/

Johnson & Johnson vai atrasar entrega das vacinas na Europa

Kamil Krzaczynski / AFP

Depois da recomendação dos EUA, a Johnson & Johnson informou que a distribuição da vacina contra a covid-19 vai ser atrasada na Europa.

Segundo o Público, o grupo referiu que as autoridades europeias estão a avaliar de perto os casos que motivaram a recomendação norte-americana.

“Estamos a analisar estes casos com as autoridades de saúde europeias. Proativamente, tomámos a decisão de atrasar a distribuição da nossa vacina na Europa”.

O grupo explica que a “segurança e bem-estar” das pessoas é a primeira prioridade, defendendo a abertura na comunicação destas informações entre profissionais de saúde e o público.

A decisão poderá ter um impacto imediato nos planos de vacinação traçados pelos vários países europeus. No caso de Portugal, o país iria receber mais de 30 mil vacinas esta semana, não sendo para já clara a dimensão deste atraso.

Ainda durante o segundo trimestre deste ano é prevista a chegada a Portugal de 1,25 milhões de doses, do total de 4,5 milhões de doses desta vacina que o país deverá ter disponíveis ao longo deste ano.

A Comissão Europeia acordou com a Janssen a compra de 200 milhões de doses em 2021, com uma opção de 200 milhões de doses adicionais.

A Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora do medicamento dos Estados Unidos, recomendou, esta terça-feira, a suspensão imediata do uso da vacina da Johnson & Johnson.

Em causa estão seis mulheres norte-americanas, com idades entre os 18 e os 48 anos, que receberam esta vacina de dose única e desenvolveram coágulos sanguíneos. Uma delas morreu e outra foi hospitalizada em estado grave no Nebraska.

Relação entre vacina e coágulos em investigação

A Agência Europeia do Medicamento sublinhou hoje que ainda está “a investigar” os casos de tromboembolismo detetados após a administração da vacina da Johnson & Johnson e alertou que, “para já, não se sabe se há relação causa-efeito”.

O comité de segurança da Agência Europeia do Medicamento (EMA) está a rever a segurança da vacina investigando estes casos e a necessidade de uma eventual medida de regulação só será decidida quando houver conclusões científicas, explicou uma porta-voz da agência.

A EMA recordou ainda que os casos que estão em investigação foram detetados nos Estados Unidos, onde esta vacina foi utilizada com uma autorização de uso de emergência.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE