Maher e Safa deixaram sonhos para trás. Mas reencontraram a paz em Portugal

João Relvas / Lusa

Maher Mubaied, Safa Mubaied e o filho Hassan Mubaied, refugiados sírios que agora vivem em Portugal

Os sonhos de Maher e de Safa ficaram adiados com a guerra na Síria, mas reencontraram a paz em Portugal, onde residem há dois anos ao abrigo de um programa de acolhimento de refugiados.

É no primeiro andar de um prédio da freguesia de Barcarena, no concelho de Oeiras, que Maher Mubaied, de 25 anos, reside com a esposa Safa, da mesma idade, e Hassan, o filho de ambos, com 4 anos, desde setembro de 2017.

Chegaram ao abrigo de um programa europeu de recolocação de refugiados, depois de terem passado pela Turquia e pela Grécia, e já em Portugal contaram com o apoio do Centro Social e Paroquial de Barcarena.

Num português ainda muito básico, Maher contou à Lusa que o maior entrave na integração foi a língua e a falta de amigos, situação que ficou amenizada a partir do momento em que começou a trabalhar.

“Primeiro eu não gostava de Portugal. Era muito difícil para trabalhar e os salários são baixos, mas depois de falar com outras pessoas, de trabalhar já gosto. Antes não fazia nada, só ficava sentado, no telemóvel ou a ver a ver televisão”, recorda.

Da Síria, assegura, traz um diploma em hotelaria, como chefe de cozinha, e várias épocas como jogador de futebol na primeira divisão nacional. Em Portugal trabalha num restaurante libanês em Lisboa, mas o sonho no futebol profissional desapareceu, como muitos dos edifícios da cidade de Damasco.

“Eu falei com a organização a dizer que precisava de jogar cá num clube, mas… Eu jogo, mas não é profissional e eu preciso disso”, afirma, com olhar cabisbaixo.

Para que a sua vontade de ficar em Portugal seja mais forte, Maher ambiciona, além de uma carreira no futebol profissional, ter o seu próprio negócio, pois não gosta de “trabalhar para outras pessoas”.

“Preciso de ter um negócio próprio, restaurante ou café. Eu sou chefe cozinheiro, tenho diploma, estudei cinco anos, por isso não preciso de continuar a trabalhar para outras pessoas”, argumenta.

Do filho, que ainda nasceu na Síria, diz com orgulho que já aprendeu três línguas e que já brinca com outras crianças. “Fala árabe, inglês e português. Ao início foi complicado, mas duas professoras ajudaram o meu filho e agora já brinca com outras crianças”.

As dificuldades de adaptação inicial foram também sentidas por Safa Mubaied, que na Síria estudava árabe, mas que em Portugal trabalha, atualmente, num hipermercado em Massamá, depois ter trabalhado num restaurante em Odivelas.

“Ao início foi muito difícil porque a língua não é fácil para nós, tem muitos verbos, mas o trabalhar ajudou a falar e a aprender mais rápido”, afirma, com um sorriso.

“Eu gosto de viver em Portugal, é um país muito bonito e as pessoas são muito simpáticas. As pessoas ajudam muito quem é de outro país e gosto da praia. Faz muito sol e não está muito frio”, caracteriza.

Safa refere que é, exatamente, o calor humano dos portugueses que mais os fazem sentir como se ainda estivessem na Síria: “Como no meu país as pessoas são muito simpáticas e gostam muito da família. Os vizinhos são muito simpáticos e falam com pessoas novas. Os colegas também são muito simpáticos e ajudam-nos muito“, conta.

Ainda que acompanhe à distância o que se vai passando na Síria e as saudades apertem, Safa assegura que o futuro próximo não passa pelo seu país. “Agora gostava de ficar em Portugal, porque é o melhor para o meu filho. No futuro não sei, mas na Síria é preciso muito tempo para voltar a ser como antes”, conta, emocionada.

Hugo Delgado / Lusa

A família curda deixou o Iraque e encontrou a paz em Braga

“Ter um futuro depois do nada”

Também em Portugal se encontram Frmessk Rashid e Sham, de 31 e 37 anos. A família curda, que deixou o “nada” do Iraque, encontrou em Braga amigos, sonhos, futebol e esperança.

O cheiro ao outro lado do mundo começa nas escadas. Abertas as portas do pequeno apartamento, num terceiro andar, quase vazio, vê-se uma mesa, cadeiras, dois sofás, televisão e um fogão improvisado.

“Tudo o que a minha mãe faz é bom”, garante Sham Dzaiy, uma menina de 12, quase 13 anos, como fez questão de esclarecer. A Sham juntam-se os irmãos, Muhammad Shyda Ali, de 9 anos, Darya Shtda Ali, de 14 anos e Tablo Dzaiy, de 5 anos.

Vieram à procura da paz e são tidos como uma “família modelo” pela Instituição de Acolhimento – Colégio Luso-Internacional de Braga (CLIP) – que os acolhe durante o programa de acolhimento aos refugiados do Governo português.

“É um exemplo, esta família, porque os dois anos passam rapidamente e esta família decidiu comprar a casa porque não suportavam a renda. Houve a possibilidade de uma ajuda que estão a pagar”, explicou à Lusa Helena Vaz Pinto do CLIP.

Ambos trabalham: “No Iraque ela estava em casa, teve os filhos muito seguidos. O pai já trabalhava na construção civil, é um excelente trabalhador, mas quando chegaram ela foi a primeira a trabalhar connosco, na cozinha e na limpeza”, salientou.

Fugiram de Erbil. Foi o filho mais velho, com voz de adulto como se a explicação lhe tivesse roubado a adolescência, que contou a realidade que deixaram: “Era mau. Lembro-me da minha família, dos problemas em diferentes cidades, da guerra, dos ataques às escolas, aos hospitais e não havia nada lá“, descreveu.

Depois de “uma curta passagem por Lisboa e nove meses na Alemanha”, explicou Luísa Pina Vaz, foi a Braga que os trouxe o destino. “Estão completamente integrados”.

Aceitaram falar à Lusa, mas a timidez impediu-os de falar em Português, “têm vergonha”, mas todos sabem a língua de Camões. “As aulas de português são as minhas preferidas”, disse mesmo Muhammad, o mal são os amigos. “Eles não prestam atenção e não aprendem e em inglês aprendem”, explicou.

Amigos. Foi uma das coisas que encontraram em Braga, todos referem. Sham tem mesmo uma “melhor amiga”, a Júlia, com quem, confessa entre um sorriso tímido, que as conversas passam, como entre quaisquer adolescentes, por rapazes.

Sham gosta de cá estar. Sente falta da comida de lá, aquele país onde nasceu, tão distante quanto a paz, mas não nega querer lá voltar: “O meu sonho é ser médica. Se o país melhorar, deixar de ter problemas, provavelmente voltarei”, disse.

No sonho de voltar à terra acompanha-a o irmão mais velho, Darya. “Se não houver guerra, se melhorar [silencio] é o meu país, e sinto falta da minha casa, da minha linguagem e dos meus amigos lá”, explicou.

Sonho dos rapazes? Além da “paz e segurança” que encontraram em Braga, o futebol. Ambos quem ser futebolistas, ainda que ainda não tenham clube em Portugal. Mas a bola perde para outros golos que querem marcar.

“Quero ser futebolista mas tenho outros objetivos, como ter amigos, uma vida feliz, apenas ser feliz”, salientou Darya. Entre a timidez perante a câmara, saltava à vista algo comum aos irmãos, esperança.

“Têm proteção internacional já garantida, são pessoas que precisavam de ser acolhidas, integraram-se perfeitamente. O principal problema que apontavam era a falta de segurança, aqui encontraram uma casa e a possibilidade de um futuro“, terminou Helena Vaz Pinto.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PSD de Castelo Branco pede demissão da deputada do PS Hortense Martins

O PSD de Castelo Branco pediu esta segunda-feira a demissão da deputada socialista Hortense Martins, alegando que não tem condições para representar o distrito, depois de condenada a pagar o arquivamento de um processo onde …

Bruxelas anuncia sexto contrato para vacinas, desta vez com a Moderna

A presidente da Comissão Europeia anunciou, esta terça-feira, um novo contrato para assegurar vacinas contra a covid-19, desta feita com a norte-americana Moderna, que fornecerá até 160 milhões de doses. "Estou feliz por anunciar que aprovámos …

Shinzo Abe investigado por alegado uso ilegal de fundos para financiar eventos privados

Procuradores no Japão estão a investigar o gabinete pessoal do antigo primeiro-ministro Shinzo Abe pela alegada utilização ilegal de fundos para financiar eventos privados, para os quais foram convidados apoiantes do líder japonês entre 2013 …

Rússia anuncia eficácia de 95% da vacina Sputnik V

A Rússia anunciou, esta terça-feira, que sua vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, tem uma eficácia de 95%, segundo resultados preliminares. Em comunicado no site oficial da vacina russa, o Centro …

Emigrantes querem votar por correio nas presidenciais

O movimento de emigrantes "Também somos portugueses" pede a alteração urgente das leis eleitorais para que possam votar por correio, no mesmo dia em que Marcelo Rebelo de Sousa, atual Presidente da República, anuncia a …

"Um objectivo histórico". Efacec leva luz a todo o Ruanda

A Efacec instalou três sub-estações de alta tensão no Ruanda, contribuindo atingir "um objetivo histórico da República do Ruanda" com "a electrificação total do país em 2023". O projecto da empresa portuguesa está orçado em …

Portugal com mais 85 mortes e 3919 casos de covid-19. Número de internados nunca foi tão alto

Portugal regista, esta terça-feira, mais 85 mortes e 3919 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 3919 novos casos, 2284 …

Vésperas de feriado sem confinamento obrigatório

Nos dias 30 de novembro e 07 de dezembro, que antecedem os dois feriados, não serão aplicadas as restrições de circulação definidas para os fins de semana e feriados, embora as escolas interrompam a atividade …

Eduardo Catroga: Foi o PS quem ultrapassou as "linhas vermelhas" após aceitar apoio do PCP e do BE

Eduardo Catroga, antigo ministro das Finanças de Cavaco Silva, defende que foi o PS quem ultrapassou as "linhas vermelhas" após aceitar o apoio do PCP e do Bloco de Esquerda, partidos "anti-tudo". O ex-ministro das Finanças …

Ministra garante que situação nas prisões está "controlada". PSD diz que Governo está "sem rei nem roque"

Esta segunda-feira, a ministra da Justiça Francisca Van Dunem esteve reunida com Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém, num encontro em que participou também a ministra da Saúde, Marta Temido. À saída de uma audiência com …