Lasers podem deixar computadores um milhão de vezes mais rápidos

(dr) Stephen Alvey / Michigan Engineering

Uma nova técnica promete fazer com que a computação seja até um milhão de vezes mais rápida do que é atualmente, através do uso do laser na propagação de informações.

Mil milhões de operações por segundo é bom, mas um bilião de operações por segundo é ainda melhor. Esta é a promessa de uma nova técnica que usa pulsos de luz laser como unidades fundamentais da computação, os bits.

Esta técnica pode alternar os estados “1” e “0” mil biliões de vezes por segundo, sendo cerca de um milhão de vezes mais rápida do que os bits nos computadores atuais.

O estudo foi liderado pelo professor de física Rupert Huber, da Universidade de Regensburg, na Alemanha, e contou com a colaboração de investigadores da Universidade de Marburg, na Alemanha, e da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

Todas as tarefas desempenhadas por computadores convencionais são traduzidas numa coleção muito elaborada de operações de “1” ou “0”. Atualmente, um computador típico consegue usar bits de silício para realizar mais ou menos mil milhões dessas operações por segundo.

No entanto, no novo estudo, publicado na Nature, os investigadores pulsaram luz laser infravermelha em chips de tungsténio e selénio, permitindo que alternassem entre “1” e “0” como um processador normal de computador, só que um milhão de vezes mais rápido.

Mas como funciona? O segredo está na forma como os eletrões se comportam nessa estrutura de tungsténio e selénio. Na maioria das moléculas, os eletrões em órbita podem saltar para vários estados quânticos diferentes, chamados de “pseudospins”, quando são estimulados. Quando não são estimulados, os eletrões ficam juntos à molécula.

A estrutura de selénio-tungsténio tem apenas dois “caminhos” em torno das quais os eletrões estimulados podem percorrer. Com a orientação da luz infravermelha, o eletrão salta para a primeira “pista”. Com uma orientação diferente, salta para a outra.

Os pulsos de luz adicionais podem também empurrar eletrões de um lado para o outro entre duas pistas antes de terem oportunidade de voltar para um estado não estimulado. Estes “empurrões” são a própria computação que neste tipo de material pode acontecer muito mais rápido do que nos chips contemporâneos.

Os investigadores também levantaram a possibilidade de a estrutura de selénio-tungsténio ser usada para computação quântica à temperatura ambiente. No entanto, esta hipótese é teoricamente impossível, já que nesta estrutura os eletrões não conseguem estar em ambas as trilhas simultaneamente – característica necessária para os cálculos de computação quântica.

A ideia de um computado quântico à temperatura ambiente é, portanto, hipotética. Além disso, as operações clássicas que a equipa realizou foram apenas uma demonstração do conceito, o que significa que a estrutura ainda não foi testada. Os cientistas precisam ainda de provar que o chip pode ser usado num computador.

Ainda assim, esta experiência pode abrir portas para uma computação convencional ultra rápida, e talvez para uma computação quântica eficiente.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “Mil milhões de operações por segundo é bom, mas um bilião de operações por segundo é ainda melhor. Esta é a promessa de uma nova técnica que usa pulsos de luz laser como unidades fundamentais da computação, os bits.”
    Mil milhões não é o mesmo que 1 bilião…?

    • Caro Paulo,
      Não, não é o mesmo.
      O facto de os americanos/brasileiros dizerem “billion / bilhão” para designar uma coisa que os portugueses designam de “mil milhões”, não significa que não haja, em português PT, o termo “bilião” – que é diferente de “mil milhões”. Na realidade, um bilão (pt_PT) é um milhão de milhões.
      Onde os americanos/BR contam miliion / bilion / trilion / quadrillion, nós contamos milhão / mil milhões / bilião / mil biliões … / trilião.. etc 🙂

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …