Índia e Paquistão comprometem-se a respeitar cessar-fogo na Caxemira

Na quinta-feira, o Paquistão e a Índia alcançaram um acordo para fazer cumprir o cessar-fogo na região da Caxemira, reivindicada pelos dois países. A fronteira entre ambos é palco frequente de ataques que deixam soldados e civis feridos e, por vezes, mortos.

Segundo o Exército paquistanês, as chefias militares dos dois países vizinhos chegaram a um entendimento para “o respeito estrito de todos os acordos, e o cessar-fogo ao longo [da Linha de Controlo] e todos os outros sectores, com efeitos a partir da meia-noite [de sexta-feira]”. As negociações entre os dois exércitos decorreram numa “atmosfera livre, franca e cordial”, pode ler-se no mesmo comunicado.

Um confronto de alto risco entre as duas nações, ambas com armas nucleares, tem trazido ao longo dos anos ataques frequentes e um alto risco de guerra. Cada país detém uma parte da região, mas têm vindo a reivindicar o território na totalidade.

Desde 2003 que vigora um regime de cessar-fogo na fronteira entre a Índia e o Paquistão, mas muito raramente é respeitado. De acordo com as estatísticas do Governo paquistanês, só no ano passado, ataques esporádicos com origem no território indiano mataram pelo menos 28 civis e feriram 257 pessoas do outro lado da fronteira.

“Este é um passo positivo”, disse Shah Mahmood Qureshi, ministro das Relações Externas do Paquistão, a um canal de notícias local, acrescentando que as tensões crescentes entre os dois países podiam ter levado a um desastre maior. “É preciso criar um ambiente propício se quisermos progressos na Caxemira”, realçou o responsável.

O Paquistão é acusado de 5.133 violações do cessar-fogo que causaram 22 mortes de civis e 24 de soldados, bem como 197 feridos, segundo o Ministério do Interior da Índia. Só desde o início do ano, foram registadas 175 violações do cessar-fogo que resultou no ferimento de oito civis, avançou a Al-Jazeera.

A promessa do cumprimento estrito do cessar-fogo pelos dois países é um desenvolvimento inesperado e bem-vindo. A reivindicação sobre Caxemira motivou duas das três grandes guerras que a Índia e o Paquistão travaram no século XX e inúmeros conflitos de menor grau.

Em Fevereiro de 2019, a ameaça de um novo confronto pairou depois de a Índia ter acusado o Paquistão de ser responsável por um ataque terrorista que matou 44 polícias na Caxemira indiana. A Força Aérea indiana bombardeou algumas zonas do Paquistão, que respondeu com bombardeamentos.

A tensão apenas baixou quando o Paquistão devolveu em segurança um piloto indiano que se tinha despenhado.

Desde então, apesar de não ter havido mais confrontos, a desconfiança não foi superada e as relações entre as duas antigas colónias britânicas atingiram um dos pontos mais baixos nas últimas décadas.

Tanto a Índia como o Paquistão acusam-se mutuamente de patrocinar terroristas, uma questão que qualquer futuro diálogo de paz terá que enfrentar.

As economias da Índia e do Paquistão foram as mais afetadas pela recessão global consequente da pandemia de covid-19, recorda o The Wall Street Journal.

Ana Isabel Moura Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …