Kamov proibidos de voar na Europa são usados em Portugal

José Coelho / Lusa

Helicóptero Kamov Ka-32A-11BC da frota da Protecção Civil no combate a um incêndio

Os três helicópteros Kamov que o Estado contratou este ano para suprimir a falta de aeronaves que continuam bloqueadas, pertencem à Pecotox Air, uma empresa moldava que não tem autorização para voar no espaço europeu.

De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia nesta quinta-feira, as aeronaves contratadas não pertencem à Heliportugal, tal como vinha a ser noticiado nas últimas semanas. Segundo o diário, os Kamov chegaram a pedido da empresa portuguesa para integrar o dispositivo de combate a incêndios, tendo custado 3,7 milhões de euros.

As três aeronaves só estão a operar porque tiveram uma autorização especial e a título temporário da Agência Nacional da Aviação Civil, nota o jornal.

Os Kamov vieram da Moldávia, sendo requisitados à empresa Pecotox Air, entidade esta que durante dez anos não teve sequer autorização para exercer no próprio país onde está sediada. Entre 2007 e 2016, a Pecotox esteve proibida de operar na Moldávia, após dois acidentes com aviões Antonov.

Ula Loew, porta-voz europeia da Agência para a Segurança de Aviação, confirma, em declarações ao JN, que a Pecotox “não possuiu atualmente uma autorização de TCO [operadores de países terceiros]” para poder operar no espaço aéreo europeu.

Atualmente, os aparelhos estão estacionados em Macedo de Cavaleiros, Ferreira do Zêzere e Loulé. Os helicópteros são pilotados por búlgaros e contam com tradutores portugueses na tripulação.

Portugal viu-se obrigado a contratar estas aeronaves para o período de incêndios, durante apenas 4 meses. A necessidade que resulta do facto de os Kamov do Estado estarem parados desde o início do ano, três por avaria e três devido à falta de uma peça e ao diferendo com a Everjets, a empresa que gere estes helicópteros.

O litígio entre o Estado e a Heliportugal arrasta-se desde 2012, quando o então ministro da Administração Interna do Governo de Passos Coelho, Miguel Macedo, retirou à empresa a gestão da frota de helicópteros pesados. Ainda faltavam 12 anos para o término do contrato e a Heliportugal exige uma indemnização que pode chegar aos 40 milhões.

No início de 2018, o Estado também entrou em divergência com a Everjets, com a ANPC a denunciar o contrato com esta empresa depois de esta se ter recusado a substituir uma peça que já tinha ultrapassado o limite de validade em três Kamov.

ZAP //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Apesar de não poderem voar na Europa, sempre voam mais e apagam mais fogos do que os que os Governos do PSD e do PS compraram.
    Esses estão em terra, sem peças, sem manutenção, sem ……. vergonha !!!!!

    • Ora averigúe e vai ver que esses a que se refere têm a marca daqueles que já nos lavaram três vezes à bancarrota – PS

    • Ora averigue lá e vai ver que esses a que se refere têm a marca de quem já nos levou três vezes à bancarrota: – PS

  2. Click bite ….. depois de andar a ser noticiado, que os Kamov em voo eram os Portugueses, esta noticia diz que os que voam em Portugal sao ilegais…

    Afinal nenhum dos 2 ‘e verdade, porque ao ler o artigo percebemos que ha um autorizacao especial…

    Ate uma criança de 10 anos faz melhores titulos.

  3. Não é evidente que lá porque têm uma autorização especial da ANAC possam voar em Portugal! Algum jurista que se manifeste sobre o que se sobrepõe: um impedimento da UE, ou uma “autorização especial” da ANAC obviamente obtida através dum telefonema dum VIP a outro VIP “eh pá, desenrasca lá este imbróglio”! E prontos… sai uma “autorização especial”. E com pilotos búlgaros!!! E que precisam de “tradutores portugueses”!!!

  4. Mas o mais surpreendente é o nível de incompetência e ignorância de quem não vê é que melhor, e muuuuuiiiiiito mais barato apostar na detecção precoce de incêndios do que em verbas absurdas para combate!
    Li algures na imprensa que neste verão existem 57 meios aéreos para combate a incêndios!!! Não sei se este número é verdadeiro, mas sei que meios aéreos têm custos elevadíssimos. E que por uma pequena fracção destes custos seria possível instalar sistemas automáticos (complementados com alguns recursos humanos naturalmente) de detecção precoce de incêndios! Para um país com a dimensão e orografia de Portugal, não há ninguém que equacione esta possibilidade?

  5. Deviam ter contratado 10 helis alemães todos em ordem e acabadinhos de sair da fábrica. Espera! Esses custam 10 vezes mais!!

    Bolas entendam-se com os argumentos que usam para atacar o PS.
    Se gastam muito dinheiro atacam se gastam pouco atacam…

    O governo usou a posição fragilizada, no mercado europeu, da empresa moldava para fazer um bom negócio!
    Assim a empresa moldava ganha um precedente para poder pedir à EU para voltar a operar e Portugal ganha helis a desconto.

    Não percebo porque têm de fazer tanto texto e tanta acusação por tão pouco.

    Se tivesse caído algum ainda compreendia. Mas estão a falar de nada senão um bom trabalho do governo a ter algo bom por pouco custo….

  6. O negócio está a ficar de qualquer maneira o costume o povo é como as sardinhas sempre em cardume.É fácil de enganar com Geringas está tudo a bombar .Esperem pelo regresso.

Responder a 5P Cancelar resposta

Governo quer licenças de trabalho parcial pagas para pais no primeiro ano dos filhos

O Governo quer implementar licenças de trabalho parcial remuneradas para pais e mães de crianças no seu primeiro ano de vida, no âmbito do programa para a conciliação entre vida profissional e vida familiar e …

Covid-19. Portugal "tem de preparar-se para o pior" e ter plano de contingência

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, defende que Portugal tem de se preparar para o pior e, por esta altura, já devia ser conhecido o plano de contingência em ação. "Convém …

Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município. O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de …

Transferência de Bruno Fernandes rendeu 16 milhões ao BCP e ao Novo Banco

A transferência de Bruno Fernandes do Sporting para o Manchester United foi rentável não apenas para o clube de Alvalade, mas também para os Bancos que são os principais financiadores do emblema. Millennium BCP e …

Braga 0-1 Rangers | "Guerreiros" eliminados por pé Kent

O Sporting de Braga caiu nos 16 avos-de-final da Liga Europa. Após a derrota por 3-2 na visita ao Rangers na semana passada, após estar a vencer por 2-0, os “arsenalistas” foram donos e senhores …

Violada, drogada e raptada. Cantora Duffy explica o seu desaparecimento da cena musical

A cantora galesa Duffy que fez sucesso, em 2008, com a música "Mercy", esteve vários anos afastada dos holofotes do mundo da música e explica, agora, que isso se deveu ao facto de ter sido …

Neeleman continua na TAP, mesmo com a entrada da Lufthansa

David Neeleman vai manter-se como acionista da companhia aérea portuguesa, mesmo que a Lufthansa venha a entrar no capital da TAP. Sabe-se que a Lufthansa está a estudar, juntamente com a United Airlines, a aquisição dos …

Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres

O Parlamento escocês aprovou, esta terça-feira, um projeto de lei para disponibilizar gratuitamente produtos de higiene feminina a todas as mulheres. A Escócia será o primeiro país a avançar com uma medida deste tipo. O plano …

Bruxelas regista lentidão no desenvolvimento da ferrovia e dos portos portugueses

A Comissão Europeia fez hoje várias observações sobre a lentidão do desenvolvimento de projetos na ferrovia e nos portos portugueses, num relatório elaborado no âmbito do pacote de inverno do semestre europeu. Abordando os setores ferroviário …

Há dois anos, o Governo deu luz verde a doutoramentos nos politécnicos (mas ainda não mudou a lei)

O Governo deu luz verde aos doutoramentos nos politécnicos e, por isso, criou em 2018 uma lei para mudar o panorama. Contudo, esta só funciona se a Lei de Bases mudar. Em 2018, o Conselho de …