Lukashenko aponta “carnificina diplomática” contra o Governo bielorrusso

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que enfrenta a maior onda de protestos populares nos seus 26 anos no poder, denunciou na quinta-feira uma “carnificina diplomática” contra o seu Governo.

“A carnificina diplomática contra nós já começou e ao mais alto nível”, disse o chefe de Estado numa reunião com membros do Governo, referido pela agência oficial Belta, citada pela agência Lusa. Na opinião de Lukashenko, é óbvio que uma “guerra híbrida” está a ser travada contra a Bielorrússia.

“E como chamá-la, se não isso? Os meios de comunicação e a esfera da informação são afetados por essa luta, por essa guerra de partes beligerantes”, disse o Presidente.

Lukashenko acrescentou que os países vizinhos não estão apenas a manifestar-se pela repetição das eleições presidenciais – que ocorreram em 09 de agosto e da qual saiu vencedor -, mas estão a começar a intrometer-se nos assuntos internos da Bielorrússia. “É claramente uma guerra diplomática”, insistiu ele.

Lukashenko destacou que o país precisa de despender vultosos recursos para estabilizar a situação nas fronteiras ocidentais, que foram reforçadas com unidades militares de outras regiões do país.

“Vocês veem que há declarações de que a Bielorrússia vai desmembrar-se, que a região de Grodno vai passar para a Polónia. Eles dizem isso abertamente, eles sonham. Mas nada disso vai acontecer, eu tenho certeza”, disse o chefe de Estado.

Desde as eleições presidenciais, que segundo dados oficiais Lukashenko venceu com 80,1% dos votos – resultados denunciados como fraudulentos pela oposição -, a Bielorrússia tem sido palco da maior onda de protestos de sua história pós-soviética.

Os adversários exigem a repetição das eleições, que não foram reconhecidas pela União Europeia (UE). “Eles terão de me matar primeiro”, respondeu Lukashenko aos pedidos de repetição das eleições.

Após uma repressão brutal contra os manifestantes nos primeiros dias de protestos pós-eleitorais, que causou indignação internacional e ajudou a aumentar o número de pessoas que protestam, as autoridades mudaram de tática e deixaram as manifestações diárias sem impedimentos por quase duas semanas.

O Governo, por sua vez, tem mantido a pressão sobre a oposição, com ameaças e prisão seletiva dos seus líderes. Na quarta-feira, a polícia dispersou os manifestantes que se reuniram na praça da Independência, detendo dezenas de pessoas.

A ação sinalizou um retorno à força, embora sem a violência que marcou a repressão pós-eleitoral, quando cerca de sete mil pessoas foram detidas, centenas ficaram feridas e pelo menos três manifestantes morreram.

Putin tem “força policial de reserva” para Lukashenko

Na quinta-feira, o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, indicou que está disponível para enviar assistência militar ou policial para apoiar Lukashenko, sublinhando, contudo, que a situação atual na Bielorrússia não exige tal intervenção.

“Claro que temos certas obrigações com a Bielorrússia e a questão que Lukashenko levantou foi se providenciaríamos a ajuda necessária”, disse Putin à televisão estatal russa, referindo-se ao pedido de ajuda feito pelo Presidente bielorrusso há duas semanas.

“Lukashenko pediu-me para criar uma força policial de reserva e foi isso que fiz. Mas concordámos que não seria utilizada a não ser que a situação ficasse fora de controlo”, continuou. O Conselho de Coordenação, liderado por Svetlana Tikhanouskaia, criticou as declarações, considerando-as “inaceitáveis”, referiu a Reuters.

As declarações de Putin alertaram os líderes europeus. “O Governo polaco exorta a Rússia a abandonar imediatamente os planos de uma intervenção militar na Bielorrússia sob a falsa desculpa de ‘restaurar o controlo’ – um acto hostil, que viola o direito internacional e os direitos humanos do povo bielorrusso, que deve ser livre de decidir o seu próprio destino”, escreveu no Twitter o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawieck.

Ao Politico, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, Linas Linkevicius, criticou a UE pela resposta lenta, temendo um impasse. “Não chega julgar, avaliar, condenar. Têm de haver ações”, disse o ministro lituano. “Temos de acelerar”, reiterou. Tikhanouskaia está exilada no país desde as eleições de 09 de agosto.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rio critica "vigarice" das sondagens. Líder do PSD acredita na vitória de Moedas

Esta tarde, ao lado de Francisco Rodrigues dos Santos e de Carlos Moedas, Rui Rio apelou a que não se acredite nas sondagens que, "ou são mal feitas, ou são encomendadas: uma vigarice". O presidente do …

A prova que precisava: Sim, as máscaras protegem contra a covid-19 (mas há uma predileta)

As máscaras funcionam? Se sim, será melhor utilizar uma N95, uma máscara cirúrgica ou uma máscara de pano? No último ano e meio, os investigadores produziram muitas evidências laboratoriais sobre a eficácia das máscaras. Para muitas …

Trump processa sobrinha e New York Times por investigação sobre os seus impostos

O antigo Presidente norte-americano processou a sobrinha e o jornal The New York Times devido à divulgação de um artigo no qual é alegado que Donald Trump estaria envolvido em "esquemas de evasão fiscal". Donald Trump …

Há 31 surtos ativos em ATL, creches e jardins-de-infância

Dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que existem, atualmente, 31 surtos ativos em estabelecimentos de ensino como centros de atividades de tempos livres (ATL), creches e jardins-de-infância. Na última segunda-feira, "foram registados 31 surtos ativos …

Principal assessor do Presidente ucraniano vítima de tentativa de assassinato

Serhiy Shefir, principal assessor do Presidente da Ucrânia, foi alvo de uma tentativa de assassinato esta quarta-feira. O carro onde seguia Serhiy Shefir foi "atingido por mais de dez balas", disse a polícia ucraniana, citada …

Koeman apareceu na conferência de imprensa, leu um comunicado e saiu

Treinador do Barcelona, com "cara de poucos amigos", não conversou com os jornalistas. Mas avisou: seria um "êxito" ficar nos lugares cimeiros do campeonato. Não é inédito mas é muito pouco usual: Ronald Koeman apareceu numa conferência …

Oito mortes e 891 casos de covid-19. Internamentos e incidência continuam a descer

Portugal registou, esta terça-feira, 891 novos casos e oito mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

A máscara de Marcos Rojo deixou uma criança a chorar

Imagem impressionante, na véspera de um jogo do Boca Juniors. Adaptando a ideia da publicação que será reproduzida mais abaixo, o futebol não é só uma bola a circular num relvado entre 22 jogadores. O futebol …

Erupção do vulcão nas Canárias pode durar até 84 dias

A erupção vulcânica de Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma pode durar entre 24 e 84 dias, com uma média geométrica de cerca de 55 dias, segundo cálculos do Instituto Vulcanológico das Ilhas …

PCP insiste que Governo vá “mais longe” e baixe o preço da energia

O PCP insistiu esta terça-feira que o Governo não se deve ficar pelo “não aumento” dos preços da energia, mas sim ir “mais longe”, intervindo para baixar estes valores, apontando que o executivo tem instrumentos …