Marcelo destaca papel de profissionais de UCI. Costa agradece à Madeira e FPF

Manuel de Almeida / Lusa

O Presidente da República destacou e agradeceu o papel dos profissionais de saúde que estão nos cuidados intensivos, pelo seu papel no combate à pandemia, que considerou uma “saga nacional”.

“Eu queria, em primeiro lugar, louvar a capacidade transformadora operada pelos profissionais da saúde. Mais de uma vez tenho falado de verdadeiros heróis e, dentro dos heróis, os intensivistas são heróis particularmente qualificados e particularmente experimentados, porque têm apoiado aquilo que é uma saga nacional”, afirmou o chefe de Estado, num vídeo publicado no site da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que estes profissionais têm “apoiado da forma mais importante e significativa, que é através de uma presença dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, naquela linha que é uma linha tão complexa que separa a morte da vida”.

Tem sido admirável, embora por vezes angustiante, a capacidade de ajustamento, de adaptação dinâmica, do nosso Serviço Nacional de Saúde, e em geral do sistema de saúde português, às dificuldades que foram colocadas no último ano pela pandemia que ainda nos fustiga”, sublinhou.

Na nota que acompanha o vídeo, publicada no domingo, é referido que o Presidente da República “participou, através de uma mensagem gravada, no VII Congresso Internacional de Cuidados Intensivos, promovido pela ASCI – Associação de Apoio ao Serviço de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar do Porto, que se realizou este fim-de-semana, em formato exclusivamente online”.

“E este ano, que tem sido um ano de capacidade de resistência, de resiliência, de equanimidade dos profissionais intensivistas, é um ano que nos serve de lição, a vossa lição, a lição de todos os profissionais da saúde, mas a vossa lição, caros intensivistas”, considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou a ocasião para agradecer “muito reconhecido” aos profissionais de saúde intensivistas “em nome de todos” os portugueses.

“Porque é uma lição que começou na surpresa, no inesperado, como para todos nós, continuou na falta de recursos, no improviso, na necessidade de responder para além dos limites, para além das capacidades durante longos meses, que conheceu nas últimas difíceis semanas situações particularmente complexas e dramáticas que puseram à prova o vosso humanismo, a vossa compaixão, a vossa solidariedade, a vossa competência, a vossa devoção”, salientou o Presidente, defendendo que “é de uma devoção que se trata”

Dirigindo-se aos congressistas, o Presidente da República destacou igualmente “a capacidade organizativa da Associação de Apoio ao Serviço de Cuidados Intensivos no inexcedível Hospital Geral de Santo António, que existe desde 7 de novembro de 1994, e que tem um trabalho meritório na defesa dos doentes, em primeira linha, mas também dos profissionais de saúde”.

Sobre o congresso, que saudou, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “há tempo para investigar, há tempo para inovar, há tempo para aprofundar, há tempo para partilhar, mas há, sobretudo, tempo para servir Portugal e os portugueses” e agradeceu “tudo isto acontecer enfrentando a pandemia”.

Costa agradece à Madeira e destaca “exemplo” da FPF

O Serviço de Saúde da Madeira anunciou, no sábado, a alta clínica dos dois doentes que tinham sido transferidos de Lisboa para o Hospital Dr. Nélio Mendonça. Este domingo, o primeiro-ministro utilizou a sua conta no Twitter para agradecer ao Governo Regional da Madeira.

O líder do Governo deu conta de que os “os últimos doentes covid-19 transferidos para a Madeira, onde estiveram um mês, no Hospital Dr. Nélio Mendonça” tinham já regressado ao continente, e agradeceu ao Governo madeirense e “todo o empenho dos profissionais de saúde que os acompanharam durante o processo de recuperação”.

O governante fez também saber que, este sábado, saiu a última doente da Casa dos Atletas, a estrutura que Federação Portuguesa de Futebol (FPF) transformou, em colaboração com o Ministério da Saúde, em unidade de apoio à covid-19 e “por onde passaram dezenas de utentes”. “Renovo os meus agradecimentos à FPF por mais este exemplo e serviço prestado ao país“, escreveu.

Em Portugal, morreram 16.317 pessoas dos 804.562 casos de infeção confirmados pelo novo coronavírus, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.