Marcelo conheceu Rena, a sobrevivente do Holocausto que teve “seis mães”

António Cotrim / Lusa

O Presidente da República conheceu a sobrevivente do Holocausto Rena Quint, que lhe contou como em criança escapou ao genocídio nazi e acabou nos Estados Unidos com a ajuda de “seis mães”.

“Porque ficaram comigo? Talvez porque eu precisasse de uma mãe, talvez porque precisassem de uma filha, talvez tivessem perdido os seus filhos, talvez por serem boas pessoas, talvez simplesmente tenha tido sorte. Não sei”, declarou Rena Quint, agora com 84 anos, quatro filhos, 22 netos e 30 bisnetos.

Sentada ao lado de Marcelo Rebelo de Sousa, no sofá de uma sala de hotel em Jerusalém, prosseguiu: “Só sei que tive seis mães e que só me lembro de duas. Das outras, incluindo a minha mãe biológica, não me lembro”.

A sua história está contada no livro “A filha de muitas mães: a sua infância terrível e vida maravilhosa”, que Rena Quint ofereceu ao Presidente da República e à secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro.

Antes, na mesma sala de hotel, o chefe de Estado conversou com outro sobrevivente do Holocausto, Haim Roet, nascido em 1932, em Amesterdão, que era o filho mais novo de uma família e escapou com o apoio da resistência holandesa, escondido numa aldeia, com outras crianças, com identidade falsa. “Eu fui o último, eu fui o número seis, com três irmãos e duas irmãs. Isso é importante para a história da minha família”, disse Haim Roet ao Presidente da República.

Mais tarde, a Cruz Vermelha juntou-o novamente aos pais, que também conseguiram sobreviver, e mudaram-se depois para Israel. Haim Roet é casado, com três filhos e oito netos, e iniciou o projeto evocativo “Para todas as pessoas que existem nomes”, de recitação pública de nomes de vítimas judaicas do Holocausto.

Rena Quint, igualmente filha mais nova, teve uma história diferente: “Eu estive praticamente por conta própria entre os três e meio e os nove anos e meio. Eu sou a única sobrevivente da minha família”. No entanto, ressalvou: “Eu nunca estive sozinha. Estive sem o meu pai, sem a minha mãe, sem os meus irmãos, mas as pessoas sempre me ajudaram, e ainda ajudam. Não teria conseguido sozinha”.

Nascida em Piotrklow, na Polónia, com o nome de Freida ‘Freidel’ Lichtenstein, quando os nazis invadiram a cidade, a sua mãe e irmãos mais velhos foram deportados para o campo de extermínio de Treblinka, onde foram assassinados. Inicialmente, ficou com o pai num campo de trabalhos forçados, fazendo-se passar por um rapaz: “Como resultou, não sei”. Depois, separou-se do pai, mas ele pediu a uma mulher, professora, que olhasse por ela.

Foi uma das suas “muitas mães” que a ajudaram nos vários lugares por onde passou, até à libertação do campo de concentração de Bergen-Belsen, na Alemanha, onde foi encontrada viva, em abril de 1945.

A seguir à guerra, na Suécia, para onde foi levada com outros órfãos, teve “outra mãe”, que lhe deu o certificado de nascimento e o nome da sua filha e a levou para os Estados Unidos. “Acho que foi um anjo que Deus mandou, mas nos Estados Unidos ela morreu, depois fui adotada por uma família americana, por isso falo como uma americana”, relatou Rena.

Residente em Israel desde 1984, tornou-se voluntária no Yad Vashem, o instituto para o estudo e a preservação da memória das cerca de seis milhões de vítimas do genocídio nazi e das numerosas comunidades judaicas destruídas durante esse período na Europa.

Considera-se sortuda pela vida que teve, pelo “homem maravilhoso” com quem se casou, e quando vê as imagens expostas no museu do Yad Vashem pensa: “Eu estava lá e não acredito, é difícil de acreditar. Como é que os alemães puderam fazer aquilo?”.

Espero que a minha mãe esteja a ver lá de cima que eu estou no Orient Hotel com o Presidente de Portugal, com pessoas de Portugal, que eu tenho filhos, netos e bisnetos, que falo inglês, que estou viva”, afirmou Rena, perante Marcelo Rebelo de Sousa, no final do encontro.

“E, sabem que mais, também espero que Hitler esteja a ver lá de baixo. Ele pensava que nenhum homem, mulher ou criança sobreviveria, e aqui estamos nós. Em Israel, estamos vivos, somos livres”, acrescentou, observando: “Estamos à espera de ter um Governo”.

O Presidente da República espantou-se: “Ainda acompanha a política?”. Rena Quint respondeu: “Certamente”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos localizaram com precisão o centro do Sistema Solar

Pela primeira vez, uma equipa internacional de cientistas foi capaz de localizar com precisão o centro de gravidade do Sistema Solar. De acordo com o portal Science Alert, que recorda que o baricentro (centro gravidade) …

Misteriosa cruz de mármore com 1.200 anos encontrada no Paquistão

Uma cruz de mármore foi recentemente descoberta no cimo das montanhas do Baltistão, no Paquistão. Os investigadores acreditam que tem cerca de 1.200 anos e que pode ser um sinal da presença de uma antiga …

Nona Sinfonia de Beethoven revela novos detalhes sobre o cérebro humano

A Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, 250 anos após a sua criação, ajudou a demonstrar a existência de células conceituais no cérebro. Quase 200 anos depois da morte de Beethoven, a maior obra do músico …

Governo vai suspender devolução dos manuais escolares

O ministro da Educação informou hoje que o Governo vai suspender a devolução de manuais escolares, em curso desde 26 de junho, cumprindo a decisão do parlamento, que aprovou uma proposta nesse sentido. O plenário da …

Cuba prestes a abrir portas ao turismo (exceto aos cubano-americanos)

Depois de fechar as suas fronteiras para os turistas no final de março por causa da pandemia da covid-19, Cuba prepara-se agora para reabrir várias das suas baías ao turismo - mas há algumas exceções. …

Cidade do México enterrou os rios para prevenir doenças, mas a covid-19 resiste e prospera

Na tentativa de evitar a disseminação de doenças como a malária e a cólera, a Cidade do México enterrou os seus rios. Agora, como consequência, criou inadvertidamente as condições necessárias para a covid-19 prosperar. A Cidade …

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …