Israel declara guerra ao Irão (ou mais um caso de má tradução)

Abir Sultan / EPA

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel

Por vezes, as traduções podem ser traiçoeiras. Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, foi apanhado no meio delas, tendo acidentalmente declarado guerra ao Irão.

O tweet fazia parte de uma tradução dos comentários feitos por Netanyahu após uma reunião com o ministro das Relações Exteriores de Omã. Ambos estavam em Varsóvia, na Polónia, para uma cimeira do Médio Oriente, organizada pelos Estados Unidos e Polónia, o país anfitrião.

De acordo com o tweet, o primeiro-ministro israelita teria dito que a cimeira – “que não era segredo” – “era uma reunião aberta com os representantes dos países líderes da Arábia, que se sentaram à mesa com Israel para avançar com o interesse comum de guerra com o Irão”.

Porém, segundo Michael Koplow, analista do Médio Oriente, “guerra com o Irão” é um erro de tradução de uma frase que poderia significar “combater o Irão”. O tweet foi excluído e substituído por um comunicado usando essa mesma expressão, mas a versão “guerra” chegou a algumas manchetes, tendo já sido atualizadas.

Quer tenha sido uma simples trapalhada ou uma gafe, a confusão sobre as intenções da observação é característica de toda esta conferência. Quando foi anunciado pela primeira vez no mês passado, a cimeira ia ter foco na “influência desestabilizadora” do Irão, como disse o secretário de Estado Mike Pompeo. O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, descartou-o como um “circo desesperado anti-Irão”.

Mais tarde, o foco foi ampliado para o Médio Oriente em geral, incluindo questões como o conflito israelo-palestino, a luta contra o Estado Islâmico e os conflitos na Síria e no Iémen. Algumas autoridades negaram que o Irão seja o foco, provavelmente numa tentativa de atrair a participação de mais países, muitos dos quais são críticos das políticas do Irão no governo Trump.

Estiveram cerca de 60 países estão presentes, mas houve ausências notáveis – a maioria dos signatários do acordo nuclear de 2015 do qual Trump retirou dos EUA. Rússia e China não estavam lá, nem França, Alemanha ou o alto representante da UE para assuntos externos. O secretário de Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, participou, mas diz que prefere falar sobre o Iémen.

Esses chamados países E3 anunciaram planos no mês passado para estabelecer um sistema de pagamento para continuar a conduzir o comércio com o Irão, desafiando as novas sanções dos EUA.

A Autoridade Palestina também boicotou a reunião, já que tem mais contacto com as autoridades dos EUA desde a decisão de Trump de transferir a embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém.

A conferência apresenta uma oportunidade para alguns dos países envolvidos. Para o anfitrião, a Polónia, que normalmente não é conhecida pelo seu interesse na política do Médio Oriente, o evento pode ter mais a ver com preocupações sobre a Rússia do que com o Irão.

O governo da Polónia tem tentado convencer Trump a manter as tropas dos EUA na Polónia. O presidente Andrzej Duda chegou ao ponto de dizer, numa reunião em setembro, que uma nova base para as tropas americanas poderia ser chamada de Fort Trump.

Para Netanyahu, como sugeriu, o encontro é uma rara oportunidade de ter reuniões públicas com líderes árabes. Após anos de isolamento regional, Israel está a construir discretamente contactos e a aumentar a cooperação com governos contra o Irão. Os contactos ainda são delicados, contudo, uma vez que a maioria desses países ainda não tem relações diplomáticas formais com Israel.

ZAP // Slate

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Irónico como nos enfiaram mil e uma histórias na cabeça acerca dos Nazis… e agora todos acham bem o que Israel faz, quando está ao mesmo nível, senão pior que a Alemanha Nazi. Hipócritas.

    • “…e agora todos acham bem o que Israel faz…”
      Todos quem?
      Não falta quem critique e até há muitos judeus moderados que são contra estas politicas radicais de Israel!

RESPONDER

Afinal, Vénus pode não ser tão semelhante à Terra como pensávamos

Uma nova investigação questiona a habitabilidade de Vénus, planeta que os cientistas consideram há pouco tempo numa outra investigação poder ter um clima habitável semelhante ao da Terra. De acordo com a nova investigação, cujos …

Há gelo no polo sul da Lua e pode ter muitas fontes

Um novo estudo sugere que o gelo encontrado na superfície lunar pode ter milhares de milhões de anos, além de ter surgido de diferentes fontes. O estudo, publicado recentemente na Icarus, sugere que a maioria do …

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …