Maduro já recebeu primeira dose da vacina russa Sputnik V

Nicolás Maduro recebe primeira dose da vacina russa Sputnik V

Nicolás Maduro recebeu, este sábado, a primeira dose da vacina Sputnik V, cerca de duas semanas depois de o Governo anunciar o início do programa de vacinação.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a sua mulher, Cília Flores, receberam este sábado a primeira dose da vacina russa Sputnik V contra o novo coronavírus, no âmbito do programa venezuelano de imunização da população.

O momento da vacinação foi divulgado pelo próprio chefe de Estado numa mensagem através do Twitter, que fez acompanhar por um vídeo, em que além dos dois a ser vacinados é possível ver vários profissionais de saúde.

“Compartilho o momento em que, junto com Cília Fores, recebemos a primeira dose da Sputnik V. Com esta vacina imunizamos grande parte do nosso pessoal médico, e preparamo-nos, adicionando outras vacinas para proteger todo o nosso povo”, escreveu.

Segundo a imprensa venezuelana, daqui a 21 dias ambos devem receber a segunda dose da vacina russa. “Já levamos (usámos) 60% das vacinas russas e segunda-feira arrancamos com as chinesas (…) a nível mundial todos os estudos dizem que a vacina russa é uma vacina de grande poder para gerar imunidade”, explica no vídeo.

Maduro afirmou ainda que “há escassez de vacinas no mundo” e que “quase 40 países estão colocando a vacina russa e a União Europeia a está estudando (…) tenho muita fé na combinação entre as vacinas russa, chinesa e cubana”.

Por outro, adiantou que foi assinado “um acordo com a Organização Panamericana da Saúde, a Organização Mundial da Saúde, para que libertem 300 milhões de dólares (251,7 milhões de euros) que têm sequestrado (em bancos) na Inglaterra”.

Na sexta-feira o Presidente ordenou suspender, a partir de 5 de março, todas as atividades públicas, quer do Governo, quer do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo), até que a “melhore” a situação da pandemia. “Decidimos, na comissão (para a prevenção da covid-19) limitar os atos e mobilizações públicas, enquanto saímos da situação de alarme pela chegada da variante brasileira”, disse.

A suspensão acontece depois de terem sido detetados 10 casos de pacientes infetados com a variante brasileira do novo coronavírus no estado de Bolívar (sul do país, fronteiriço com o Brasil), na cidade de Caracas e no vizinho estado de Miranda. Entre os atos suspensos está uma marcha, prevista para 8 de março, que iria assinalar o Dia da Mulher.

A Venezuela recebeu, na terça-feira, meio milhão de doses de vacinas da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm contra a covid-19, horas depois de o Governo venezuelano ter aprovado o seu uso no país.

O país recebeu em 13 de fevereiro as primeiras 100 mil doses da vacina russa Sputnik-V, que, segundo o Presidente Nicolás Maduro, foram destinadas à população mais vulnerável, para reduzir a transmissão local do novo coronavírus. Segundo a imprensa local, a vacinação começou cinco dias depois e os idosos foram excluídos.

Em 17 de fevereiro, Nicolás Maduro anunciou que previa iniciar a imunização geral da população a partir de abril, com vacinas da Rússia, China, Cuba e da plataforma Covax da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Academia Nacional de Medicina (ANM) da Venezuela indicou que o país necessita de 30 milhões de vacinas para imunizar 15 milhões de pessoas, 3,5 milhões de maneira prioritária.

Na Venezuela estão oficialmente confirmados 141.356 casos da covid-19, desde o início da pandemia, em março de 2020. Há ainda 1.371 mortes associadas ao novo coronavírus e 133.454 pessoas recuperaram da doença.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE