Marcelo Rebelo de Sousa defende voto obrigatório

Nuno Veiga / Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa

O ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa defendeu no sábado o voto obrigatório, mas lembrou que se trata de uma matéria em que tem de haver consenso e que com “este PS” tal não será fácil alcançar.

“Hoje em matéria de abstenção eu acho que era preciso ter a coragem – pode parecer politicamente incorrecto – mas, dizer o seguinte: o voto tem que ser obrigatório”, afirmou Marcelo rebelo de Sousa, durante um jantar/debate na Universidade Política de Lisboa da JSD, que decorreu num hotel de Lisboa.

Questionando até onde é que será preciso a abstenção subir para que as pessoas tenham a convicção da necessidade do voto obrigatório, o comentador televisivo recordou, contudo, que numa matéria fundamental como esse são necessários “consensos de regime”.

Mas, acrescentou, “com este PS não é fácil ter consensos de revisão, nem em matérias fundamentais”.

Por outro lado, os “partidos de contestação” também iriam todos protestar, “porque eles ganham com a abstenção”.

“O ‘PC’ vai atirar-se ao ar com defesa da democracia, o BE, uma parte do PS”, admitiu.

Antes, o antigo líder social-democrata tinha também lançado algumas ‘farpas’ ao secretário-geral do PS, considerando que António José Seguro “não tem substância”.

“Olhamos através dele e vemos a parede que está atrás, é tão leve, tão leve, tão leve que se vê a parede que está atrás”, ironizou.

Nas respostas às perguntas dos’alunos da Universidade Política de Lisboa da JSD, Marcelo Rebelo de Sousa deixou também algumas críticas ao Governo, sublinhando que “o ponto mais crítico em relação à maioria tem sido a falta de cuidado na gestão política e na gestão de comunicação”.

“A gestão neste momento dos sucessos económicos é uma prioridade para o Governo e para a maioria, a especulação sobre os cenários antes e depois das legislativas é uma não prioridade para a maioria”, argumentou, considerando que os “cenários” devem ser deixados para os comentadores e que ninguém responsável no PSD deve fazer especulação.

“É um factor de ruído desnecessário, um dos encantos do PSD é criar ruído sobre si próprio”, gracejou, aconselhando os membros do Governo a não darem “palpites”.

Ainda em resposta a uma pergunta dos ‘alunos’ da Universidade da JSD, o antigo líder do partido pronunciou-se sobre a adesão da Guiné Equatorial à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), admitindo que teria “muita dificuldade em engolir isso”.

“Não é um sapo, não é um elefante, é uma manada de elefantes que eu tenho de engolir”, disse, sustentando que para si os argumentos de princípio são mais importantes do que os argumentos económicos.

“Aquilo o que é que tem a ver com a comunidade de países de língua portuguesa? Eles falam português onde? Que afinidades culturais têm?”, interrogou.

“Há limites, há um limite de bom senso”, frisou.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Há limites, há um limite de bom senso”, frisou.
    Não acha o prof Marcelo que devia respeitar o limite do bom senso?
    Salazar não soube e deu no que deu.

RESPONDER

Os olhos são (mesmo) o espelho da alma. Estudo revela que experiências traumáticas afetam as pupilas

Uma nova investigação acaba de revelar que as pupilas podem revelar se uma pessoa sofreu uma experiência traumática no passado. Recentemente, uma equipa de investigadores da Universidade de Swansea, no Reino Unido, descobriu que as pupilas …

No Japão, é possível contratar um agente privado para sabotar a sua própria relação

Na Terra do Sol Nascente, é possível contratar um agente privado para sabotar a sua própria relação (sem ter de arcar com as culpas). De acordo com a BBC, estes agentes privados chamam-se "wakaresaseya" e têm …

Arqueologia estelar revela restos de antigo enxame globular. É o "último do seu género"

Uma equipa de astrónomos, incluindo Ting Li e Alexander Ji do Instituto Carnegie, descobriu uma corrente estelar composta pelos restos de um antigo enxame globular que foi dilacerado pela gravidade da Via Láctea, há 2 …

Petição para Reino Unido incluir Portugal no corredor aéreo com quase 30 mil assinaturas

O jornal em língua inglesa com maior circulação em Portugal lançou uma petição pela Internet a pedir ao Governo britânico para reconsiderar e incluir Portugal no corredor aéreo com o Reino Unido, já assinada por …

eBussy é o novo elétrico modular que se transforma em 10 carros diferentes

10 em 1. O eBussy, um veículo elétrico projetado pela alemã ElectricBrands, permite variar a carroçaria numa dezena de configurações diferentes. A fabricante alemã ElectricBrands revelou o seu mais recente carro-conceito: o eBussy, um elétrico modular capaz …

República Dominicana nega que Juan Carlos tenha entrado no país

A imprensa espanhola noticiou, esta terça-feira, que o rei emérito de Espanha estaria na República Dominicana, depois de ter anunciado que ia viver para fora. Mas as autoridades deste país negam essa informação. De acordo com …

Fome causada pelo coronavírus mata 10 mil crianças todos os meses

A cada mês que passa, 10 mil crianças morrem devido à fome causada pela pandemia do novo coronavírus. Há ainda 500 mil crianças malnutridas todos os meses. A pandemia do novo coronavírus está a intensificar problemas …

Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem clandestina que o FBI

A operação Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem utilizados por John Edgar Hoover, o temível líder do FBI durante quase 50 anos. Durante quase 50 anos, John Edgar Hoover liderou o FBI, ficando conhecido …

Por três dólares, já é possível comer refeições de avião em casa

A empresa Tamam Kitchen, líder na produção de alimentos para várias companhias aéreas de Israel, decidiu vender ao público e a baixo custo as refeições que habitualmente vende a empresas de aviação e que depois …

Ministério Público está a investigar acidente com Alfa Pendular em Soure

O Ministério Público está a investigar o descarrilamento do comboio Alfa Pendular, em Soure, que, na última sexta-feira, provocou dois mortos, oito feridos graves e 36 feridos ligeiros. Questionada na sexta-feira pela agência Lusa, a Procuradoria-Geral …