Ministra e DGS garantem que isolar não é abandonar crianças ou idosos

António Cotrim / Lusa

A ministra da Saúde e a diretora-geral da Saúde recusaram hoje estar em causa o “abandono” no isolamento de 14 dias imposto para prevenir contágio por covid-19 quando alguém é institucionalizado, nomeadamente crianças retiradas aos pais.

“Isolamento não é abandono. O que se preconiza é um período de afastamento físico, não ausência de cuidados”, frisou a ministra Marta Temido na conferência de imprensa sobre a situação epidemiológica em Portugal, referindo que tal é válido tanto para crianças como para idosos ou até para casos positivos e infeção.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu que a norma que impõe o isolamento de crianças que entram em instituições pode ser alterada se a Organização Mundial de Saúde indicar outro período temporal para o isolamento, frisando que “a revisão [da orientação] pode passar por transformar o isolamento” para deixar a pessoa “mais confortável”.

A responsável da Direção-Geral de Saúde (DGS) respondia a perguntas sobre a indicação, dada à Lusa pelo Instituto de Segurança Social, de que a orientação relativa ao acolhimento de crianças e jovens em perigo está “em processo de nova atualização, estando a ser revista na sua generalidade” e “prevendo-se a sua publicação para breve”.

O jornal Público escreve hoje que “Segurança Social está a rever norma que força isolamento de crianças” e que “a Comissão de Proteção das Crianças e Jovens sugere que se alterem estas regras quanto antes”.

Graça Freitas diz que “as normas estão sempre em revisão”, com base na evolução científica e as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Se se concluir que o período de incubação da doença é inferior a 14 dias, estamos dispostos a rever. Mas, até agora, não há orientações da OMS noutro sentido”, alertou.

A responsável referiu ainda que “as normas não são documentos fechados”, podendo ser alteradas “quando se sabe algo diferente sobre a doença” provocada pelo novo coronavírus.

“A revisão também pode passar por melhorar as condições de isolamento, criando uma atmosfera o mais protetora possível”, observou, admitindo que esta hipótese será mais simples e fácil de aplicar do que aguardar por uma eventual nova orientação da OMS que “pode nem chegar”.

As questões colocadas pelos jornalistas diziam respeito a crianças institucionalizadas, mas Graça Freitas notou que os idosos [sujeitos a isolamento quando entram num lar, ou quando regressam após eventual período de internamento hospitalar] também são motivo de preocupação.

“A OMS nunca deixou de dizer que o período de incubação é de 14 dias. Isto traz, para as crianças e jovens, mas também para os idosos, algum tipo de problemas. Mas isolar não é abandonar”, frisou.

Acresce que as instituições são “uma bolha” sem covid-19 e o isolamento é uma forma de “proteger todos”.

A ministra da Saúde acrescentou que “o que se preconiza é um período de afastamento físico”, não que as pessoas “sejam postergadas para um local onde não são vistas nem tratadas”.

“Bem sei que o carinho tem muito a ver com a expressão física dos afetos, mas é quanto a isso que se impõe um conjunto de medidas. Não quero é que se confunda isolamento com abandono ou não prestação de cuidados”, frisou Marta Temido.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas medem temperatura a 4 mil borboletas (e revelam a influência do clima no seu habitat)

Um grupo de cientistas do Reino Unido recolheu 4 mil borboletas selvagens para medir a sua temperaturas, alertando que algumas das espécies mais reconhecidas do país estão em ameaça de colapso, e em risco de …

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …