Saúde também em crise: Maduro “prefere dar armas a milicianos que equipar enfermeiros”

Um grupo de enfermeiros do Hospital Universitário de Caracas fez, na segunda-feira, um protesto para denunciar a situação dramática que se vive nos hospitais, considerando que para Nicolás Maduro “é mais rentável dar armas aos milicianos do que equipar enfermeiros”.

Concentrados em frente do edifício do Hospital Universitário de Caracas, os enfermeiros quiseram deixar claro que o que está a acontecer “é um crime” e que “os venezuelanos estão a morrer por falta de medicamentos”, noticiou o Observador, citando a agência Lusa.

Embora não disponha de números – porque desde 2014 que a Venezuela deixou de participar em convenções internacionais – Ana Rosario Contreras, presidente da Junta Diretiva do Colégio de Profissionais de Enfermagem do Distrito Capital – Caracas, lembrou, a propósito do Dia Internacional da Enfermagem, assinalado no domingo: “Não temos nada para comemorar. Pelo contrário, hoje só temos é muitos motivos para protestar”.

“Os doentes estão a morrer, porque falta material médico”, disse, lamentando o que já foi um hospital emblemático e hoje não passa de “um fantasma em destruição, não há medicamentos, converteu-se em carne putrefacta, em urina, em evacuações constantes, porque não há água nem luz”.

A enfermeira falou em emigração forçada, em busca de melhores condições de trabalho, mas também de vida, já que na Venezuela os enfermeiros não têm “um salário que permita sobrevivência e ter uma vida familiar”.

“Nós negamo-nos a abandonar o nosso país, negamo-nos a deixar morrer pacientes neste país, que tem sequestrada a liberdade, por isso estamos em luta”, afirmou, em declarações à agência Lusa.

Cristian Hernandez / Lusa

Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela

Os enfermeiros alertaram ainda para os atrasos na distribuição de ajuda humanitária, nomeadamente da Cruz Vermelha Internacional. “A pergunta é, onde está? Como se vai distribuir? Quem vai distribuir? Quem são os beneficiários? Passaram muitas semanas, senhores da Cruz Vermelha…”, referiu Ana Rosario Contreras.

As denúncias que fazem são muitas, desde “crianças que morrem de cancro” a “doentes de diálise sem resolução”. Por isso garantem que vão continuar a protestar nas ruas contra a incapacidade do Governo do Presidente do país, Nicolás Maduro.

Em relação à profissão, a presidente do Colégio de Enfermagem referiu os rácios internacionais que apontam para 8,8 enfermeiros para cada mil habitantes, esclarecendo que a realidade é diferente: “Na Venezuela, uma enfermeira tem de atender entre 24 a 40 doentes diários. Esse rácio de 8,8 sugere que cada enfermeiro devia dedicar 45 minutos diários a cada paciente. Lamentavelmente há muito tempo que vivem uma sobrecarga”.

Outro número revelador é que deveriam existir cerca de 300 mil destes profissionais de saúde. “Hoje há apenas uns 30 mil enfermeiros”. Para os enfermeiros, “todos os 32 milhões de habitantes da Venezuela estão em risco”, pois “entrar num hospital é logo um risco, simplesmente porque não há sequer material para desinfeção”, advertiu.

As causas desta crise na área da saúde têm um responsável, segundos os enfermeiros. “Há razões políticas, há uma incapacidade que tem demonstrado o Governo de Nicolás Maduro para resolver os problemas de saúde”, consideram.

Quanto à frustração que sentem por não conseguirem atender os doentes que diariamente têm nos hospitais, Maria do Rosario Contreras diz que já passou, assim como o temor. Hoje, esse medo foi convertido “numa força para continuar a lutar para curar os pacientes, para cumprir o objetivo da sua formação, restituir às pessoas o direito à vida e à saúde”.

Leonardo Munoz / EPA

Juan Guaidó, presidente interino da Venezuela

Ziomara Valenilla, também enfermeira, revelou o outro lado da tragédia. Além das dificuldades para exercer a profissão, viu a sua filha morrer, em outubro, “por falta de medicamentos, de material médico, de material de cirurgia e por falta de pessoal”.

A morte é traumatizante, mas também pensa nos outros: “Nesse dia foi a minha filha, mas todos os dias morrem venezuelanos nos nossos hospitais. Não há medicamentos e o Governo continua em silêncio. Basta”, frisou.

Para esta enfermeira, “é um crime o que se está a passar nos hospitais” da Venezuela: “O regime genocida está a deixar morrer os doentes e as enfermeiras estão de mãos atadas”.

Lumidia Lizardi, que acabava de sair do hospital depois de visitar um doente, também quis denunciar aos jornalistas aquilo que viu no interior. “Estou de acordo com todos estes heróis, porque são heróis, os médicos e enfermeiros. O Governo não pode ficar calado, há pessoas a morrer. Nicolás Maduro, por favor, já basta, aceita ajuda humanitária”, apelou.

A crise política na Venezuela agravou-se a 23 de janeiro, quando o líder do parlamento, Juan Guaidó, jurou assumir funções de presidente interino, formar um Governo de transição e organizar eleições livres, contando com apoio de mais de 50 países.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Juan Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime. Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a emigrarem desde 2015, segundo as Nações Unidas.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados rebatizar dezenas de genes humanos por causa do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é parecida com fogo florestal, não com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …

Fair-play financeiro. UEFA mantém restrições ao FC Porto

A UEFA informou, esta sexta-feira, que o FC Porto "cumpriu parcialmente as metas estabelecidas para a época 2019/20" a nível do fair-play financeiro e que vai manter as restrições impostas ao clube azul e branco. "O …

Procuradora-geral de Nova Iorque quer dissolver NRA após investigação de fraude

A procuradora-geral de Nova Iorque anunciou, esta quinta-feira, ter movido um processo judicial contra a National Rifle Association (NRA), depois de uma investigação que mostra que os seus dirigentes desviaram milhões de dólares para benefício …

MP abre inquérito sobre surto em lar de Reguengos de Monsaraz

O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito sobre o surto de covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, que já provocou 18 mortos. Questionada pela agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) …

Ciclista Fabio Jakobsen já saiu do coma induzido

O ciclista holandês saiu do coma induzido, dois dias depois de uma violenta queda na primeira etapa do Tour da Polónia, que o deixou em estado grave e obrigou a uma cirurgia de cinco horas. "Temos …