Índia e Paquistão comprometem-se a respeitar cessar-fogo na Caxemira

Na quinta-feira, o Paquistão e a Índia alcançaram um acordo para fazer cumprir o cessar-fogo na região da Caxemira, reivindicada pelos dois países. A fronteira entre ambos é palco frequente de ataques que deixam soldados e civis feridos e, por vezes, mortos.

Segundo o Exército paquistanês, as chefias militares dos dois países vizinhos chegaram a um entendimento para “o respeito estrito de todos os acordos, e o cessar-fogo ao longo [da Linha de Controlo] e todos os outros sectores, com efeitos a partir da meia-noite [de sexta-feira]”. As negociações entre os dois exércitos decorreram numa “atmosfera livre, franca e cordial”, pode ler-se no mesmo comunicado.

Um confronto de alto risco entre as duas nações, ambas com armas nucleares, tem trazido ao longo dos anos ataques frequentes e um alto risco de guerra. Cada país detém uma parte da região, mas têm vindo a reivindicar o território na totalidade.

Desde 2003 que vigora um regime de cessar-fogo na fronteira entre a Índia e o Paquistão, mas muito raramente é respeitado. De acordo com as estatísticas do Governo paquistanês, só no ano passado, ataques esporádicos com origem no território indiano mataram pelo menos 28 civis e feriram 257 pessoas do outro lado da fronteira.

“Este é um passo positivo”, disse Shah Mahmood Qureshi, ministro das Relações Externas do Paquistão, a um canal de notícias local, acrescentando que as tensões crescentes entre os dois países podiam ter levado a um desastre maior. “É preciso criar um ambiente propício se quisermos progressos na Caxemira”, realçou o responsável.

O Paquistão é acusado de 5.133 violações do cessar-fogo que causaram 22 mortes de civis e 24 de soldados, bem como 197 feridos, segundo o Ministério do Interior da Índia. Só desde o início do ano, foram registadas 175 violações do cessar-fogo que resultou no ferimento de oito civis, avançou a Al-Jazeera.

A promessa do cumprimento estrito do cessar-fogo pelos dois países é um desenvolvimento inesperado e bem-vindo. A reivindicação sobre Caxemira motivou duas das três grandes guerras que a Índia e o Paquistão travaram no século XX e inúmeros conflitos de menor grau.

Em Fevereiro de 2019, a ameaça de um novo confronto pairou depois de a Índia ter acusado o Paquistão de ser responsável por um ataque terrorista que matou 44 polícias na Caxemira indiana. A Força Aérea indiana bombardeou algumas zonas do Paquistão, que respondeu com bombardeamentos.

A tensão apenas baixou quando o Paquistão devolveu em segurança um piloto indiano que se tinha despenhado.

Desde então, apesar de não ter havido mais confrontos, a desconfiança não foi superada e as relações entre as duas antigas colónias britânicas atingiram um dos pontos mais baixos nas últimas décadas.

Tanto a Índia como o Paquistão acusam-se mutuamente de patrocinar terroristas, uma questão que qualquer futuro diálogo de paz terá que enfrentar.

As economias da Índia e do Paquistão foram as mais afetadas pela recessão global consequente da pandemia de covid-19, recorda o The Wall Street Journal.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …