De surpresa, Índia destrói satélite em teste de nova arma espacial

De surpresa e numa operação de minutos, a Índia destruiu esta quarta-feira um satélite de órbita baixa no Espaço, recorrendo a um míssil. Para o primeiro-ministro indiano, o feito afirma o seu país como uma “potência espacial” global.

A operação, batizada de Mission Shakti (“força” em hindi), foi levada a cabo por uma agência de investigação militar indiana, a DRDO, que lançou o míssil anti-satélite a partir de uma ilha próxima ao estado de Odisha, a leste do país, noticia a agência Reuters.

“Os nossos cientistas destruíram um satélite de órbita baixa a uma distância de 300 quilómetros”, declarou o líder do Executivo indiano, Narendra Modi.

No seu primeiro discurso exibido na televisão desde 2016, o governante dirigiu-se à nação, declarando o sucesso da missão, dando conta que esta é uma “conquista sem precedentes”, que coloca o seu país como uma “potência espacial”. O anúncio e a missão ocorreram a apenas duas semanas das eleições legislativas neste país do sul da Ásia.

Com esta operação, que durou três minutos, a Índia juntou-se aos Estados Unidos, à China e à Rússia na lista dos poucos países do mundo capazes de destruir um satélite com um míssil. Apesar do feito, o líder do Executivo indiano garante que a nação por si governada não tem como objetivo criar uma atmosfera de guerra.



“O nosso objetivo é estabelecer a paz e não criar uma atmosfera de guerra. [Esta operação] não está direcionado contra nenhum país”, completou Modi no discurso, que não foi anunciado com antecedência. “É um momento de orgulho para a Índia”, frisando qe o país une-se assim às “super-potências do espaço”. Antes da Índia, a China tinha sido o último país a executar uma operação deste tipo, em 2007.

Apesar de o satélite destruído ser propriedade de Índia, toda a missão comporta questões polémicas, envolvendo preocupações políticas, militares e científicas.

No que respeita ao Espaço, a  destruição de satélites com míssil tem o inconveniente de projetar milhares de fragmentos em grande velocidade na órbita terrestre, representando um perigo para outros objetos espaciais, apontam os especialistas.

Contudo, o ministério das Relações Exteriores descartou este problema: “O exercício aconteceu numa atmosfera baixa para assegurar que não houvesse detritos espaciais. Quaisquer que sejam os resíduos gerados, desintegrar-se-ão e devem cair na Terra em algumas semanas”, afirmou o órgão do Governo.

Tal como observa a agência AFP, a militarização do Espaço é outro assunto que preocupa muitos especialistas, uma vez que os satélites são fundamentais para as telecomunicações, ajudando também a acompanhar eventos meteorológicos e a fornecer informações de cariz militar. Esta preocupação foi também rebatida pelo Governo indiano.

“A Índia não tem nenhuma intenção de entrar na corrida de armamento espacial”. “Sempre declarámos que o Espaço deve ser utilizado apenas com fins pacíficos”.

Tal como recorda a CNN, o programa espacial da Índia têm crescido substancialmente na última década. Em 2014, o país pôs um satélite em órbita em torno de Marte e a agência espacial indiana anunciou entretanto que irá enviar uma missão tripulada ao espaço nos próximos três anos, observa a emissora norte-americana.

De acordo com a Popular Mechanics, que frisa o fator surpresa da missão, a Índia conduziu nesta missão um teste à sua nova arma espacial. O mesmo portal destaca que, até então, o país não tinha demonstrado publicamente a intenção de desenvolver e/ou testar um sistema de armas anti-satélite. Este foi um “teste surpresa”, pode ler-se.

Provocação para a China e o Paquistão?

Apesar de o Governo ter reiterado que o teste se destina à defesa e segurança da Índia, a missão poderá ser vista pelo Paquistão e pela China como uma provocação.

É conhecida a escalada de tensão entre a Índia e o Paquistão, que disputam a região de Caxemira. Recentemente, os países “trocaram” ataques aéreos e acusações. A Índia ameaçou ainda cortar cursos de água que fluem para o Paquistão.

Importa ainda frisar que o Paquistão tem vários satélites em órbita, entres os quais está um que foi lançado o ano passado com a ajuda da China.

Prova da tensão entre estes países está a rápida reação do Paquistão ao feito “sem precedentes” da Índia. Em comunicado citado pela CNN,  um porta-voz do Ministério paquistanês das Relações Exteriores afirmou que “gabar-se de tais capacidades lembra a inclinação de Dom Quixote contra os moinhos de vento”, sugerindo que as autoridades indianas estariam a combater inimigos imaginários.

“O espaço é património comum da humanidade e cada país tem a responsabilidade de evitar ações que possam levar à militarização desta arena”, refere a mesma nota.

As armas anti-satélite, como o míssil que a Índia testou esta semana, são capazes de atacar satélites inimigos, bloqueando-lhes as comunicações ou destruindo-os. O armamento também pode fornecer uma base tecnológica para o desenvolvimento de capacidades de defesa de mísseis balísticos.

O anúncio do Governo ocorreu no momento em que o primeiro-ministro aspira obter um segundo mandato de cinco anos nas eleições que arrancam a 11 de abril. 900 milhões de eleitores serão chamado às urnas, num ambiente de descontentamento crescente devido ao desemprego e à queda de salários entre os trabalhadores rurais e agricultores. Os resultados serão anunciados a 23 de maio.

Muitos políticos indianos celebraram o avanço tecnológico e felicitaram as agências governamentais, ao passo que os rivais de Modi acusaram o político de ter utilizado o momento como propaganda eleitoral.

SA, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O povo morre à fome e o governo “estoura” dinheiro em armamento…
    O mundo é um lugar muito perigoso. Só tem gente doida.

    • é verdade. lamentavelmente, angustia tanta forma ridícula de agir. é tão mau mas mesmo tão mau que deixa tristeza no ar. mas é em todo o planeta a mesma história, os egos e as lutas, a exteriorização do vazio interior.

  2. A mania das pessoas dizerem, “isto é meu”, “património da humanidade”, até existe um tipo americano que diz que é dono da lua…que pensamento miserável. O planeta terra não pertence ao Trump, não pertence à Rainha de Inglaterra, não pertence a ninguém! E claro está que o espaço também não pertence à humanidade, não é pertença de ninguém, e assim deve continuar!

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …