ONU acusa Israel de “matança intencional” no dia mais negro na Faixa de Gaza

Haitham Imad / EPA

Funeral de bebé de oito meses que morreu na Faixa de Gaza, nos protestos no âmbito da mudança da Embaixada dos EUA para Jerusalém

A intervenção israelita junto à fronteira com a Faixa de Gaza, que fez cerca de 60 mortos, foi o dia mais negro na zona desde 2014. A ONU acusa o Estado israelita de “uso excessivo de força” e de “matança intencional”.

A violência voltou à fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza no dia em que os EUA mudaram a sua Embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, a cidade que é disputada por israelitas e palestinianos. 60 pessoas morreram naquele que foi o dia mais negro em Gaza, desde a operação militar israelita “Margen Protector“, de 2014, em que morreram mais de dois mil palestinianos em 50 dias.

A ONU acusa Israel de “matar de forma indiscriminada”, segundo declarações do porta-voz do Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Rupert Colville, citadas pelo El Mundo.

“Parece que qualquer um pode ser assassinado ou ferido; mulheres, crianças, jornalistas, pessoal de primeiros socorros, desde que se aproximem a mais de 700 metros da cerca. Dispararam contra um duplo amputado; que ameaça é um amputado?”, acrescenta.

O enviado especial da ONU ao território palestiniano, Michael Lynk, alerta, por seu turno, que “este flagrante uso excessivo de força por Israel tem que acabar, e tem que haver verdadeira responsabilidade para os que, no comando militar e político, ordenaram ou permitiram que esta força fosse usada, mais uma vez, na Faixa de Gaza”, de acordo com declarações divulgadas numa nota da ONU.

Lynk acusa Israel de ter levado a cabo uma “matança intencional”, numa “grave violação da Convenção de Genebra” que constitui “um crime de guerra”.

“A força letal contra manifestantes é proibida, a não ser que seja estritamente inevitável no caso de uma ameaça iminente para a vida ou de sérias lesões”, reforça o elemento da ONU, acusando Israel de ter um total desrespeito pelos direitos e liberdades de expressão e de manifestação dos palestinianos.

“Não parece haver nenhuma evidência persuasiva de que o uso de papagaios inflamáveis, o arremesso de pedras ou de cocktails Molotov, ou outras acções alegadamente tomadas por um pequeno número de manifestantes, representassem uma ameaça mortal que justificasse a força que foi usada pelos militares israelitas”, acrescenta.

Bebé de 8 meses entre os 60 mortos

O total de palestinianos mortos a tiro pelo exército israelita, nos protestos ligados à transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém, situa-se, nesta altura, nos 60, segundo dados do Ministério da Saúde palestiniano.

Destes 60 mortos, oito são menores e há entre eles um bebé de oito meses que morreu devido à “asfixia produzida pelos gases lacrimogéneos lançados pelo Exército israelita”, refere o El Mundo.

Foram ainda registados 2.771 feridos, metade deles atingidos por balas ou metralha, entre os quais estão também 225 menores.

Os números são confirmados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que destaca que os feridos nos confrontos já “ultrapassaram, de longe”, a capacidade de atendimento dos centros de saúde locais.

Os hospitais estão sobrelotados e debatem-se com a falta de medicamentos e de equipamentos, situação agravada pelos sucessivos cortes na energia eléctrica.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Israel é um estado genocida. Os Judeus sempre foram racistas e genocidas mas têm a particularidade de se armar em vítimas quando a coisa lhe toca a eles. São tão “especiais” que ser racista contra Judeus até merece um termo especial de corrida: Anti-semitismo. Não pode ser “racismo”, tem de ser um termo especial porque a raça deles também se acha “especial”.

    São sempre vítimas mas são sempre “especiais” e “escolhidos”. Isto vem desde a história do Êxodo. Coitadinhos eram escravos do Egipto… Como senão tivesse havido outros escravos na História. Depois Deus deu-lhes uma Terra Prometida (só para eles que são os escolhidos) e até lhes abriu o Mar de propósito, para depois o fechar em cima dos Egípcios… Crucificaram Cristo como crucificam todos os que se lhes surgem no caminho e questionam a sua superioridade. O que os Nazis fizeram, é um crime hediondo e inadmissível. Não tem desculpa nem perdão… Mas ao longo da história os Judeus não têm sido muito melhores.

    Ninguém pode ter armas nucleares, nem o Irão, nem a Coreia… Mas eles podem e têm-nas à vontade. Mas ninguém vê mal nenhum nisso. Anda-se a acusar o Assad de ter usado armas químicas, ainda que não haja provas disso… Mas os EUA, UK e França atacaram a Síria com base nisso. No entanto Israel atacou a Palestina em com armas químicas (fósforo branco) tendo inclusive morrido montes de crianças queimadas vivas… Mas alguém da comunidade internacional diz alguma coisa? Os Israelitas fazem manifestações nas ruas de Israel, a apelar descaradamente ao genocídio dos Palestinianos… Alguém os compara aos Nazis?? Não, está tudo bem… “Business as usual”.

      • Mas tu ao menos leste o que o Miguel Queiroz escreveu? Leste mesmo?

        A questão é que ele escreveu a verdade, e não vejo ali suástica alguma; vejo é gente ignorante a criticá-lo, isso sim!!!

