Interstício: o corpo humano acaba de ganhar um novo órgão

Jill Gregory (Mount Sinai Health System)

Ilustração de Jill Gregory do novo órgão, o interstício

Uma equipa de cientistas norte-americanos revela que temos um órgão que nunca tinha sido considerado como tal. Estamos a falar do interstício, formado por um espaço com fluido em circulação.

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos descobriram o que dizem ser um novo órgão do corpo humano. Trata-se de uma estrutura anatómica, formada por um espaço com fluido e está nos tecidos conjuntivos por baixo da superfície da pele, reveste o tubo digestivo, os pulmões e o sistema urinário e rodeia as artérias, as veias ou a membrana entre os músculos. Chama-se do interstício.

Os cientistas descrevem este órgão pela primeira vez num artigo científico, publicado publicado esta terça-feira na revista Scientific Reports, considerado um dos maiores do corpo humano.

Esta descoberta deu-se graças a um novo endoscópio. Em 2015, os médicos e autores do trabalho Petros Benias e David Carr-Locke mostraram ao patologista e coordenador do trabalho Neil Theise fotografias das paredes dos canais biliares obtidas por este instrumento.

Ao Público, Neil Theise, da Escola de Medicina Icahn do Hospital do Monte Sinai, conta que “este endoscópio tem uma nova função: depois de injectar um pouco de corante fluorescente na veia da pessoa durante a endoscopia, pode-se examinar o tecido vivo a um nível microscópico semelhante ao que se tem nas biopsias”.

Quando se observaram “espaços” nos canais biliares, os cientistas aperceberam-se de que estes não correspondiam ao que se conhecia até então. Assim, a equipa analisou canais biliares retirados de doentes com cancro durante as operações, a fim de saber o que seriam esses “espaços”.

“Vimos algo inesperado. Uma camada intermédia do canal biliar, que se pensava que fosse um tecido conjuntivo densamente compactado e com uma parede de colagénio densa, era na verdade um espaço aberto, preenchido por fluido e sustentado por uma rede de fibras de colagénio”, explica o especialista.

Jill Gregory (Mount Sinai Health System)

Depois desta descoberta nos canais biliares, os cientistas analisaram outras camadas de tecidos conjuntivos, como as dos revestimentos dos órgãos viscerais, da derme, a fáscia ou o tecido à volta dos vasos sanguíneos e encontraram o interstício em todos eles.

É neste espaço que se encontra o fluido extracelular. Os cientistas estimam que “aproximadamente 20% do volume do fluido do corpo, que inclui cerca de dez litros, está dentro do interstício”.

Segundo o patologista, citado pelo jornal, o fluido intersticial foi criado para ser a ‘pré-linfa’, que chega ao fluido no sistema linfático. Este espaço é, assim, a continuação do sistema linfático e dos gânglios linfáticos. “O espaço intersticial é a fonte primária da linfa e é o maior compartimento de fluido no corpo”, diz, destacando que ainda se sabe muito pouco sobre este órgão.

Esta descoberta pode levar a avanços na medicina, nomeadamente no estudo das metástases de cancro, bem como do edema, da fibrose e dos mecanismos de funcionamento de tecidos e órgãos.

Contudo, para ter estatuto de novo órgão é necessário consenso científico. Assim, esta investigação tem ainda de ser confirmada por outros cientistas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …