Malala Yousafzai não pode usar hijab se quiser dar aulas no Quebec

United Nations / Flickr

A ativista adolescente Malala Yousafzai, Prémio Nobel da Paz

O ministro da Educação do Quebec afirmou que seria “uma honra” se Malala Yousafzai quisesse dar aulas na região francófona do Canadá, mas que não podia “usar sinais religiosos no exercício das suas funções”.

Jean-François Rochelle, ministro da Educação do Quebec, a região francófona do Canadá, marcou presença numa reunião preparatória da cimeira do G7 em Paris e publicou no Twitter uma fotografia com a ativista paquistanesa Malala Yousafzai.

Segundo o Expresso, a fotografia deu origem a protestos, devido a uma lei canadiana recente que proíbe certos funcionários em posições de autoridade de utilizarem o lenço islâmico na cabeça – o hijab, que a jovem paquistanesa usa sempre e com o qual aparece ao lado do ministro na fotografia publicada na rede social.

Depois de o governante ter publicado a fotografia no Twitter, um jornalista perguntou-lhe se Malala poderia dar aulas no Quebec, se assim o desejasse.

“Dir-lhe-ia certamente que seria uma imensa honra e que no Quebec, como é o caso em França (onde nos encontramos atualmente) e noutros países abertos e tolerantes, os professores não podem usar sinais religiosos no exercício das suas funções“, respondeu Jean-François Rochelle.

Musfata Farooq, diretor executivo do Conselho Nacional de Muçulmanos Canadianos, comentou no site do Huffington Post que a resposta do ministro “é histérica e tragicamente absurda”.

“Serve para mostrar a natureza do que acontece quando se começa a fazer legislação que retira às pessoas as suas liberdades civis“, afirmou o responsável da organização que irá contestar a nova lei em tribunal.

Malala escrevia desde os 11 anos, sob anonimato, um diário para a BBC sobre o que era a sua vida no regime talibã. Em 2012, a paquistanesa foi baleada por militantes talibãs, quando ia a caminho da escola.

A Nobel da Paz acabou por abandonar o país entre a vida e a morte. A ativista continuou a defender em público o direito das suas compatriotas à educação, tornando-se uma inspiração para a luta pelo direito à educação e pelo respeito dos direitos humanos.

LM, ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Sou professor aposentado e católico, mas não estou de acordo com esta proibição. Será que nas nossas escolas é proibido usar um colar com uma cruz? Vários alunos meus iam para a sala de aula universitária com esse “sinal” e nunca ninguém dentro da sala de aulas ripostou. Graças a Deus que em Portugal não chegamos a esses extremismos, que tanto ocorrem em alguns países desenvolvidos, tal como refere a notícia, mas também no Sudão, na Nigéria, na Síria, etc., em que os cristãos são perseguidos.

    • Vá vc para um país muçulmano vestido à “europeu”, com uma Bíblia na mão (eles andam com o Corão), usando um “colar” com uma cruz ao peito ou de qualquer outra identidade religiosa que não a muçulmana e veja o que lhe acontece… Não custa nada experimentar. n’é?

      • Nós, os católicos, nunca devemos renunciar a Cristo, seja em que lugar estejamos e mesmo que os outros procedam mal, temos de “lutar” não com as mesmas armas que os que nos atacam mas permanecendo sempre fiéis a Deus. Foi essa atitude que fez com que a Malala Yousafzai mereceu o Prémio Nobel da Paz.

        • Está no seu pleno direito de ser católico e professar a religião que entende ser a mais adequada para si, mas eu não faço parte de nenhum rebanho religioso e sabe porquê? Sou ATEU.

  2. acho que o uso do hijab é mais uma questão de cultura e tradição do que religiosa. quantas mulheres em Portugal não usavam e usam um lenço na cabeça e quando enviuvavam punham um lenço preto para o resto da vida por respeito ao defunto e não frequentavam a igreja como também não se negavam a uma boa cambalhota (nem todas).

    • Pode até ser uma questão de cultura e tradição, por exemplo, os trajes minhotos, os trajes das varinas da Nazaré e tantos outros usos e costumes de Portugal de há anos. Só que o tal de hijab é OBRIGATÓRIO pela religião muçulmana o que o liga inevitavelmente àquela religião. E quanto às nossos mulheres, no passado fascista, terem usado véus na cabeça, para sua informação, era apenas quando entravam numa igreja, logo, outro uso para fins religiosos, porque quando saíam da igreja, tiravam esses véus. E não, as viúvas desse tempo, não eram obrigadas a usar véu para o resto da vida. A maioria nem os usava. Quanto aos homens, também nesse tempo, quando falecia um parente próximo (pai, mãe, avô, avó, filhos), usavam um “fumo” (tira de pano preta) numa das mangas do casaco e na lapela do mesmo e apenas durante o chamado período de “nojo”, ou seja, um ano.

RESPONDER

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …

Novo comboio-bala entra ao serviço na linha Tóquio-Osaka

O mais novo modelo de comboio-bala do Japão - o N700S - entrou ao serviço no dia 1 de julho, numa jornada inaugural de Tóquio a Osaka. A série N700S (sendo que o "S" significa "Supreme") …

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos EUA

O músico norte-americano Kanye West anunciou este sábado, Dia da Independência dos Estados Unidos, a sua candidatura à Casa Branca, depois de ter apoiado anteriormente o atual Presidente e candidato à reeleição, Donald Trump. "Agora devemos …

Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que "mata" uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real. A equipa de investigadores conseguiu registar …

Reutilizável, dobrável e esterilizável. Novo "escudo" protege profissionais de saúde

Uma equipa de cientistas desenvolveu, recentemente, um dispositivo dobrável em forma de tenda que atua como um escudo físico para os profissionais de saúde na linha da frente contra a covid-19. A tenda redutora de gotículas …