      • Não caro amigo… Não tenho suástica nem gosto das extremas direitas, nacionalismos, populismos, etc… Acho vergonhoso e imperdoável o que os Nazis fizeram aos Judeus no Holocausto.

        Mas eu sofro deste defeito gravíssimo que é não conseguir alinhar em “facções”, não acreditar que o mundo está dividido em maus contra bons, não embarcar em dicomias baratas e não ver o mundo como uma espécie de sporting vs benfica. Como tal, ser contra a forma como Israel e o povo Judeu tantas vezes se comportam, não significa apoiar que se matem Judeus… E ser contra o Nazismo, não significa apoiar os erros dos Judeus.

        Só quem anda neste mundo às apalpadelas é que vai nesse tipo de mentalidade de Testemunha de Jeová, que os se está com eles os se está contra eles.

        • Concordo, mas convém realçar que também há judeus moderados (que são contra a ocupação, etc, etc) e que são tratados abaixo de cão pelos judeus ortodoxos (radicais), que se acham que “donos de tudo” (porque são o povo escolhido e lhes foi tudo prometido por deus)!…
          Nos últimos anos, infelizmente, os judeus mais radicais tem ganho cada vez mais poder em Israel (agora ainda mais com o apoio do Trampa) e o resultado é que se vê!…

    • Os responsáveis de tudo o que há no médio oriente sempre foram os Cumanos. Não perceber isto é não conhecer e não conseguir interpretar corretamente a história.

    • Caro Miguel Queiroz, apesar do toque de ironia com que aligeira o seu comentário, não deixa de apontar para certas verdades que em nada abonam o comportamento de Israel, dessa gente cuja história contemporânea tem sido nitidamente de conquista pela imposição da força, com o apoio das potências ocidentais que para lá a recambiaram para lhes servir de interposto…

  2. Alguém terá de colocar uma mão pesada sobre israel, esse estado terrorista que mata crianças de tenra idade. Que mal te fez tal criança, oh judeu? Acaso crês que Jerusalém te pertence como coutada de morte e genocídio contra o povo palestiniano?- Quem com ferros mata…

    • Israel tem direito a existir e direito a se defender. Não sabes que os palestinianos passam a vida a lançar rockets contra Israel? O que eu condeno é o estado islâmico que passa a vida a matar inocentes. Isso sim. Os palestinianos também matam israelitas mas nisso não falas tu.

Ordem dos Médicos alerta para “grave sobrecarga” nas urgências pela Linha SNS 24

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) alertou que a atuação da Linha SNS 24, no âmbito da covid-19, causa uma “grave sobrecarga” nas urgências, pelo que defende alterações na referenciação dos …

"Votei num tipo chamado Trump". Presidente dos EUA votou antecipadamente na Florida

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, votou este sábado antecipadamente em West Palm Beach, na Florida, para as eleições presidenciais, juntando-se aos quase 55 milhões de americanos que também já o fizeram. Donald Trump …

Chegou o camião autónomo que não precisa de motorista para se deslocar

No ano passado foi lançado o T-pod, um protótipo de um camião elétrico autónomo e sem cabine. Agora, o seu fabricante, a empresa sueca Einride, revelou a última geração do veículo, que vai passar a …

"O medo não é a vacina". Centenas de pessoas contestam medidas do Governo em Lisboa

Centenas de pessoas contestaram este sábado as medidas impostas pelo Governo para mitigar os efeitos da pandemia de covid-19, com gritos pela “liberdade” e pela “verdade”, numa manifestação realizada na praça do Rossio, em Lisboa. A …

Os humanos estão a pôr em causa a alimentação dos animais predadores

Os animais predadores que vivem perto de humanos estão a obter metade dos alimentos supostos e isso pode ser muito prejudicial, referem investigadores americanos. De acordo com um novo estudo publicado no jornal Proceedings of the …

Plataformas de streaming passam a ter de pagar 1% do seu lucro ao Estado

As plataformas de streaming passam a pagar uma taxa, após a proposta de lei ser aprovada esta sexta-feira, na Assembleia da República. Serviços como a Netflix, a HBO Portugal ou a Disney +, passam a …

Porto 1-0 Gil Vicente | Dupla Shoya-Evanilson embala “dragão”

Difícil, mas justo. O FC Porto recebeu o Gil Vicente numa noite chuvosa no Dragão, dominou claramente até aos 75 minutos – altura em que Zaidu foi expulso – e venceu por 1-0. Um resultado …

O novo recurso da Google encontra qualquer música. Basta cantarolar, assobiar ou cantar

Na semana passada, a gigante tecnológica da Google lançou uma versão atualizada da aplicação que ajuda a encontrar qualquer música que esteja presa na sua cabeça - mas que não saiba o nome. Com a nova …

Pintura de Jacob Lawrence desaparecida há 60 anos foi encontrada em Nova Iorque

Uma visitante do Met, nos Estados Unidos, descobriu o paredeiro do quadro desaparecido de Jacob Lawrence. A mulher associou o quadro a um pendurado na sala de estar dos seus vizinhos, suspeitando que poderia fazer …

Fezes ancestrais ajudam a descobrir como o microbioma afeta a nossa saúde

Um novo estudo, realizado em Israel e na Letónia, analisou fezes ancestrais e comparou-as com o nosso microbioma para tentar descobrir pistas sobre as doenças modernas. A equipa de investigadores, que trabalhou enterrada até aos joelhos …