/

Sucesso da vacinação em Israel levanta debate sobre desigualdades com palestinianos

1

Israel tornou-se rapidamente o líder mundial em vacinação contra a covid-19, mas a maioria dos palestinianos residentes na Cisjordânia ocupada aguardam a primeira dose da vacina. Esta disparidade que está a levantar uma onda de críticas.

Os defensores dos direitos humanos alegam que Israel é obrigado, segundo a lei internacional, a fornecer aos palestinianos acesso às vacinas em paridade com o que disponibiliza aos seus próprios cidadãos. Alguns argumentam que Israel tem um imperativo moral de o fazer como um ocupante militar com meios para ajudar.

Realçam ainda a Quarta Convenção de Genebra, segundo a qual os Estados ocupantes têm o dever de garantir a saúde pública das pessoas que vivem sob ocupação “em toda a extensão” possível, especialmente no que diz respeito ao combate a pandemias e doenças.

Por sua vez, os defensores das políticas de Israel recordam que os palestinianos assumiram a responsabilidade pelos serviços de saúde da sua população quando assinaram os Acordos de Oslo em 1993.

As autoridades israelitas sublinham que “embora Israel tenha interesse em garantir a vacinação aos palestinianos, não tem responsabilidade legal de fazê-lo”.

Desta forma, na passada terça-feira, a Autoridade Palestiniana começou a campanha de vacinação na Cisjordânia ocupada depois de ter recebido cerca de duas mil doses de vacinas de Israel.

Contudo, a campanha de vacinação palestiniana está muito aquém de Israel, que com uma população de 9,2 milhões já inoculou mais de 3,3 milhões de pessoas com a primeira dose. Para já, só um pequeno número de médicos e enfermeiros palestinianos receberam as vacinas.

“Louvado seja Deus, sinto-me ótima” afirmou, ao New York Times, a enfermeira Ayman Abu Daoud, de 49 anos que trabalha num hospital em Belém. “As vacinas dão-nos esperança para superar a pandemia, mas ainda temos um longo caminho a percorrer”.

Segundo o NYT, ainda não está claro quando é que os cerca de dois milhões de palestinianos na Faixa de Gaza começarão a receber as vacinas.

No entanto, a Autoridade Palestiniana já revelou que parte das 50 mil vacinas que vai receber se destina aos palestinianos na Faixa de Gaza. Mai al-Kaila, ministro da Saúde da Autoridade Palestiniana revelou que as vacinas serão transferidas para Gaza na próxima quarta-feira.

Porém, Israel já afirmou que a Palestina ainda não apresentou um pedido formal para enviar vacinas para o enclave. Segundo as autoridades israelitas qualquer pedido exigiria a aprovação do Governo de Benjamim Netanyahu.

A Palestina recebeu, na quinta-feira, 10 mil doses da vacina russa Sputnik V. Vai receber ainda 37.440 doses da Pfizer durante o mês de fevereiro e centenas de milhares da AstraZeneca no final de fevereiro ou início de março no âmbito da iniciática Covax, revelou Gerald Rockenschaub, o chefe da missão da Organização Mundial de Saúde.

  Ana Moura, ZAP //

 

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.