Índia ultrapassa 20 milhões de casos, mas resiste à pressão para confinar

Jewel Samad / AFP

Familiares abraçados observam piras funerárias de mortos por covid-19 na Índia

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, pediu aos Estados que considerem o confinamento como “última opção”, enquanto o número de mortes por covid-19 aumenta e os seus aliados políticos apontam o confinamento como solução para conter o surto.

Depois de, no ano passado, Modi ter decretado um confinamento nacional sem aviso prévio, que espoletou uma crise humanitária com os trabalhadores migrantes a fugirem a pé para as áreas rurais, agora o primeiro-ministro indiano resiste à pressão dos seus aliados políticos e principais líderes empresariais para um novo confinamento, face ao aumento de mortes por covid-19 no país.

A Índia ultrapassou hoje os 20 milhões de casos de covid-19 desde o início da pandemia, de acordo com dados oficiais.

Nas últimas 24 horas, as autoridades indianas registaram 3.449 mortos e 357.229 casos, anunciou o Ministério da Saúde indiano.

Apesar da resistência de Modi, até mesmo Estados governados pelo seu partido, o Bharatiya Janata, estão a ignorar os seus conselhos.

“Um dos problemas é essa falsa narrativa de que ou é um confinamento total, o que equivale a um desastre económico, ou nenhum confinamento, que é um desastre de saúde pública”, disse à Bloomberg Catherine Blish, especialista em doenças infecciosas e saúde pública.

“O que está a acontecer agora é um desastre económico e de saúde. Se há grandes faixas de população a adoecer, isso não é bom nem para a população, nem para a economia”, acrescentou Blish.

Na semana passada, os canais de televisão e as redes sociais na Índia foram inundados com imagens de crematórios superlotados e hospitais desesperados com a falta de oxigénio.

O Serum Institute of India, o maior fabricante mundial de vacinas, anunciou que vai entregar 220 milhões de doses aos governos federal e estaduais indianos nos próximos meses, o que poderá abranger 8% da população do país.

O Governo central liderado por Narendra Modi vai receber 110 milhões de doses de Covishield, enquanto os governos estaduais e os hospitais vão receber o restante, disse hoje o fabricante com sede em Puneem, numa publicação na rede social Twitter, sem especificar, no entanto, a data de entrega.

“O fabrico de vacinas é um processo especializado, portanto não é possível aumentar a produção de um dia para o outro”, disse o presidente executivo (CEO) da Serum, Adar Poonawalla, em comunicado.

De acordo com o responsável, produzir doses suficientes para todos os adultos na Índia “não é uma tarefa fácil”.

O país de 1,3 mil milhões de habitantes iniciou, no fim de semana, uma nova fase da campanha de vacinação para abranger todos os maiores de 18 anos, embora algumas regiões indianas tenham indicado ter falta de doses.

O ritmo de vacinação tem sido lento desde o início da campanha, em janeiro, com 157 milhões de doses administradas até agora.

Reino Unido: Fim de distanciamento em junho é “boa hipótese”

O primeiro-ministro do Reino Unido disse esta segunda-feira que há “uma boa hipótese” de as regras de distanciamento social acabarem em junho, uma decisão que poderá ser uma ‘lufada de ar fresco’ para bares e cinemas.

Boris Johnson explicitou que o plano de desconfinamento delineado pelo Governo está encarreirado e que, por isso, poderá ser possível acabar com o distanciamento físico em 21 de junho.

O número de infeções no Reino Unido diminuiu substancialmente (para menos de 2.000 por dia) em relação ao elevado número de contágios verificado no início do ano (cerca de 70.000 diariamente).

A campanha de vacinação também parece estar a produzir os primeiros efeitos, pelo que o aligeiramento progressivo das medidas decretadas para conter a pandemia mantém-se no horizonte.

O Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla inglesa) do Reino Unido atingiu hoje as 50 milhões de vacinas administradas, ou seja, cerca de 52% da população britânica já recebeu pelo menos uma dose das vacinas que estão em circulação e um quarto já recebeu as duas doses.

“Estão a ver os resultados [da vacinação] que estão realmente a começar a mostrar-se na epidemiologia”, disse Johnson a um grupo de jornalistas.

A próxima etapa do plano de desconfinamento ambicioso que Downing Street colocou em marcha deverá ocorrer em 17 de maio, já contemplando as idas a bares e restaurantes, assim como algumas viagens ao estrangeiro.

E, se tudo continuar a decorrer conforme planeado, em 21 de junho deixará de estar em vigor a regra decretada que obriga todos os cidadãos a estarem a pelo menos um metro de distância de outras pessoas que não pertençam ao mesmo agregado familiar.

Contudo, a utilização de equipamentos de proteção individual, como máscaras e viseiras vai manter-se por mais algum tempo.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …