João Almeida faz história ao ficar no pódio da Clássica Milão-Turim

Jessica Pasqualon / EPA

João Almeida foi terceiro classificado na 102.ª edição da Milão-Turim, tornando-se o primeiro ciclista português a ficar no pódio da corrida mais antiga do calendário.

João Almeida (Deceuninck) acabou a 35 segundos do esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), que cumpriu os 190 quilómetros entre Magenta e a Basílica de Superga em 4h17m41s, com o britânico Adam Yates (INEOS) a 12 segundos do vencedor do dia.

O ciclista esloveno, que no sábado já tinha batido Almeida pela vitória no Giro dell”Emilia, distanciou o britânico nos últimos 300 metros da subida até à meta, após uma movimentação nos últimos três quilómetros.

A dupla deixou para trás o luso e também o esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates), que foi batido pelo último lugar no pódio ao sprint e ficou em quarto lugar. Esta é a 12.ª vitória do ano para Roglic, de 31 anos, que junta o triunfo a outros de monta, do contra-relógio dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 à Volta a Espanha, em que conquistou também quatro etapas.

A caminho da Volta à Lombardia, último “monumento” da época, foi o “canibal” esloveno a mostrar-se, após a Deceuninck ter aproveitado um “abanico” para tentar selecionar o pelotão.

Mais tarde, o bicampeão mundial, o francês Julian Alaphilippe, tentou aproveitar o trabalho da equipa belga para seguir com o polaco Rafal Majka (UAE Emirates), mas seria João Almeida a levar a equipa ao pódio.

O português Nelson Oliveira (Movistar) abandonou a corrida, que teve a sua primeira edição em 1876, e na qual João Almeida foi o primeiro português a fazer pódio.

“Acabar em terceiro é um bom resultado e dá motivação para a Volta à Lombardia, em que estamos confiantes para acabar a temporada em alta”, declarou o português, de 23 anos, citado pelo jornal Record.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.