Macron tem um plano traçado para as Presidenciais de 2022. Le Pen é (outra vez) uma pedra no sapato

Philippe Wojazer / EPA

As sondagens das últimas semanas colam Marine Le Pen ao atual Presidente francês, Emmanuel Macron, que tem em mãos a difícil tarefa de unir o país e acalmar a contestação popular.

De acordo com o Público, Emmanuel Macron resiste em decretar um terceiro confinamento em França com a justificação do impacto económico da decisão e dos eventuais efeitos nefastos da mesma na saúde mental e no estado anímico da população.

O Presidente vai apostar no aumento dos controlos fronteiriços, nas restrições à mobilização, em diminuir os horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais e em mobilizar a polícia para garantir que o recolher obrigatório é cumprido.



Com a sua presidência em jogo, e uma pandemia nos braços, Macron vai tentar reduzir os níveis de tensão popular.

O diário escreve que o principal objetivo é não dar motivos aos descontentes para se reagruparem debaixo de uma só bandeira, seja a da União Nacional, de Marine Le Pen, ou a de qualquer outro movimento de protesto.

Várias sondagens, divulgadas nas últimas semanas, mostram uma aproximação acelerada de Marine Le Pen, da União Nacional. O Público lembra que a líder da extrema-direita francesa tem sido uma das principais críticas da imposição de um novo confinamento e procurado dar voz aos desempregados e aos mais afetados pelas restrições.

Uma sondagem publicada no dia 19 de janeiro, da Harris Interactive, dá a vitória a Le Pen na primeira volta das presidenciais de 2022, com uma percentagem de 26% a 27%, contra 23% ou 24% de Macron. Na segunda volta, é o Presidente a vencer, mas por uma curta diferença de apenas quatro pontos percentuais (52% contra 48%).

Na sondagem da Ipsos, publicada há uma semana, Macron alcança entre 24% e 27% dos votos e Le Pen entre 25% e 26,5%, na primeira volta. No combate eleitoral final, o chefe de Estado leva uma vantagem considerável de 12%.

Certo é que não resta muito tempo para o Presidente francês desenhar e preparar uma estratégia agregadora. O plano, que passa por não decretar um terceiro confinamento, é arriscado, não só por ir contra as recomendações da maioria dos especialistas epidemiológicos, como pela incapacidade que Macron tem demonstrado para unir o país.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. É fácil criticar quem vota Le Pen, mas as consequências da islamização estão a inquietar cada vez mais franceses.
    Macron já se apercebeu do problema mas tem se mostrado impotente para tomar medidas que façam a diferença.

  2. Se Marine Le Pen perfilhasse uma solução confederal para a Europa, que salvaguardasse muito da soberania de cada estado europeu mas promovendo a unidade e independência da Europa, talvez viesse a ser a próxima presidente de França.

  3. Não é a Marine Le Pen que é a pedra no sapato para Macron, a pedra no sapato são os milhões de islâmicos que habitam em França e que nem Macron nem outro da sua área política terão coragem para reconhecer a razão da inquietação e insegurança de milhões de franceses.

RESPONDER

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela …

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …