Jejum de dopamina é a nova moda de Silicon Valley para aumentar a produtividade

Quando James Sinka faz jejum de dopamina, desconecta-se de qualquer estímulo externo; pára de comer ou de beber (ingere apenas água) e ignora o seu telemóvel ou computador.

Além de evitar tecnologia e parar de comer ou de beber líquidos que não água, James Sinka também evita interagir com outras pessoas, chegando até a evitar qualquer tipo de contacto visual.

Com 24 anos, Sinka faz parte de um grupo que tem crescido no pólo tecnológico norte-americano – o dos adeptos do jejum de dopamina. Esta é a mais recente moda de Silicon Valley, uma região que adota constantemente novas estratégias para aumentar a produtividade e o bem-estar.

A dopamina, conhecida como a hormona do prazer, é um neurotransmissor cuja atividade está ligada à motivação que temos para fazer as coisas. Segundo Joshua Berke, professor de Neurologia e Psicologia na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, “a libertação de dopamina pode ser acionada por uma série de estímulos externos, especialmente eventos inesperados”.

Segundo a BBC, os adeptos do jejum de dopamina acreditam que os habitantes das grandes cidades são superestimulados por pequenas mas constantes doses de dopamina no cérebro. Para estes adeptos, evitar de forma deliberada os estímulos reduz os níveis de dopamina no cérebro.

Desta forma, defendem que, depois de um período de privação, são capazes de aproveitar melhor as atividades e que se sentem melhor ao fazê-lo. O jejum de dopamina “permite-me refletir e analisar a situação a partir de uma perspetiva mais ampla”, considera James Sinka.

O psicólogo norte-americano Cameron Sepah explica que o jejum de dopamina é baseado numa técnica de terapia comportamental conhecida como “controlo de estímulo”, usada para tentar ajudar dependentes químicos, removendo comportamentos que sejam o gatilho para o uso de drogas.

Sepah defende que a prática deste tipo de jejum já revelou melhorias no humor, na produtividade e na concentração. No entanto, nem todos estão convencidos com as vantagens desta prática.

Berke salienta que o jejum de dopamina é uma prática e não um estudo controlado, sublinhando que não existe qualquer evidência científica que comprove que evitar comida e tecnologia possa diminuir os níveis de dopamina no cérebro.

“O argumento de que descansar o cérebro do uso obsessivo das redes sociais ou de festas é algo positivo soa plausível. Mas é pouco provável que isso tenha alguma relação com a dopamina”, aponta o professor.

“Por definição, dar uma pausa em atividades stressantes é algo relaxante, mas isso não é o mesmo que recusar uma conversa com um amigo”, remata.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Experimentem também deixar de respirar durante um dia ou dois. Vão ver que se voltarem a respirar (o que será pouco provável) saberá muito melhor!
    O mesmo é válido para defecar durante um mês 😉

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …