Maduro pede apoio nas ruas para medidas duras contra guerra económica

Fabio Rodrigues Pozzebom / ABr

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu este domingo aos venezuelanos que o apoiem, porque terá de “tomar medidas duras” para combater a “guerra económica” no país.

“Quando tomar medidas duras, que vou tomar, necessito do apoio do povo nas ruas. Que não haja hesitação. Que não hajam dúvidas”, alertou, afirmando que pretende “derrotar a guerra económica”.

Nicolás Maduro discursou em Caracas para milhares de simpatizantes que comemoravam o 57º aniversário do fim da ditadura do ex-presidente Marco Pérez Jiménez, em 23 de janeiro de 1958.

Acrescentou que, “para atuar em paz, com a Constituição na mão, precisará de muito apoio do povo, em várias direções”, mobilizando permanentemente as forças revolucionárias.

Nicolás Maduro informou esta segunda-feira estará em Caracas “um grupo terrorista de direita” para participar num fórum organizado pela oposição, que acusou de responsável pelo golpe de Estado de 2002, contra o falecido líder socialista Hugo Chávez.

De acordo com Nicolás Maduro, o grupo planeia um atentado contra ele e é composto por “três ex-presidentes latino-americanos”, que “fazem tudo como uma manobra perigosa”.

“Quero dizer ao ex-presidente Felipe Calderón, do México, ao ex-presidente da direita “pinochetista” do Chile, Sebastián Piñera, e ao ex-presidente Andrés Pastrana da Colômbia, que podem entrar na Venezuela, mas devem ter claro que vêm apoiar um grupo de extrema-direita, que desconhece o governo e tenta apelar para um golpe de Estado cruel”, concluiu Nicolás Maduro.

José Pestana / Flickr

Economia vai contrair 7% em 29015 devido a queda do preço do petróleo

O Fundo Monetário Internacional prevê que a economia venezuelana seja “a mais afetada” da América Latina, pela descida dos preços internacionais do petróleo, projetando para 2015 uma contração de 7% do PIB e uma agudização dos problemas fiscais.

Os dados, segundo a imprensa venezuelana, foram revelados por Alejandro Werner, diretor daquele organismo para o Hemisfério Ocidental, e fazem parte do relatório “Perspetivas Económicas Globais para a América Latina e Caraíbas”.

Cada descida de 10 dólares no preço do barril de petróleo ocasionará uma queda de 3,5% do PIB na Venezuela, agudizando os problemas fiscais e a recessão”, referiu aquele responsável, citado pelo diário venezuelano El Tiempo.

Segundo o FMI, países como a Bolívia, a Colômbia e o Equador, vão ver as suas economias afetadas quanto às perspetivas de crescimento mas contam com posições fiscais suficientemente sólidas para enfrentar o impacto, enquanto a Venezuela reduzirá as entregas de petróleo a preços subsidiados a outros países da América Latina e Caraíbas.

Na última quarta-feira, Nicolás Maduro confirmou que a economia venezuelana contraiu 2,8% em 2014 e que a inflação no país ficou “acima dos 64%”, devido a fatores reais e induzidos.

ZAP / Lusa / Abr

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos culpa Rússia pelo assassinato de Alexander Litvinenko

Decisão remonta ao incidente de novembro de 2006, que ocorreu num hotel londrino, seis anos após o dissidente político se ter mudado para o Reino Unido, precisamente para fugir às ameaças do regime de Vladimir …

"Tratam-nos assim por causa da cor da nossa pele". Polícias nos EUA filmados a chicotear migrantes

Fotos e vídeos mostram polícias na fronteira a carregar contra migrantes e a usar objectos semelhantes a chicotes. A Casa Branca já condenou a situação e promete que vai investigar o sucedido. Pareciam imagens do tempo …

Benfica: a principal ameaça na Liga dos Campeões será Darwin

Pelo menos é a visão catalã. Benfica é o próximo adversário do Barcelona. Mais um jogo, mais uma vitória. O Benfica só sabe ganhar no campeonato português, para já, e na noite passada venceu em casa …

Estado vai financiar formação de funcionários públicos em universidades e politécnicos

Verbas destinadas ao projeto provêm do Orçamento do Estado e do Plano de Recuperação e Resiliência — cerca de 600 milhões. O Estado vai financiar, inteira ou parcialmente, as formações profissionais dos profissionais públicos, através do …

Sevilha rescinde com jogador por má forma física

O Sevilha anunciou a rescisão de contrato com o defesa-central Joris Gnagnon por falta de profissionalismo relativamente à sua forma física. De acordo com o jornal A Bola, o Sevilha rescindiu contrato com o defesa-central francês …

"O nosso Governo está pronto". Trudeau volta a ganhar as eleições - mas sem maioria absoluta

O líder do Partido Liberal do Canadá (LP) Justin Trudeau disse hoje, depois de ganhar as eleições gerais do país, que os eleitores canadianos escolheram "um plano progressivo" e que está pronto para formar um …

Travar margens nos combustíveis pode acabar por prejudicar os consumidores (e até fechar bombas)

A proposta de lei do Governo aprovada, na semana passada, para a limitação das margens das petrolíferas nos preços dos combustíveis pode acabar por travar a concorrência e até levar ao encerramento de bombas de …

"Nunca se pode tirar Messi" (mas há um gesto que pode explicar a sua substituição)

A substituição de Messi, e a forma como reagiu, no jogo entre o Paris Saint-Germain e o Lyon da Liga francesa, continua a dar que falar. E agora avança-se a possibilidade de o craque argentino …

Médicos querem que norma de isolamento tenha em conta a atual taxa de vacinação

Com o regresso às aulas, médicos de saúde pública defendem a revisão da norma referente ao isolamento de contactos de risco, para que esta tenha em consideração a elevada taxa de vacinação. O ano letivo arrancou …

Com Moedas como alvo e Temido como "guardiã", Medina prometeu um novo futuro para Lisboa

O candidato da coligação PS/Livre à presidência da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou a direita de ambicionar nas autárquicas de domingo “a segunda volta do jogo que perdeu na disputa do poder legislativo”. Fernando Medina …