Incêndios 2017. União Europeia admite ter falhado na ajuda a Portugal

epp_group_official / Flickr

Christos Stylianides, comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises

“Foi doloroso não ter resposta para Portugal.” A União Europeia lamenta não ter estado à altura do apelo lançado pelo país aquando da tragédia dos fogos de outubro de 2017.

Esta segunda-feira, o comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, admitiu, em Madrid, a “angústia” que sentiu quando, na altura dos incêndios em outubro de 2017, telefonou a cada um dos governantes dos vários países da União Europeia com a tutela da Proteção Civil com o intuito de trazer ajuda para Portugal na segunda vaga de incêndios desse ano e não teve sucesso.

Perante o pedido de ajuda de Portugal, houve países que responderam que necessitavam dos seus próprios meios de combate a incêndios naquelas datas. Outros admitiram já não dispor desses mesmos meios à data dos acontecimentos.

Com esta dificuldade e a falta de cooperação dos Estados-membros da União Europeia, o comissário lamentou a situação: “A minha angústia perante as respostas dos outros ministros, dizendo que não tinham meios…”, disse, citado pelo Observador.

Dois anos volvidos, Stylianides descreve mesmo esses “momentos difíceis” como “uma das situações mais dolorosas da minha vida”, precisamente por “não ter resposta para Portugal”.

Nessa altura, o Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia (MPCU) desencadeou a estratégia “rescUE”, que conta para os anos 2019/2020 com um orçamento de cerca de 200 milhões de euros, e que pretende servir como um “rede de segurança adicional”, embora nas palavras do Comissário Europeu, precise de mais dinheiro para funcionar como é suposto.

O “rescEU” prevê a criação de uma reserva de ativos a nível europeu para responder a catástrofes, incluindo aviões de combate aos incêndios florestais, bombas de água especiais, equipas de busca e salvamento em meio urbano, hospitais de campanha e equipas médicas de emergência.

De acordo com o responsável, o plano foi acelerado precisamente depois dos problemas de falta de solidariedade e mobilização de meios de combate a fogos entre países da União Europeia.

Estas informações foram avançadas aos jornalistas no âmbito de uma visita organizada pela Comissão Europeia a Madrid, ao centro onde está estacionada a frota inicial de meios aéreos de combate a incêndios do “rescEU”, composta por sete aviões e seis helicópteros. Este contributo chega por parte de países como a Croácia, França, Itália, Espanha e Suécia.

No entanto, a Comissão Europeia assume que é ainda insuficiente. A longo prazo, espera conseguir aumentar as capacidades e os meios, com 75% dos custos operacionais a serem suportados pela União Europeia.

Além disso, adianta o diário, será utilizado o sistema de satélites Copernicus para cartografar as emergências resultantes dos incêndios e o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia foi reforçado com uma equipa de apoio aos incêndios florestais, com a participação de peritos.

Os incêndios florestais que deflagraram em Portugal em 2017 mataram mais de 100 pessoas e destruíram 442 milhares de hectares de floresta e povoamentos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rússia acusa Navalny e aliados de extremismo em novo processo

A Rússia intensificou a campanha contra o opositor do governo Alexei Navalny, abrindo esta terça-feira um novo processo judicial, que poderá levá-lo a cumprir uma pena de prisão de mais uma década. Navalny cumpre dois anos …

Governo demite Chefe do Estado-Maior da Armada. Gouveia e Melo provável sucessor

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, vai propor ao Presidente da República a demissão do Chefe do Estado-Maior da Armada, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas à Defesa. O Governo propôs ao Presidente da …

Borussia Dortmund 1-0 Sporting | Um Mal(en) que veio só… e foi suficiente

O “bicho papão Haaland não jogou, mas nem assim os “leões” conseguiram contrariar o maior poderio germânico. O Sporting saiu de Dortmund com uma derrota, apesar da excelente réplica no Signal Iduna Park, e muito por …

FC Porto 1-5 Liverpool | Dragão atropelado em casa

O Liverpool é uma espécie de “besta” em tons de “red” para o FC Porto. Em nove jogos oficiais, os “azuis-e-brancos” nunca venceram, somando 3 empates e 6 derrotas, a mais recente foi pesadíssima e …

China desenvolve arma invisível capaz de destruir redes de comunicação em dez segundos

Uma equipa de cientistas chineses está a desenvolver uma arma sónica, que gera um intenso pulso eletromagnético, capaz de destruir redes de comunicação e de fornecimento de energia elétrica. A arma poderá ter um alcance …

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …

Banguecoque em alerta. Mais de 70.000 casas inundadas na Tailândia

As autoridades tailandesas têm feito esforços para proteger partes de Banguecoque das cheias, que já inundaram 70.000 casas e mataram seis pessoas nas províncias no norte e centro do país. A tempestade tropical Dianmu causou cheias …

Exilados sírios obrigados a pagar taxas para evitar o alistamento obrigatório

No início deste ano, Yousef, um sírio de 32 anos que vive na Suécia, teve que pagar as taxas que lhe isentavam da obrigatoriedade de se alistar no exército da Síria, caso contrário a família …

Portugal tem cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, mais de metade em Lisboa

Estima-se que, em 2020, cerca de 485 pessoas tenham abandonado esta condição, o que representa uma descida de 39% face a 2019. Portugal terá cerca de 8.200 pessoas em situação de sem-abrigo, segundo os resultados de …