/

Índia introduz exame nacional de “ciência bovina”. Críticos dizem que é “propaganda hindu”

2

A Índia introduziu um exame nacional de “ciência bovina” para “infundir curiosidade” sobre as vacas, de acordo com as autoridades. Os críticos defendem que a medida politiza o animal e é um esforço promocional do governo nacionalista hindu do país.

De acordo com a CNN, o Governo indiano introduziu um exame nacional de “ciência bovina” opcional que acontecerá anualmente, principalmente para estudantes de escolas e universidades, embora o público em geral também possa realizá-lo, segundo a Rashtriya Kamdhenu Aayog (RKA), uma agência criada em 2012 para a proteção de vacas sob o Ministério da Pesca, Produção Animal e Leiteira.

As vacas são um tema controverso na Índia. Muitas pessoas entre a maioria da população hindu do país consideram o animal sagrado. Por isso, maioria dos estados proibiu a sua matança.

A RKA lançou um guia de estudo para exames de 54 páginas, que inclui tópicos como “significado religioso” e “significado médico” das vacas. “A vaca é um património vivo não só dos hindus, mas da humanidade”, lê-se no documento. “Nas tradições mundiais, a vaca representa fertilidade, prosperidade e vida, e é frequentemente chamada de ancestral mãe, talvez por ser o primeiro mamífero a ser domesticado pelo homem”.

O documento afirma que a atividade de abate em grande escala leva a grandes terramotos, uma afirmação não comprovada que sugere que a dor emitida por massacres em massa pode gerar stresse suficiente para desencadear uma reação sísmica.

O guia também afirma que as vacas nativas – indianas – produzem a melhor qualidade de leite do mundo em comparação com as “vacas exóticas”.

De acordo com o documento, as vacas nativas são “suficientemente inteligentes para não se sentar em lugares sujos” e são mais emotivas. “Sempre que uma pessoa desconhecida se aproxima da vaca desi, ela levanta-se imediatamente”, afirma o documento.

“A ciência bovina deve ser explorada”, disse Vallabhai Kathiria, presidente da RKA, numa conferência de imprensa na terça-feira passada. “Eu sou um cirurgião de cancro, por isso posso atestar isso. Mesmo que uma vaca não dê leite, as fezes e a urina de vaca são muito preciosos”, acrescentou.

“Ferramenta de propaganda para o governo hindu”

O impulso político para impor proibições relacionadas com as vacas aumentou desde que o primeiro-ministro Narendra Modi – cujo Partido Bharatiya Janata (BJP) está fortemente alinhado com os nacionalistas hindus conservadores – chegou ao poder em 2014.

Aliás, na campanha eleitoral de 2014, Modi prometeu acabar com uma “revolução rosa” – uma frase que usou para descrever o abate de gado em todo o país.

Pessoas suspeitas de matar vacas – ou mesmo apenas de comer carne destes animais – foram mortas em ataques violentos no país. Um grande número dessas pessoas inclui muçulmanos. Porém, os crimes de vigilância de vacas na Índia terão sido alegadamente ignorados ou encobertos pelas autoridades desde a ascensão de Modi ao poder.

Um membro da oposição do Partido do Congresso Nacional Indiano, Priyank Kharge, criticou a medida no Twitter. “Querem explorar a ciência bovina durante a pandemia e não dão a mínima para os protocolos científicos a serem seguidos pelas empresas durante a vacinação de toda a população”, escreveu, referindo-se à aprovação de emergência de duas vacinas na Índia no início da semana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O fotógrafo e ativista Sujatro Ghosh, cuja série de fotografias de mulheres indianas a usar máscaras de vacas em 2017 se tornou viral nas redes sociais, considerou o exame “outra ferramenta de propaganda para o governo nacional hindu“.

“Após a ascensão do governo de extrema direita na Índia, a vaca tornou-se um animal político”, disse Ghosh. “A vaca é usada como ferramenta para dividir as pessoas e o exame é visto como uma forma de colocar a vaca num pedestal. Estes políticos não se importam com vacas, só se preocupam com política”.

  Maria Campos, ZAP //

2 Comments

  1. Talvez cheguem a um equilibrio em que as vacas aprendam algumas palavras, enquanto a população passe a incluir a palavra “mu” no seu dicionário.

    Querem um exemplo mais – literalmente – bovino de controlo sobre as massas do que este? Para quê apregoar teorias rebuscadas conspirativas, quando estas são tão visíveis?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.