Jovem que planeou massacre em escola de Massamá diz que “é difícil ser aceite na sociedade”

wan mohd / Flickr

Tinha 15 anos quando atacou colegas de escola com uma faca, em Massamá, Sintra. Depois de dois anos e meio num centro educativo e agora com 19 anos, este jovem, que planeou imitar o massacre de Columbine e que está a tentar refazer a vida no estrangeiro, assume que é “difícil” acreditar que poderá vir a “ser aceite na sociedade”.

Estas declarações do jovem identificado como Ricardo, um nome fictício, foram prestadas num depoimento escrito enviado ao jornal Público.

Numa série de reportagens sobre jovens problemáticos, o diário aborda, nesta segunda-feira, o caso do jovem de 15 anos que entrou com duas facas de cozinha, na Escola Secundária Stuart Carvalhais, em Massamá, no concelho de Sintra, ferindo dois colegas e uma auxiliar.

O caso aconteceu em Outubro de 2013, mais de dez anos depois do famoso massacre de Columbine, que ocorreu numa Escola Secundaria do Colorado, nos EUA, em 1999. Ricardo teria intenções de cometer na Escola de Massamá um ataque semelhante ao que foi feito pelos dois adolescentes norte-americanos que estão entre as 15 vítimas do incidente.

O caso surpreendeu os pais e a comunidade escolar porque Ricardo era um bom aluno e não estava envolvido em casos de violência. O advogado que acompanhou o caso, Pedro Proença, explica ao Público que o jovem era vítima de bullying, mas a escola diz não ter registo desse dado.

Após ter sido condenado por três crimes de homicídio qualificado na forma tentada e um crime de arma proibida, o jovem foi internado no Centro Educativo dos Olivais, em Coimbra, onde passou “dois anos e meio em regime fechado”, conforme refere ao jornal.

Está agora a estudar Direito no estrangeiro, depois de ter sido acolhido por familiares num país não revelado.

“Depois do que aconteceu, perdi todos os amigos, e só os familiares mais próximos se mantiveram solidários”, conta Ricardo.

“A mediatização do caso foi das coisas mais difíceis. Levou a que ainda hoje receie pela reacção da sociedade e pela incapacidade das pessoas perceberem que mudei e que a minha vida mudou”, diz também o jovem.

“Isso tornou mais difícil melhorar a minha auto-estima e ter confiança de que ainda poderia ser aceite na sociedade”, constata ainda.

No centro educativo, diz que “o mais difícil” foi “a noção de estar fechado e isolado do mundo exterior”, e lamenta que este regime “não ajuda a formar competências a nível social”.

Confessando que sentiu “bastante falta do apoio médico na área da pedopsiquiatria”, Ricardo realça, contudo, que ganhou a “confiança de que poderia ainda ser um elemento válido para a sociedade”. “Aprendi sobretudo a valorizar-me, a melhorar a minha auto-estima e a ter esperança numa vida melhor“, refere.

O advogado nota no Público que o jovem “continua a ser acompanhado” e que é “um aluno extraordinário”.

Para os pais, o processo “foi francamente traumatizante”, diz Pedro Proença, notando que “foi tudo extremamente doloroso” para o que se considerava ser “uma família estruturada”.

ZAP //

5 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde.
    O problema da sociedade mundial é que nunca se espera que algo assim aconteça, vindo de quem muito menos se esperava. O que ninguém sabe (leia-se “quer saber”) é que geralmente estas crianças/miúdos/adolescentes/jovens (masc./fem.) sofrem diaramente abusos atrozes, quer linguísticos, quer emocionais e claro, físicos. (Claro que tb. existe o reverso da medalha, como tudo na vida). Quem o faz, porém, por serem espertos ou por terem essa atitude imposta (no seio familiar ou no grupo de amizades), fa-lo pela “calada”, protegidos, sem terem testemunhas que os possam acusar…
    Digo isto porque conheço, infelizmente, muitos casos assim. Até que, tudo se começou a passar com o NOSSO FILHO. Tinha 5/6 anos e dizia-me: “Mãe, eles batem-me e chamam-me nomes porque eu defendi outros meninos; eu não quero brincar às lutas deles ou jogar à bola” e coisas assim…. Claro que não dava a outra face, como Jesus Cristo, mas não ia ser igual a eles e tentava defender-se o melhor que podia. Mas, um dia, fui chamada à escola primária. Não acreditava que o nosso filho tinha levado pela frente as cadeiras do refeitório, apertou o pescoço a um, sentou-se em cima de outro e foram precisas várias auxiliares p/o segurar. Porquê? Porque os tais espertos, lhe estavam a atirar com comida, a dizer “amiguinho dos pretos e dos barraqueiros” e a “tua mãe é isto e aquilo”. O nosso filho, educado, ordeiro, em bom português, passou-se. Aos outros meninos o que aconteceu? Naquela altura, nada. Mas depois, c/a ajuda de outros encarregados de educação, reuni provas e consegui provar a inocência do meu filho e a pouca atenção de quem deveria, de facto estar mais atento.
    O nosso filho está um jovem fantástico e continua a ser uma pessoa BOA, de índole BOA. Como é muito alto e magro, já lhe é mais fácil lidar com as ofensas, mas continua a proteger quem precisa, porque foi assim que o ensinámos! Continua a ser tolerante e generoso o que obviamente não faz dele um dos “populares” e ainda alvo de troças; mas não se importa, diz que é feliz assim e lá se vai defendendo à maneira dele…. Nós acreditamos que estamos a criar um ser humano incrível e que mais deveria haver como ele….
    Tudo isto para dizer que é fácil julgar, que nada desculpa tirar uma vida a outra pessoa e então crianças, entre elas? Mas tentem sempre ver o outro lado. O bullying está instalado na sociedade mundial e mais: se muitos adultos o praticam, publica e descaradamente, uns contra os outros, como não hão-de ser assim as suas crianças?! Se este miúdo pagou pelo que fez, se foi reconhecido que sofria e muito, porquê continuar a ostracizar???? Principalmente pessoas q/odeveriam proteger???? É mesmo muito triste….

    • O bullying sempre existiu, desde os princípios dos tempos os mais fortes se impõem sobre os mais fracos.
      O problema está que hoje, e cada vez mais, os pais e os professores querem criar seres humanos fantásticos, para isso crítica-se a autodefesa e oprimisse sentimentos porque parecem mal.

      Por exemplo, da forma como você escreve, dá ideia que o seu filho fez algo mal, da forma como eu vejo, ele defendeu-se, não atacou nem feriu inocentes. Talvez seja bom ensinar a defender-se e explicar quais os limites de defesa, para que ele não cause danos permanentes e muito importante, que não magoe inocentes, mas nunca reprimir essa defesa.

      Quem pratica bullying só o faz porque ninguém lhe faz frente.

      • Bom dia Sr. Paulo.
        Sim, fez algo de “mal” mas não para nós. Para nós, Pais, é tal e qual como o Paulo diz, defendeu-se! E é isso que lhe ensinamos, desde pequenino. Infelizmente, os limites da defesa, não são iguais para todos e, quando não há testemunhas dos dois lados, é mesmo muito complicado. Se forem 3 ou 4 contra 1, esses 4 a quererem ser “permanentes”, como pode aquele que está sozinho dosear a defesa?! E ninguém quer saber… na escola do meu filho, que pugna por ser boa, justa e responsável, já conhecem o meu filho e os seus Pais, como justos e educados. Se o meu filho agride alguém é mesmo uma defesa e é porque certamente já houve muito por trás! Faço parte da Assoc. Pais e dedico muito do tempo que não tenho a ajudar outros jovens nestas situações. É muito complicado um miúdo do 5º ano, ser abordado sozinho por 4 ou 5 de anos mais velhos (ou mesmo do dele!) e fazer-lhes frente! O trsite? É ninguém fazer nada!!!! E olhe que eu já me meti entre muitos miúdos e já levei tb., como no programa da SIC “E se fosse consigo?” – sangue de barata?! Nunca!!!! E é assim q/temos que educar os mais novos, os da nossa idade e os mais velhos!

  2. Pois a liberdade sem civismo e educação acaba por se transformar em libertinagem e a sociedade portuguesa está deveras infectada com tal mal, começa muitas vezes em casa, passa pelas escolas e pior do que isso pela política dando demasiado poder aos jovens retirando-o aos educadores, está tudo do avesso e fora de controlo!.

  3. Todas estas explicações académicas são super importantes e válidas e blá blá por aí fora!
    Mas a questão aqui, é o dito jovem, tão inteligente e parece que afinal tão bom aluno e boa família, achar muito doloroso e também muito injusto por a sociedade, digamos as pessoas, não estarem propriamente de braços abertos a quem entrou numa escola de facas em punho e aqui vai disto!!!!!!!!!!!!Estamos aqui bem? Como queria ele que olhassem ?

RESPONDER

Escritor chinês detido por cometer os homicídios que inspiraram as suas obras

Um escritor chinês premiado foi detido esta sexta-feira por envolvimento num quádruplo homicídio que aconteceu em 1995, na China. O homem usou os crimes como inspiração para as suas obras. O trabalho de Liu Yongbiao, de …

Primeiro caso de super bactéria com características genéticas raras registado em Portugal

O primeiro caso português de uma super bactéria com características genéticas raras foi registado numa mulher de 64 anos "sem história de viagens ou exposição a produtos de origem asiática". A mulher de 64 anos foi …

Em Ave Maria, todos os caminhos vão dar ao céu

Além de ser o fundador da rede de pizzarias Domino's, o milionário empreendedor Tom Monaghan idealizou Ave Maria, uma cidade no estado da Flórida, nos Estados Unidos, entregue de corpo e alma à fé católica, …

Índios brasileiros ganham processo com mais de 30 anos sobre posse de reserva ambiental

No diferendo judicial sobre uma disputa pela propriedade de terras contra o Estado de Mato Grosso, os juízes do Supremo Tribunal Federal do Brasil deram razão aos índios Xingu, que vivem em reserva ambiental no …

A SIDA já não é a doença que mais mata em África

O HIV/SIDA já não é a principal causa de morte nem África, mas isto não são apenas boas notícias. A doença passou apenas para segundo lugar, mantendo-se no topo das principais causas de morte no …

Rio Tejo está em risco de secar por completo

As alterações climáticas, as barragens e os desvios de água para a agricultura e para campos de golfe, em Espanha, deixam o rio Tejo "à beira do colapso" e da seca completa. O alerta é deixado …

ARS condenada a pagar 49 mil euros por compressa esquecida em barriga de grávida

A Administração Regional de Saúde do Norte foi condenada ao pagamento de uma indemnização de quase 49 mil euros, num caso de negligência médica, devido ao esquecimento de uma compressa no interior da barriga de …

Líder do grupo KKK ameaçou queimar jornalista afroamericana

Um líder do grupo KKK (Ku Klux Klan) ameaçou queimar uma jornalista afroamericana colombiana durante uma entrevista ao canal hispânico Univisión, em julho, no estado norte-americano da Carolina do Norte. A entrevista será transmitida no …

BE e PCP querem acabar com corte ao subsídio de desemprego já no próximo ano

No Orçamento de Estado do ano passado, a medida não passou. Em junho, no Parlamento, a medida voltou a não passar. Agora, volta à mesa de negociações. Segundo o Diário de Notícias, o fim da redução …

Em um ano, há mais 8365 novos funcionários públicos

O número de funcionários públicos aumentou 1,3% no segundo trimestre deste ano, face a igual período de 2016, para 668.043 postos de trabalho, de acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público. Em comparação com o …