Ex-ministro Manuel Pinho e a mulher suspeitos de esconderem milhares do saco azul do GES

3

Tiago Petinga / Lusa

O ex-ministro da Economia, Manuel Pinho

O Ministério Público acrescentou 600 novos factos ao caso EDP que tem o ex-ministro Manuel Pinho como principal suspeito. Entre as novas acusações está a suspeita de que Pinho e a mulher esconderam do Fisco milhares de euros que terão recebido do saco azul do Grupo Espírito Santo (GES).

Manuel Pinho devia ter sido ouvido no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), nesta quinta-feira, depois de ter sido confrontado pelo Ministério Público (MP) com 600 novos factos no âmbito do caso EDP.

Mas Pinho acabou por não ser interrogado porque a defesa pediu mais tempo para analisar os dados novos. Assim, o interrogatório foi adiado para 14 de Dezembro.

A mulher do ex-ministro, Alexandra Pinho, também foi chamada ao DCIAP, mas não compareceu por estar doente.

Alexandra Pinho é suspeita da prática do crime de branqueamento de capitais, mas ainda não foi constituída arguida, ao contrário do marido.

Casal escondeu do Fisco milhares de euros

Entre as novas suspeitas em torno de Manuel Pinho, que implicam também a mulher, está a teoria de que o casal escondeu do Fisco milhares de euros que terá recebido da Enterprises Management Services, a antiga Espírito Santo Enterprises que é considerada o saco azul do GES.

O Correio da Manhã (CM) nota que o MP fala em valores de 104.747 euros que terão sido pagos pelo GES a Pinho e à mulher, entre Janeiro e Julho de 2012, através da offshore Tartaruga Foundation, com sede no Panamá.

As verbas não terão sido declaradas ao Fisco e “o valor em falta ao Estado português, relativamente ao ano de 2012, ascende a 62.848 euros“, aponta o MP, conforme cita o CM.

Em causa está um eventual crime de fraude fiscal qualificada.

De acordo com o MP, Pinho recebeu uma avença mensal do GES de 14.963 euros e a mulher terá amealhado um salário de 10.395 euros por mês, pago pelo BES por ser curadora da Colecção BES Photo Arte. Esses pagamentos terão sido feitos enquanto Ricardo Salgado era o presidente executivo do BES.

O MP suspeita que Pinho recebeu “luvas” da ordem dos 4,5 milhões de euros por alegados benefícios ao GES e à EDP enquanto foi ministro da Economia.

  ZAP //

3 Comments

  1. Este que espetou os cornos para o outro afinal é um grande corrupto vigarista aldrabao e ladrao a gozar com o dinheiro de todos. Venha a justiça já cadeia já é tarde.

  2. Estes gajos…….já nascem ricos, sempre foram ricos, sempre tiveram a vida facilitada, vivem no luxo, tem salários elevadíssimos e mesmo assim andam a roubar…….

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.