Joana d’Arc: heroína injustiçada mudou o rumo da Guerra dos 100 Anos

Wikimedia

Joana d’Arc

Quando entrou na adolescência, Joana d’Arc já estava com o futuro traçado, pois a sua família já tinha escolhido um rapaz para se casar com ela. Contudo, o seu destino acabou por ser outro: teve um papel fundamental na política francesa, mas ainda assim acabou morta numa fogueira.

Casar não era exatamente o que a jovem rebelde de 17 anos tinha em mente. Filha de uma família modesta de camponeses, as vozes divinas que dizia ouvir desde os 13 anos tinham-lhe dado uma missão mais importante: expulsar os ingleses de França e permitir a coroação do legítimo herdeiro do trono – Carlos VII.

A sua profecia cumpriu-se. Em maio de 1429, depois de se apresentar ao futuro rei e o convencer a deixá-la partir para Orleães, a jovem conseguiu em apenas quatro dias suspender o cerco à cidade.

As suas consecutivas vitórias mudaram o rumo da Guerra dos 100 Anos, entre França e Inglaterra, e abriam caminho para a reunificação do país, tornando possível a coroação de Carlos VII em Reims – um acontecimento que estabeleceu o seu poder como soberano de França.

As conquistas e vitórias de Joana d’Arc aconteceram em poucos meses. Contudo, pouco tempo depois, “a donzela”, como era conhecida, foi raptada pela facção francesa que se opunha a Carlos VII. A camponesa foi vendida aos ingleses, julgada pela Igreja, condenada por heresia e acabou queimada na fogueira.

Mas como como conseguiu Joana desempenhar um papel tão decisivo na história de França, numa época em que ser mulher, analfabeta e camponesa eram fortes condicionantes?

Força inspiradora

Depois de a jovem alegar que ouvia vozes divinas, “durante o primeiro mês, teólogos examinaram-na para tentar perceber se as alegações de que era uma enviada de Deus eram verdadeiras”, explica à BBC Helen Castor, autora da aclamada biografia Joana D’Arc – A Surpreendente História da Heroína Que Comandou o Exército Francês. Também verificaram, segundo vários documentos históricos, se Joana era realmente virgem.

De acordo com a historiadora, “no segundo mês, enquanto a sua armadura estava a ser preparada, Joana recebeu formação para aprender a montar a cavalo e a usar armas no campo de batalha”. Porém, a autora recorda que os seus métodos nunca passaram pela violência, pois “em vez de um machado ou uma espada, carregava um estandarte”.

No entanto, o que acabou por ser fundamental para reverter a situação durante foi “a fé, o propósito, e a profunda convicção de que se esta liderasse as tropas contra os ingleses em Orleães, Deus estaria ao seu lado e os franceses ganhariam a batalha”.

Na época, França estava envolvida numa sangrenta guerra civil de anos entre os Armagnacs e os Borguinhões (duas fações da família real), ao mesmo tempo que enfrentava Inglaterra, que tinha interesses no trono francês.

Dividida e empobrecida, depois de ter perdido território e com um exército insuficiente e desmoralizado, França precisava de um “milagre” para sair da situação em que se encontrava. E era exatamente isso que a jovem de Domrémy oferecia.

“Joana andou de terra em terra e reuniu pequenos grupos a quem inspirou em tempos em que a França era uma verdadeira desordem”, afirma Linda Seidel, professora de História da Arte da Universidade de Chicago, nos EUA. A historiadora americana recorda que Joana “tinha bom senso e as pessoas acreditavam nela“.

As vozes divinas

Joana afirmou desde o início que suas ações eram ditadas pelas vozes que de São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarida, que sempre ouviu ao longo da sua vida. Hoje em dia, esses detalhes criam algum ceticismo na história e vários autores sugerem que Joana sofria de esquizofrenia, epilepsia ou tuberculose bovina.

Mais de 500 anos após os acontecimentos, é quase impossível determinar se a jovem francesa realmente tinha algum problema mental. A BBC relembra que há registos que mostram que Joana era “forte física e psicologicamente e não parecia estar mal de saúde”.

Por outro lado, esse parecer acaba por não ser relevante, uma vez que, na época, era normal que muitas pessoas dissessem ter visões ou afirmassem receber mensagens de Deus.

“Houve grandes líderes espirituais mulheres, como Santa Teresa de Ávila na Itália, Santa Hildegarda de Bingen e várias mulheres místicas que ouviram vozes que as levaram ao triunfo e a ganhar a admiração do povo”, diz Seidel.

Seidel realça que o mais interessante é que um dos santos que inspiram Joana é Miguel, “um santo militar, que lidera o exército à vitória no fim dos tempos”.

Quando Joana foi levada a julgamento pela Igreja, o processo concentrou-se na origem das suas visões. Segundo os historiadores, não se tratava de entender se Joana tinha ouvido vozes ou não, mas sim de elucidar a sua procedência.

Queimada na fogueira

Apesar de ser respeitada e seguida pelo rei e pelos discípulos, Joana viu a sua sorte mudar drasticamente. Em maio de 1430 foi raptada por soldados franceses aliados de Inglaterra, vendida aos ingleses e condenada, sendo depois queimada na fogueira. “Todo o seu corpo se transformou em cinzas, não sobrou nada”, explica Seidel.

A execução de Joana d’Arc

A especialista frisa que “os ingleses não queriam que restasse nenhum sinal dela, nenhuma relíquia que pudesse ser recuperada e que pudesse inspirar um movimento religioso em seu nome”. Na altura, o Rei Carlos VII não conseguiu interceder de modo a proteger Joana. “O silêncio foi sua resposta”.

O rei limitou-se a escrever uma carta a comunicar que Joana tinha-se tornado muito arrogante, orgulhosa e havia deixado de ouvir o rei, por isso acabou por ser raptada e não contava mais com o apoio de Deus.

Depois da sua morte, demorou quase um quarto de século para que a atenção se centrasse novamente na sua história. Após vários anos, o julgamento foi revisto e anulado, e a heroína foi declarada inocente da acusação de heresia.

Vinte e cinco anos após a sua morte, França havia saído vitoriosa, o reino estava reunificado sob o comando de Carlos VII, as cortes floresciam e a arte e a poesia tinham recuperado os seus sinais vitais.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “Houve grandes líderes espirituais mulheres, como Santa Teresa de Ávila na Itália (…)”
    Esta citação contém um erro: Santa Teresa de Ávila era espanhola, porque nasceu e viveu na cidade castelhana de Ávila, situada entre Salamanca e Madrid. Ainda hoje é possível visitar em Ávila o convento onde essa santa viveu grande parte da sua vida.

  2. “(…) um dos santos que inspiraM Joana é Miguel (…)“

    e não

    “(…) um dos santos que inspira Joana é Miguel (…)”

    A concordância faz-se com “os santos”, logo, “inspiram”!
    Atenção à língua portuguesa!
    Gosto muito do ZAP, mas já é a “n-ésima” vez que vos alerto para este erro!

RESPONDER

Um século de luta comunista comemorado com 100 ações pelo país

O mais antigo partido político comemora, esta sábado, 100 anos de existência. PCP vai festejar o aniversário com 100 ações pelo país. O PCP assinala, este sábado, os seus 100 anos com 100 ações, em mais …

Relações esfriadas. Moedas consultou Marcelo, mas dispensou conselhos de Passos

Antes de anunciar a sua candidatura a Lisboa, Carlos Moedas consultou Marcelo Rebelo de Sousa e falou com Paulo Portas. Com Pedro Passos Coelho só falou um dia depois de o seu nome ter sido …

Portugal não pode perder o comboio da Europa. Para Marcelo, é hora de aproveitar o novo ciclo

A crise que assolou o nosso país tem de ser aproveitada para "olhar para os problemas estruturais". A mensagem foi deixada pelo Presidente da República, nesta sexta-feira, na conferência de abertura do Festival P, com …

Santana não desiste e admite candidatar-se à Figueira (mesmo à revelia do PSD local)

Pedro Santana Lopes não fecha totalmente a porta e admite vir a candidatar-se à Figueira da Foz como independente. Mesmo que a concelhia do PSD já tenha tomado uma decisão e avance com Pedro Machado, Pedro …

Um Papa na "Terra de Abraão" pela primeira vez na História. Francisco em viagem inédita ao Iraque

Depois de 15 meses em Itália, o Papa Francisco regressou às viagens pastorais com uma visita de quatro dias ao Iraque, uma viagem inédita de um líder da Igreja Católica ao Iraque.  O Papa Francisco desafiou …

Jesus não "perdoa" Vlachodimos pelo erro no dérbi. Vieira já definiu preço para o guardião

O jornal O Jogo escreve este sábado que o treinador do Benfica, Jorge Jesus, ainda não esqueceu o erro do guardião Odysseas Vlachodimos frente ao Sporting, numa partida para o campeonato que acabou com a …

Abandonar Aeroporto do Montijo e apostar em Alcochete custará ao Estado tanto como "15 hospitais"

O Aeroporto do Montijo está, de novo, em águas de bacalhau, mas se o Governo tiver mesmo de abandonar o projecto, o Estado terá de desembolsar uma indemnização de 10 mil milhões de euros. Além …

Equipas móveis vão percorrer o país para testarem alunos, professores e funcionários de escolas públicas

Equipas móveis - compostas por enfermeiros, técnicos e administrativos - vão percorrer o país para testarem todas as escolas públicas do continente. Numa primeira fase, o universo de testados rondará as 500 mil pessoas. O Público …

Disse para mim mesma: "Auriol, o primeiro é o teu lugar" - e foi

A portuguesa Auriol Dongmo conquistou, esta sexta-feira, a medalha de ouro do lançamento do peso nos Campeonatos da Europa de atletismo de pista coberta, que se estão a disputar em Torun, Polónia. Auriol Dongmo conquistou a …

Eduardo Quaresma não tem o que é preciso para singrar, diz olheiro de topo

Um olheiro internacional de topo considera que Eduardo Quaresma não tem aquilo que é preciso para singrar ao mais alto nível. Em declarações ao ZAP, o scout argumenta que lhe faltam qualidades físicas. Eduardo Quaresma é …