Líderes do G7 prometem milhões de vacinas, mas evitam apoio claro a suspensão de patentes

Guido Bergmann / BPA HANDOUT / EPA

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com a chanceler alemã, Angela Merkel

Os líderes do G7 prometeram entregar milhões de doses adicionais de vacinas contra a covid-19 ao longo do próximo ano, mas evitaram apoiar claramente a suspensão de patentes, de acordo com o comunicado final.

“Os compromissos totais do G7 desde o início da pandemia preveem um total de mais de dois mil milhões de doses de vacinas”, referem, incluindo vários milhões prometidos este fim de semana em Carbis Bay, sudoeste de Inglaterra, onde decorreu o encontro.

A expectativa era que os países membros, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, juntamente com a União Europeia (UE), se comprometessem a oferecer mil milhões de doses adicionais.

Porém, o comunicado clarifica que este valor inclui donativos anunciados desde fevereiro.

Os Estados Unidos anunciaram nos últimos dias a doação de 500 milhões de doses da vacina Pfizer por 92 países desfavorecidos, 200 milhões das quais até ao final do ano, e o Reino Unido 100 milhões de vacinas excedentárias, das quais 30 milhões até ao final de 2021.

Sobre a suspensão de patentes, que alguns países e organizações humanitárias defendem para aumentar e acelerar a produção de vacinas a nível mundial, o G7 apoia o estabelecimento de unidades em países de baixo rendimento.

O comunicado refere “a importância da propriedade intelectual a esse respeito” e “o impacto positivo que o licenciamento voluntário e a transferência de tecnologia em termos mutuamente acordados já causaram no aumento da oferta global”.

Para esta edição da cimeira também foram convidados os líderes da Índia, Coreia do Sul, Austrália e África do Sul.

A reunião, a primeira presencial em dois anos devido à pandemia covid-19, foi organizada pelo Reino Unido, que teve este ano a presidência rotativa, a qual estará a cargo da Alemanha em 2022.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou que os EUA restauraram a presença no panorama mundial, qualificando de “uma reunião extraordinariamente colaborativa e produtiva” a cimeira do G7 que hoje terminou em Carbis Bay.

Ao encerrar três dias de encontros com líderes de alguns dos países mais poderosos do mundo e reatar laços com os aliados, Biden disse ter sentido um “entusiasmo genuíno” com a sua participação.

A América está de volta ao trabalho de liderar o mundo ao lado de nações que partilham os nossos valores mais próximos”, vincou, numa conferência de imprensa após o fim do encontro.

“Penso que fizemos progressos no restabelecimento da credibilidade norte-americana entre os nossos amigos mais próximos”, acrescentou.

Durante a cimeira, encontrou-se bilateralmente com a maioria dos líderes e foi visível a boa disposição, nomeadamente com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.

Biden rompeu também com o protocolo ao assistir a uma missa na manhã de hoje numa igreja católica local juntamente com a esposa, Jill Biden, surpreendendo os residentes.

Naquela que é a primeira grande viagem ao estrangeiro desde a entrada em funções, em janeiro, o Presidente impressionou ao anunciar o compromisso de doar 500 milhões de doses da vacina contra a covid-19 a países desfavorecidos.

Também fez pressão para que a declaração conjunta dos líderes incluísse uma linguagem específica criticando o uso de trabalho forçado e outros abusos dos direitos humanos pela China e conseguiu ver aprovado o imposto mínimo de 15% sobre empresas multinacionais que ele propôs.

Sobre a Rússia, prometeu que será “muito claro” com seu homólogo russo, Vladimir Putin, sobre as divergências, reconhecendo que as relações EUA-Rússia estão atualmente “no seu nível mais baixo”.

“Não se trata de um concurso para ver quem é o melhor numa conferência de imprensa para tentar humilhar o outro, trata-se de indicar muito claramente quais são as condições a serem preenchidas para se conseguir um relacionamento melhor com a Rússia. Não estamos à procura de conflito”, disse Biden aos jornalistas.

O Presidente dos EUA deixou também claro de que a defesa de um aliado da NATO atacado, prevista no Artigo 5.º do Tratado do Atlântico Norte, continua a ser uma “obrigação sagrada” e que a organização é “vital” para a capacidade de “preservar a segurança de os Estados Unidos até o final do século”.

Após a conferência de imprensa, Biden vai viajar até ao Castelo de Windsor para uma audiência privada com a Rainha Isabel II, o 13.º Presidente encontrar-se com a monarca, de 95 anos, durante seu reinado de 69 anos.

Segue depois para Bruxelas, para reuniões com líderes da NATO e da União Europeia, antes de uma cimeira com o Presidente russo, na quarta-feira, em Genebra.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …

Dispositivo movido a energia solar vai transformar água salgada em potável no Quénia

Transformar água do mar em água potável é um processo muito caro e poluente, mas o Climate Fund Manager e a Solar Water Solutions querem mudar isso. A nova solução revolucionária tem uma pegada de …

EUA impõem sanções contra a Polícia cubana pela “repressão” dos protestos

Os Estados Unidos impuseram novas sanções à Polícia Nacional Revolucionária cubana e a dois altos funcionários da instituição, com o Presidente Joe Biden a admitir mais medidas caso não exista uma mudança “drástica” em Cuba. Questionado …