria dos mercados parceiros) e apenas reduzirá de 3% para 0. Quem é que esteve melhor? Bem se vê que economia e finanças o amigo não percebe nada. Fique-se pela bola… e por Deus.

      • Amigo?!
        Deves estar na tasca…
        Então o Gasparzinho não acertou uma e tu ainda perguntas quem esteve melhor?
        Nota-se que, de finanças e de economia, ele percebia pouco!…
        A bola e a igreja costumam combinar bem com os “expert” das tascas…

  2. Gostei do observado Centeno com açúcar = a V Gaspar.
    Mas acho Centeno pior, pois numa altura que devia aliviar os impostos aos cidadãos, não só aumentou como criou mais taxas, que é igual a mais impostos.

  3. Pois, pois. Não se podem comparar os períodos da governação, um entrou a meio do caos e o segundo entrou com a cama feita. O Vitinho aumentava um imposto ou criava uma nova taxa e era logo um alvoroço. O Centinho limpa-nos até ao tutano e anda toda a gente feliz.

RESPONDER

Governo russo exige 1,8 mil milhões de euros a empresa mineira por poluição no Ártico

A agência russa de defesa do ambiente exigiu uma indemnização de 147,8 mil milhões de rublos (1,8 mil milhões de euros) ao conglomerado mineiro Norilsk Nickel, pela grave poluição do Ártico com hidrocarbonetos. Em comunicado, a …

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida …

Rússia ameaça retaliar face às sanções "hostis" do Reino Unido

A Rússia ameaçou responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas. A Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas pelo Governo britânico contra 49 pessoas e organizações, 25 das …

Ministério dispensa quase todos os alunos da renovação de matrículas (após ataques informáticos e o desespero dos pais)

As matrículas online são agora obrigatórias apenas para os alunos que no próximo ano lectivo vão iniciar os 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade. O anúncio é feito pelo Ministério da Educação depois das …

"Estavam prontos para bater". Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e garantiu que vai processar a polícia …

Motorista de autocarro em morte cerebral depois de agressões de passageiros em França

Um motorista de autocarro foi declarado em morte cerebral esta segunda-feira, em França, depois de ter sido agredido no domingo por passageiros a quem recusou a entrada no transporte público. No domingo à noite, um motorista …

Erro de laboratório origina 20 casos em dois clubes da Liga búlgara

Vinte pessoas estão infetadas com o novo coronavírus, após um futebolista com covid-19 ter participado no duelo entre o Cherno More e o Tsarko Selo, da Liga búlgara, devido ao erro de um laboratório, foi …

Soleimani foi assassinado de forma "ilegal e arbitrária", considera perita da ONU

A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque. Uma especialista da ONU concluiu que o general iraniano Qasem Soleimani, morto num raide norte-americano …

Bolsonaro infetado com covid-19

A imprensa brasileira confirmou, esta terça-feira, que o Presidente Jair Bolsonaro está infetado com covid-19. O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, testou positivo à covid-19. De acordo com a Globo, a informação foi avançada pelo próprio, …

Costa avisa que vem aí a "fase mais crítica" dos incêndios e pede prevenção

O primeiro-ministro participou numa reunião de acompanhamento e monitorização sobre prevenção e combate a fogos florestais e advertiu, esta terça-feira, que Portugal entra agora na fase mais crítica. Esta terça-feira, o primeiro-ministro advertiu que Portugal entra …