Londres alerta que Brexit pode transferir “selva” de Calais para Inglaterra

The Prime Minister's Office / Flickr

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

Um porta-voz do primeiro-ministro britânico David Cameron admitiu esta segunda-feira o risco de que uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) possa levar a uma transferência do campo de imigrantes de Calais, norte de França, para Inglaterra.

“Se o Reino Unido deixar a União Europeia, não há nenhuma garantia de que os agentes britânicos de controlos de fronteira em Calais permaneçam no local”, afirmou o porta-voz adjunto, acrescentando que “se esses controlos não estiverem no local, então não há nada que impeça milhares de pessoas de atravessarem o Canal da Mancha para chegarem a Kent e pedirem asilo”.

Segundo a imprensa britânica, este deverá ser um dos argumentos utilizados por David Cameron, que prometeu fazer um referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE até ao final de 2017, na campanha para convencer os eleitores a aceitar o projeto de reformas que negociou com Bruxelas.

O porta-voz do primeiro-ministro britânico sublinhou que o Reino Unido e França têm “relações de trabalho positivas” no que toca às fronteiras, mas que “uma saída da UE colocaria em causa o conjunto da relação”.

Os apoiantes do Brexit – a saída do Reino Unido da União Europeia – acusam o Governo de alarmismo.

“O tratamento dos migrantes em Calais depende de um acordo com França, não com a UE. Não há nenhuma razão para que mude se sairmos da UE”, afirmou Arron Banks, um dos fundadores do movimento “Leave EU”.

“O governo agita este fantasma porque não conseguiu da UE as reformas de fundo que tinha prometido”, acrescentou o empresário.

Já o movimento pró-UE “Britain Stronger in Europe” considera o impacto de uma saída da UE na gestão das fronteiras uma questão real.

“Enquanto membro da UE, temos o melhor de dois mundos”, assegurou Will Straw, um dos dirigentes do movimento. “Graças ao acordo com França, os nossos controlos nas fronteiras estão em Calais e não em Dover. Se sairmos da UE, há um risco real desse acordo cessar, tornando menos seguras as fronteiras do Reino Unido”, alertou.

ZAP

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A Europa paga à Turquia para deter os emigrantes. O Reino Unido paga à França para deter os emigrantes. A Grécia e Itália detêm os emigrantes. Existem paises que não pagam a ninguém e fecharam as respetivas fronteiras aos emigrantes. Existem paises (como o nosso) que desviam recursos nacionais para acolher os emigrantes. Conclusão: Os emigrantes são um problema e não trazem mais valias. Pergunta: Se eles estivessem bem no país deles quereriam vir para cá? Talvez não. E porque não estão bem nos países deles? Não sou historiador mas julgo que no tempo das Cruzadas isto não aconteceu e na Europa existia paz. Se existisse Deus a paz seria eterna.

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …