Incêndios 2017. União Europeia admite ter falhado na ajuda a Portugal

epp_group_official / Flickr

Christos Stylianides, comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises

“Foi doloroso não ter resposta para Portugal.” A União Europeia lamenta não ter estado à altura do apelo lançado pelo país aquando da tragédia dos fogos de outubro de 2017.

Esta segunda-feira, o comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, admitiu, em Madrid, a “angústia” que sentiu quando, na altura dos incêndios em outubro de 2017, telefonou a cada um dos governantes dos vários países da União Europeia com a tutela da Proteção Civil com o intuito de trazer ajuda para Portugal na segunda vaga de incêndios desse ano e não teve sucesso.

Perante o pedido de ajuda de Portugal, houve países que responderam que necessitavam dos seus próprios meios de combate a incêndios naquelas datas. Outros admitiram já não dispor desses mesmos meios à data dos acontecimentos.

Com esta dificuldade e a falta de cooperação dos Estados-membros da União Europeia, o comissário lamentou a situação: “A minha angústia perante as respostas dos outros ministros, dizendo que não tinham meios…”, disse, citado pelo Observador.

Dois anos volvidos, Stylianides descreve mesmo esses “momentos difíceis” como “uma das situações mais dolorosas da minha vida”, precisamente por “não ter resposta para Portugal”.

Nessa altura, o Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia (MPCU) desencadeou a estratégia “rescUE”, que conta para os anos 2019/2020 com um orçamento de cerca de 200 milhões de euros, e que pretende servir como um “rede de segurança adicional”, embora nas palavras do Comissário Europeu, precise de mais dinheiro para funcionar como é suposto.

O “rescEU” prevê a criação de uma reserva de ativos a nível europeu para responder a catástrofes, incluindo aviões de combate aos incêndios florestais, bombas de água especiais, equipas de busca e salvamento em meio urbano, hospitais de campanha e equipas médicas de emergência.

De acordo com o responsável, o plano foi acelerado precisamente depois dos problemas de falta de solidariedade e mobilização de meios de combate a fogos entre países da União Europeia.

Estas informações foram avançadas aos jornalistas no âmbito de uma visita organizada pela Comissão Europeia a Madrid, ao centro onde está estacionada a frota inicial de meios aéreos de combate a incêndios do “rescEU”, composta por sete aviões e seis helicópteros. Este contributo chega por parte de países como a Croácia, França, Itália, Espanha e Suécia.

No entanto, a Comissão Europeia assume que é ainda insuficiente. A longo prazo, espera conseguir aumentar as capacidades e os meios, com 75% dos custos operacionais a serem suportados pela União Europeia.

Além disso, adianta o diário, será utilizado o sistema de satélites Copernicus para cartografar as emergências resultantes dos incêndios e o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia foi reforçado com uma equipa de apoio aos incêndios florestais, com a participação de peritos.

Os incêndios florestais que deflagraram em Portugal em 2017 mataram mais de 100 pessoas e destruíram 442 milhares de hectares de floresta e povoamentos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Caos na Síria. Bombardeamentos turcos levam à fuga de centenas de militantes do Daesh presos

Cerca de 800 militantes do Daesh fugiram neste domingo da prisão de Ain Issa, de acordo com a administração autónoma curda, que acusa a Turquia de ter dado “cobertura aérea” para que a fuga fosse …

Supremo Tribunal espanhol reativa mandado de detenção europeu contra Puigdemont

Um juiz do Supremo Tribunal de Justiça espanhol, Pablo Llarena, aceitou o pedido do Ministério Público e reativou o mandado de detenção europeu para a extradição de Carles Puigdemont. O ex-Presidente do governo regional da Catalunha …

A partir de agora, os saldos têm mesmo que ser saldos

Já estão em vigor as alterações à lei relativa aos saldos e promoções. As novas normas definem que um produto vendido em saldo ou promoção não pode ter um preço mais alto do que o …

Marcelo Rebelo de Sousa critica "instrumentalização do medo" pelo poder

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje haver demasiados poderes com medo que o medo acabe, considerando a "instrumentalização do medo" para acorrentar os outros como um problema na ordem do dia. “Há …

CGTP ameaça Costa: “Ou dá resposta às reivindicações ou conta com contestação” nas ruas

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, defendeu a alteração das leis laborais e o aumento do salários na próxima legislatura, avisando que caso estas reivindicações não sejam atendida, o Governo terá forte contestação nas ruas. Arménio …

Das eleições resultou um "Governo instável" e Marcelo foi "o grande ganhador sem ter participado"

Para Luís Marques Mendes, o PS teve mais votos, mas tem piores condições para governar. Além disso, na opinião do comentador político, foi Marcelo quem ganhou estas eleições, por não ter havido maioria absoluta. O Partido …

"Querem que pique a bolha?" Conselheiros do Banco de Portugal compararam Montepio ao caso BES

Numa "discussão acesa" no Banco de Portugal, conselheiros da entidade de supervisão compararam a situação do Banco Montepio ao caso BES, com referências a um "esquema de Ponzi", em pirâmide, e a ideia de que …

CGD e Novo Banco vão atrás da fortuna de Paulo Maló

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco vão tentar executar o património pessoal de Paulo Maló, médico e empresário que fundou a Malo Clinic, empresa especializada em medicina dentária, escreve o Jornal …

Comandante que desviou dinheiro da Proteção Civil recebe avença do Estado

Gil Martins foi condenado de desviar mais de cem mil euros da Proteção Civil. Ainda assim, o antigo comandante recebe uma avença de mil euros brutos por mês. O ex-comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência …

New York Times divulga provas de que a Rússia bombardeou deliberadamente hospitais na Síria

O The New York Times publicou este domingo, segundo avança o próprio jornal norte-americano, provas de que a Rússia bombardeou repetidamente e deliberadamente hospitais na Síria, onde intervém em apoio do regime sírio do Presidente …