Luís Monteiro, candidato do BE a Gaia, nega acusação de violência doméstica e diz ser a vítima

Luís Monteiro / Facebook

Luís Monteiro, deputado do Bloco de Esquerda

Luís Monteiro está a ser acusado de violência doméstica, num caso que remontará a 2015. A denúncia foi feita pela alegada vítima, Catarina Alves, nesta terça-feira.

Tudo começou com uma denúncia feita pela alegada vítima, Catarina Alves, no Twitter. Na publicação, que acusava o deputado do Bloco de Esquerda e candidato do partido à Câmara Municipal de Gaia de violência doméstica, lia-se que protegeu o nome do “agressor” para não perder amigos.

“Andei a proteger o meu agressor para não perder amigos. Que grande burra. Homens ficam do lado de homens sempre”, lê-se na publicação feita na noite desta terça-feira pela alegada vítima e ex-namorada do deputado bloquista.



Nas publicações seguintes, Catarina Alves diz ter sido descredibilizada no passado e avança alguns detalhes sobre a alegada agressão física da qual foi vítima. “As lágrimas são só por não ter entrado na esquadra no dia em que fiquei à frente dela com o corpo marcado de cima abaixo, acaba de escapar duma quase morte.”

A Sábado avança que os rumores da existência de um caso de violência doméstica que o partido teria tentado abafar começaram a espalhar-se pelo Twitter no dia 25 de abril e resultaram na desfiliação de vários alegados militantes do Bloco de Esquerda.

“Conheço pessoas que estão nessa cúpula que não o fariam e que me quiseram apoiar num primeiro momento. Pessoas que sei que só não fizeram mais porque eu própria deixei o caso cair, quando começaram a ser criadas narrativas contra mim”, disse Catarina Alves, em declarações ao Público.

A alegada vítima afirmou ainda que a relação “começou a ficar violenta ainda antes do verão”, antes da eleição de Luís Monteiro à Assembleia da República, e contou ao diário um episódio especialmente violento.

“Tivemos uma discussão a caminho de casa dele, que se tornou violenta a partir do momento em que chegamos lá. O Luís deu-me pontapés no corpo todo, cuspiu-me, arrastou-me pelos cabelos pela casa, deu-me estalos e perseguiu-me pela casa. Não sei quanto tempo isto durou, pareceu-me uma hora ou mais, mas foi provavelmente muito mais breve”, começou por detalhar.

“Terminou quando ele agarrou numa estatueta, quando eu estava caída no chão, e a apontou à minha cabeça. Foi só aí que percebi que o perigo em que estava era real. E foi também aí que ele percebeu o que estava a fazer e parou”, acrescentou.

Catarina Alves terá ponderado ir à polícia, mas disse não ter tido coragem, “principalmente por acreditar que isto iria ser uma situação isolada”.

Na altura militante do Bloco de Esquerda, a alegada vítima disse, ao Público, que receou colocar o partido xeque num dos momentos “mais importantes desde a sua criação”, no mesmo ano em que se formou a geringonça.

Ainda assim, afirmou que “múltiplas pessoas dentro do Bloco de Esquerda souberam o que ele fez”.

Deputado diz-se “vítima de agressões sucessivas”

Esta madrugada, Luís Monteiro reagiu às acusações de violência doméstica, com um comunicado publicado nas redes sociais. “Nunca agredi a mulher em causa, que foi minha namorada de fevereiro a outubro de 2015, e nunca agredi qualquer mulher. Condeno qualquer ato de violência, mas sobretudo este tipo de violência”, lê-se.

O deputado, eleito em 2015, prossegue e afirma ter sido ele a vítima das agressões. “Nos meses em que tive esta relação fui vítima de agressões sucessivas, violência verbal, ameaças e fui sujeito a um processo do qual não saí ileso”, escreveu.

“Jamais contaria o que me aconteceu se não fosse obrigado e felizmente, entre tantos factos infelizes, tenho a sorte de ter várias testemunhas que presenciaram o que relato e que me apoiaram em vários momentos em que precisei”, acrescentou o bloquista, alegando ainda existirem relatos semelhantes de outros homens em relação à mesma mulher.

“Lamento profundamente tudo o que está a acontecer; pelos meus camaradas, pela Catarina Alves e porque admito que seja um problema que não domina, por mim, por todas as mulheres que estão a viver processos de exposição dolorosos que não deveriam ser misturados com este”, lê-se na mesma nota.

O combate à violência doméstica é uma das bandeiras do Bloco de Esquerda. O partido mantém-se, para já, em silêncio.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

"Queremos justiça", exigem famílias de vítimas do ataque em Cabul. CIA alertou para a presença de civis

A família das 10 vítimas mortais do ataque com drone dos EUA a um veículo em Cabul exigem que os operadores sejam julgados em tribunal. A CIA terá alertado para a presença de civis segundos …

Rio abre o jogo sobre o futuro do PSD. Não se recandidata se fizer "igual, pior ou muito pouquinho melhor"

Líder social-democrata deu a conhecer o que é, para o próprio, um bom resultado nas próximas autárquicas, recusou-se a falar sobre as movimentações internas no PSD, expôs o papel do partido na votação do OE …

Corpo encontrado em parque natural será de Gabby Petito

Este domingo foi encontrado um corpo no parque nacional de Wyoming, nos Estados Unidos, que corresponde ao da jovem Gabrielle Petito, que se encontrava desaparecida, anunciou a polícia federal norte-americana (FBI). "No início do dia de …

Nuno Espírito Santo admite que "muita coisa correu mal", mas não escapa às críticas

O Tottenham saiu derrotado por 3-0 do embate com o Chelsea. Nuno Espírito Santo reconheceu os problemas na equipa, que foi duramente criticada por Roy Keane. O Chelsea manteve-se no comboio dos líderes da Liga inglesa, …

Críticas às novas tabelas da ADSE em várias áreas da Saúde

A nova tabela da ADSE, que entrou em vigor a 01 de setembro, tem enfrentado críticas de vários setores da Saúde, desde dentistas a nutricionistas, principalmente pelos valores atribuídos a alguns atos, exclusões e restrições. A …

Cuba é o primeiro país a vacinar crianças a partir dos dois anos

Depois de um drástico aumento de casos e mortes em crianças, a estratégia de vacinação em Cuba mudou. Com o objetivo de ter mais de 90% dos 11 milhões de habitantes imunizados até Dezembro, as autoridades …

Penálti que deu vitória ao Sporting devia ter sido repetido

Um penálti convertido por Pedro Porro deu a vitória, este domingo, ao Sporting. Especialistas entendem que a grande penalidade devia ter sido repetida. O Sporting CP conquistou uma vitória sofrida, este domingo, após derrotar o Estoril …

Marques Mendes: Governo vai abrir discotecas e acabar com limite à lotação no comércio e restaurantes

Marques Mendes considera também que a task force para a vacinação deve ser extinta em Outubro e que em Dezembro deve ser decidida uma terceira dose para os cidadãos acima de 65 anos. No seu habitual …

OE2022: Governo negocia englobamento obrigatório de rendimentos no IRS

O englobamento obrigatório de rendimentos no IRS é uma medida que está incluída no programa do Governo e é um dos temas de grande interesse no núcleo comunista. O assunto está a ser negociado no …

Falcao marcou mas o protagonista foi o árbitro: "Já nem sei quem viu amarelo"

Falhas na comunicação com os outros árbitros e confusão numa suposta expulsão, após 13 cartões amarelos: um jogo que Cordero Vega não vai esquecer. Radamel Falcao estreou-se neste sábado pelo Rayo Vallecano e já terá reunido …